Pular para o conteúdo principal

Seleção Brasileira: Um trabalho para recuperar a hegemonia


Baseado no sensacional texto da grande amiga @Lu_dCastro do blog O Laço da Chuteira, onde ela menciona a busca desesperada da CBF por um amistoso contra adversários inferiores para tentar sustentar uma hegemonia que foi perdida há anos. (Leiam o texto da Lu pois está muito bom)

Após a derrota para a Alemanha foi anunciada a lista de amistosos da Seleção para 2011 onde enfrentará adversários tecnicamente inferiores como Egito, Costa Rica, México e Gabão.

Isso é visto como uma válvula de escape para tentar mostrar força ao grupo brasileiro após derrotas para seleções mais fortes e organizadas?

Acho que daqui para 2014 vai ser complicado para o Brasil. Talvez o planejamento adotado não seja o mais adequado, mas quem sou eu pra julgar, temos que esperar e rezar pra ver no que vai dar.

Eu, particularmente faria diferente.

Buscando o melhor para a Copa do mundo FIFA de 2014, o primeiro objetivo seria escolher o técnico que comandaria até o fim da copa. Feito isso, escolha de comissão técnica e ainda a escolha de esquema tático, planificação de treinamentos para gerar uma normatização dos treinos e do estilo de jogo, jogadas ensaiadas e afins.

Beleza. Mas Edu, por que criar uma padronização de treinos?
Muito simples amigos. Porque trabalharíamos dois grupos distintos: uma seleção apenas de jogadores que atuam no Brasil e outra de jogadores que atuam no exterior.

Parece loucura, mas dá pra fazer SIM e só vou esboçar a ideia porque se eu fosse explicar detalhe por detalhe esse texto ia virar livro.

No planejamento dos 4 anos (contando de 2011 a 2014), analisaria as janelas de amistosos, os períodos de pausa dos campeonatos europeus (onde a grande maioria dos nossos “estrangeiros” atuam) e também as pausas aqui no Brasil. Claro, além das competições internacionais como Copa américa e Copa das Confederações.

Ia dar um trabalho do cão, mas seria muito bacana.

- Quando tivesse amistosos da Seleção em janela FIFA contra times europeus, os jogadores da Europa atuariam e o selecionado que atua aqui, iria para a Granja Comary treinar;
- Quando o amistoso em janela FIFA fosse contra adversários Latinos e de “menor” expressão, os jogadores do Brasil que iriam jogar e os europeus treinar em algum canto da Europa;
- Copa América seria disputada com 70% de atletas que atuam no Brasil;
-Copa das Confederações com 50% de atletas que atuam no Brasil e 50% que atuam no exterior;
- Nos períodos de pausa de campeonatos europeus, Granja Comary em treinos e coletivos contra alguns dos jogadores que atuam no Brasil;
- Nos períodos de pausa dos campeonatos envolvendo os times brasileiros, treinos e amistosos na Europa com 70 a 80% de atletas que atuam no Brasil, enfrentando seleções fortes.

Ganharíamos identidade em campo, padronização de esquema e estilo de jogo, valorização dos atletas que atuam no Brasil e oportunidades para os que jogam no exterior e são esquecidos, maior visibilidade E RESPEITO do futebol mundial. Sem falar na competitividade dentro da Seleção, pois ninguém teria vaga certa.

Um ano antes da Copa, amistosos realizados no Brasil e até mesmo jogos nos estádios para a copa entre Seleção do Brasil Nacional X Seleção do Brasil Internacional. De todo este trabalho sairia os selecionados para a Copa de 2014.


Posso queimar a língua, mas duvido que o Brasil não levaria a copa de 2014 e recuperaria assim, com um trabalho bem feito, o respeito do futebol mundial.

Comentários