Pular para o conteúdo principal

E o juiz apita o fim do jogo: Este blog chegou ao fim.

"Ele não tem visibilidade" - Uma inverdade sobre o Futebol Feminino no Brasil

Sabemos que o mundo gira em torno de mídia, dinheiro, marketing, mercado, lei da oferta e da procura.

                Nesse contexto entramos no tema: Futebol Feminino. Uma modalidade que não é valorizada no país do futebol, desprezada pela mídia e esquecida até pela entidade máxima da modalidade no país, a CBF.

                Para muitos isso se deve à falta de mercado, pouca visibilidade e consequentemente poucas chances de fazer marketing e publicidade.

                Infelizmente essa inverdade só mostra a falta de interesse e falta de criatividade das mídias de um modo geral, empresas e potenciais patrocinadores para o esporte, sem esquecer claro do Ministério dos Esportes e também da CBF.

                Uma das premissas básicas do marketing é a criatividade e acima de tudo CRIAR OPORTUNIDADES. Não se espera um mercado “cair do céu”. Se determinada fatia de mercado não existe ou é pouco explorado o interessado pode e deve transforma-la em um novo mercado e moldá-lo conforme você o faz evoluir.

Em outras palavras, a oportunidade se cria e em um mercado como o futebol feminino, praticamente inexplorado no Brasil, quem tomar as rédeas e investir neste mercado irá ser o pai, o pioneiro e assim será o exemplo de sucesso a ser seguido.

As emissoras de TV, jornais, revistas, portais de internet e empresas do ramo esportivo, em geral, não investem por dois motivos:  preguiça ou medo.

O futebol feminino se mostra cada vez mais atraente em todo o mundo e aqui, na Terra de Garrincha, Pelé e IGUALMENTE de Martas, Formigas, Suntaque, Marias, Fernandas, Carolinas e Cristianes não pode nem deve ser diferente.

Para demonstrar como o mercado pode ser interessante, vamos a alguns dados:
·         A média de público no mundial da Alemanha é maior do que a média de público no campeonato brasileiro de futebol masculino;
·         As mulheres são responsáveis por 66% do consumo das famílias brasileiras, representando R$1,3 trilhões por ano;
·         Segundo o IBGE existem 3.941.819 milhões de mulheres a mais do que homens no Brasil, totalizando assim 99.941.819 milhões de mulheres (cerca de 51,9% da população);
·         Até 2008, antes do “boom” do esporte no Brasil, 30% das mulheres praticavam alguma modalidade esportiva, representando em números atuais aproximadamente 34.876.800 no esporte, onde ¼ joga futebol (8.719.200 mulheres);
·         92,9% da população tem idade entre 0 e 59 anos, idade excepcional para diveras oportunidades de marketing e comércio de serviços e produtos.
Essas informações supracitadas só mostram que não há porque não investir no futebol feminino e na mulher de um modo geral. Hoje elas dominam o ranking da maioria de pesquisas, recebem salários equivalentes aos homens em muitas profissões, são as principais consumidoras e influenciadoras no que se refere a aquisição de bens, produtos e serviços. São destaque também em muitas modalidades esportivas.

O mundo evolui enquanto o Brasil vai ficando pra trás no futebol feminino. O país possui uma grande quantidade e qualidade de mulheres que jogam futebol.

Eu vejo, você vê, a CBF mostra que não se interessa e muitos, por medo, não tem coragem de remar “Contra a maré”.

Para mudar este quadro bastaria o Brasil se candidatar a país sede da Copa do Mundo de Futebol. Não é difícil, não é complicado, basta ter coragem de criar uma oportunidade favorável para que o esporte possa evoluir e crescer!

Se o futebol feminino tivesse uma voz própria ele diria: Dizer que eu não tenho espaço, que não vendo e não sou popular? Não podem me culpar pela falta de coragem e visão de vocês. A minha parte, que é lutar e mostrar que estou vivo, eu faço todos os dias!”.

Futebol Feminino no Brasil – “Tamo Junto” – Nós somos a sua voz! #FFTamoJuntoBR

Comentários

  1. Muito bom seu post.
    Isso tudo é desigualdade de gênero.
    Mas...#FFTamoJuntoBR

    ResponderExcluir
  2. Chama-se pré-conceito!
    O Brasil é um país extremamente MACHISTA e tanto a CBF, como o grande público, acham que futebol é coisa de homem!
    Puro preconceito desprezível!!!

    ResponderExcluir
  3. Não sei se você está sabendo o presidente do Fluminense decretou o fim do futebol feminino no clube... na terça-feira, às 17 horas, as meninas farão um protesto na sede do clube.
    Acho que independente de qual seja o clube pelo qual você torce, é muito importante o apoio de homens nessa luta! Isso é uma grande perda para o futebol carioca e nacional...
    Se puder, pelo menos, divulgar, seria bacana!

    Segue o link: http://www.po-de-arroz.com/component/content/article/55-destaque/5372-jogadoras-do-futebol-feminino-convocam-imprensa-e-torcedores-para-protesto

    ResponderExcluir
  4. concordo plenamente com vc!

    ResponderExcluir

Postar um comentário

Deixe seu comentário, opinião, dúvida ou sugestão! Um abraço, Edu Pontes!

Postagens mais visitadas deste blog

O futebol feminino parou, mais uma vez, o país do futebol masculino

Sexta-feira, dia 12 de agosto de 2016. 
Às 22 horas, a Seleção Brasileira de Futebol Feminino entraria em campo já sabendo que as seleções de França e EUA foram eliminadas por equipes consideradas azarões.
O Brasil, começou a tarde desta sexta sabendo que, caso passasse da seleção da Austrália, encararia o vencedor de EUA x Suécia. Logo, saber que a seleção americana havia sido eliminada e não teria a chance de ser nosso algoz nas semifinais já era um peso a menos nas costas de nossas atletas.
Iniciado às 22 horas, o jogo contra a Austrália foi uma mistura de tensão e responsabilidade, fatores que aparentemente pesaram muito e que geraram um nervosismo a cada minuto que se passava e a bola não entrava para que o placar ficasse à nosso favor.
No tempo normal, nada de gols. Então que venha a prorrogação!
Ela veio, com mais nervosismo e tensão ainda. Vale destacar que precisamos clonar a Formiga, pois essa jogadora é fora de série e ninguém joga como ela.
O jogo foi rolando, brasileiros…

Pra chegar onde ninguém chegou é preciso fazer coisas que ninguém fez!

Pra chegar onde ninguém chegou é preciso fazer coisas que ninguém fez!

É preciso acreditar em você em seu sonho! É necessário ter foco!
O que diferencia o vencedor do perdedor é que o vencedor decidiu seguir em frente mesmo quando a vida lhe bateu com força e pareceu até lhe faltar chão. O vencedor caiu e levantou quantas vezes foi necessário e acreditou no seu potencial mesmo quando ninguém acreditava em seus objetivos.
É preciso saber onde se quer chegar e o que é preciso fazer para chegar até lá. 
O caminho não é fácil! A trajetória é cheia de obstáculos, mas é preciso seguir em frente, fazer ajustes no seu planejamento de como chegar até lá, mas nunca mudar seu foco. 
Eu sei o que quero, sei onde quero chegar e sei o que preciso fazer pra alcançar meus sonhos. 
As vezes é preciso estar acordado enquanto os demais dormem, é estar em casa estudando, indo a eventos e se atualizando enquanto muitos estão em festas e curtindo o fim de semana. É preciso abrir mão de muitas coisas para i…

Tabu ALTURA - Preconceito com goleiros e goleiras ou falta de visão?

Um tema tem sido frequentemente abordado no futebol, tanto no masculino quanto no feminino: Estatura dos goleiros.
Tem sido uma prática comum clubes dispensarem ou não darem a devida atenção a goleiros e goleiras considerados "baixos" para a posição sem que ao menos sejam analisadas algumas características que muitos destes possuem, mas que precisam ser trabalhadas. Um goleiro de 16 anos e 1,79m é considerado pequeno, assim como uma goleira que tem 18 anos e 1,70m por exemplo! E isso acontece com atletas de menor idade, como exigências de clubes de que goleiros devem ter 1,80m ou 1,90m com 13 anos!

E qual seria o problema: 
Preguiça associada a busca de um jogador ou jogadora prontos para o clube ganhar dinheiro "sem ter trabalho"? 
Ou a intromissão de cartolas que mal entendem sobre futebol e estão preocupados apenas com seus bolsos e seguem assim padrões de escolas internacionais, e por pouca inteligência neste quesito, perdem profissionais (goleiros e goleiras) q…