Pular para o conteúdo principal

E o juiz apita o fim do jogo: Este blog chegou ao fim.

A CULPA NÃO É DO CAMPO OU DA BOLA - SEU ESPORTE DEPENDE DE SUA INTEGRAÇÃO COM O OBJETO DE JOGO

Estou repetindo um texto já publicado, mas este assunto muito me encomoda e com certeza, encomoda também a muitos outros brasileiros do ramo esportivou ou não. Vale a pena reler!

Sempre vemos atletas reclamarem ou melhor, justificarem uma má atuação com uma desculpa esfarrapada.

O mais incrível de tudo é que depois você escuta na "rodinha" de amigos as afirmações veementes e convictas como: "Realmente, viu que campo horrível?", "essa nova bola realmente atrapalha o jogador por ser mais leve"...

Eu me pergunto: Será que as pessoas não param pra pensar, analisar tudo aquilo de forma crítica? E olha que nem é difícil...

O atleta é um "ser" privilegiado que recebe pelo menos 15 mil por mês para treinar e jogar. Sua profissão é o lazer, e mesmo assim ele consegue fazê-lo mal?!

É ridículo ver um jogador que começou a carreira em um campo em péssimas condições e jogando com bolas que mais pareciam um ovo de páscoa por causa do formato, dizer que o campo ruim, a bola ou a chuteira fizeram a diferença entre o gol e o chute pra fora.

Isso vale para o basquete ou qualquer outro esporte.

Todo esporte tem seus fundamentos e são esses fundamentos que fazem a diferença, seja no esporte coletivo ou no individual.

Um passe, arremesso, uma levantada, bloqueio, chute a gol, uma finta, um lançamento, um salto, um drible. Eu poderia enumerar uma série de situações para descrever esses movimentos ou técnicas fundamentais para o atleta do esporte, mas prefiro concluir de uma vez.

A diferença entre o 'craque', ou 'estrela', como é chamado o jogador ou atleta que se destaca em sua modalidade esportiva, está em uma coisa simples e primária chamada TREINAMENTO.

O Treinamento consiste em aprimorar ou adquirir qualidades necessárias à pratica de determinada função ou atividade. Cabe aos atletas de hoje treinar mais e se desculpar menos. O treinamento é a melhor forma de fazê-lo chegar ao apogeu de sua forma e técnica.

A culpa não é do campo ou da bola, a culpa é do jogador que não atentou ao tempo da bola ou ao local onde seu pé deveria atingir a bola no momento do chute. Se o atleta, seja qual for a modalidade, treinasse e fizesse isso com gosto, com alegria e amor ao esporte que ele pratica, ele saberia como e quando bater na bola, como arremessar uma bola em direção à cesta para obter o ponto, o movimento a ser feito para passar a bola com perfeição ao seu companheiro seja com as mãos ou com os pés.

Então senhores, não culpem os objetos integrantes do seu esporte, os acessórios ou o local de jogo, pois por mais que eles influenciem pouquíssimo no "resultado final" do que você atleta quer fazer, se você treinar irá saber como lidar com cada situação, afinal, só assim você aprenderá que o seu esporte depende da sua integração com o objeto de jogo, e você só terá isso TREINANDO.

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

O futebol feminino parou, mais uma vez, o país do futebol masculino

Sexta-feira, dia 12 de agosto de 2016. 
Às 22 horas, a Seleção Brasileira de Futebol Feminino entraria em campo já sabendo que as seleções de França e EUA foram eliminadas por equipes consideradas azarões.
O Brasil, começou a tarde desta sexta sabendo que, caso passasse da seleção da Austrália, encararia o vencedor de EUA x Suécia. Logo, saber que a seleção americana havia sido eliminada e não teria a chance de ser nosso algoz nas semifinais já era um peso a menos nas costas de nossas atletas.
Iniciado às 22 horas, o jogo contra a Austrália foi uma mistura de tensão e responsabilidade, fatores que aparentemente pesaram muito e que geraram um nervosismo a cada minuto que se passava e a bola não entrava para que o placar ficasse à nosso favor.
No tempo normal, nada de gols. Então que venha a prorrogação!
Ela veio, com mais nervosismo e tensão ainda. Vale destacar que precisamos clonar a Formiga, pois essa jogadora é fora de série e ninguém joga como ela.
O jogo foi rolando, brasileiros…

Pra chegar onde ninguém chegou é preciso fazer coisas que ninguém fez!

Pra chegar onde ninguém chegou é preciso fazer coisas que ninguém fez!

É preciso acreditar em você em seu sonho! É necessário ter foco!
O que diferencia o vencedor do perdedor é que o vencedor decidiu seguir em frente mesmo quando a vida lhe bateu com força e pareceu até lhe faltar chão. O vencedor caiu e levantou quantas vezes foi necessário e acreditou no seu potencial mesmo quando ninguém acreditava em seus objetivos.
É preciso saber onde se quer chegar e o que é preciso fazer para chegar até lá. 
O caminho não é fácil! A trajetória é cheia de obstáculos, mas é preciso seguir em frente, fazer ajustes no seu planejamento de como chegar até lá, mas nunca mudar seu foco. 
Eu sei o que quero, sei onde quero chegar e sei o que preciso fazer pra alcançar meus sonhos. 
As vezes é preciso estar acordado enquanto os demais dormem, é estar em casa estudando, indo a eventos e se atualizando enquanto muitos estão em festas e curtindo o fim de semana. É preciso abrir mão de muitas coisas para i…

Tabu ALTURA - Preconceito com goleiros e goleiras ou falta de visão?

Um tema tem sido frequentemente abordado no futebol, tanto no masculino quanto no feminino: Estatura dos goleiros.
Tem sido uma prática comum clubes dispensarem ou não darem a devida atenção a goleiros e goleiras considerados "baixos" para a posição sem que ao menos sejam analisadas algumas características que muitos destes possuem, mas que precisam ser trabalhadas. Um goleiro de 16 anos e 1,79m é considerado pequeno, assim como uma goleira que tem 18 anos e 1,70m por exemplo! E isso acontece com atletas de menor idade, como exigências de clubes de que goleiros devem ter 1,80m ou 1,90m com 13 anos!

E qual seria o problema: 
Preguiça associada a busca de um jogador ou jogadora prontos para o clube ganhar dinheiro "sem ter trabalho"? 
Ou a intromissão de cartolas que mal entendem sobre futebol e estão preocupados apenas com seus bolsos e seguem assim padrões de escolas internacionais, e por pouca inteligência neste quesito, perdem profissionais (goleiros e goleiras) q…