Pular para o conteúdo principal

E o juiz apita o fim do jogo: Este blog chegou ao fim.

Futebol Feminino: Um título que não esconde a necessidade de planejamento


Ontem a Seleção Brasileira de Futebol Feminino, comandada por Jorge Barcellos, ganhou o primeiro título desta nova empreitada ao vencer a Dinamarca por 2 x 1 no dia de ontem, domingo.

O que todos esperam é que o título do “Torneio Internacional Cidade de SP” coroe esta nova fase da Seleção em que o apoio da CBF e do Ministério dos Esportes seja massivo.

Erica marcou os dois gols da vitória e foi destaque no torneio.


A conquista não esconde, de forma alguma, os problemas que há décadas são conhecidos.

O foco da nova fase de preparação visa não só a conquista olímpica como a conquista do inédito título mundial, conquistas essas que são almejadas há tempos, mas que não aconteceram até hoje pelo descaso e falha no planejamento da Confederação Brasileira de Futebol, que não temos certeza se em algum momento existiu.

Se o foco são títulos não há como não se preocupar com os alicerces do futebol feminino brasileiro. Faltam campeonatos e/ou torneios estruturados que visem o desenvolvimento da modalidade nos quatro cantos do país, falta preocupação em formar atletas de base para que a renovação seja constante e assim títulos sejam conquistados.

Falta metodologia de treinamento, definição da forma de jogar desde a base até a categoria principal para assim solidificar e tornar o estilo de jogo da seleção inconfundível e algo intrínseco e que toda jogadora que atue na base leve até a seleção principal sabendo exatamente a forma de pensar, treinar e jogar.

Cabe à CBF e Min. Dos Esportes criar o centro de desenvolvimento de futebol feminino focado na formação e aperfeiçoamento das atletas na parte técnica, física, educacional e psicológica.

Precisam ser traçados também como será a distribuição de olheiros por todo o país. Muitos estados não têm competições oficiais e isso prejudica não só as atletas, mas também a modalidade que perde talentos pelo simples fatos da falta de um plano de ação no que diz respeito à observação destas atletas.
A meta de curto prazo está definida: a conquista do título olímpico. Já conhecemos a meta de médio prazo que é a conquista do título da Copa da Copa do Mundo e a de longo prazo é mais complexa, pois está relacionada a alguns fatores:

·       Se preocupar com a observação e o trabalho das seleções de base tanto no que se refere a atletas como de novos profissionais de comissão técnica que podem e devem ser observados Brasil a fora,
·       Tornar a modalidade mais popular,
·       Dar condições para que a modalidade evolua,
·       Trazer a Copa do Mundo da modalidade para o país,
·        Fazer o slogan “Brasil – País do Futebol” soar menos hipócrita, pois o futebol feminino ainda é esquecido,
·     Planejar e viabilizar oportunidades à ex atletas qualificadas à frente ou no processo de evolução e estruturação da modalidade no país,
·        Alcançar e manter a o futebol feminino brasileiro no topo do mundo.

Pra que isso aconteça, muita coisa precisa acontecer, mas o principal é pesquisar, planejar, desenvolver e implantar uma nova forma de gestão que foque o futuro da modalidade.

O Futebol Feminino precisa de ações permanentes e não apenas de ações para poder dizer que estamos tentando fazer algo. De mentiras e hipocrisias já estamos mais do que “satisfeitos”.

Comentários

  1. caro amigo tudo o que vc está comentando aqui hoje pra mim e importante, mas a mais ou menos 12 anos atrás eu já propus realizar um trabalho desses nas categorias de base da CBF, mas o projeto acredito nem ter sido apresentado ao comando das seleções da cbf, portanto em minha opinião o verdadeiro câncer do futebol feminino chama-se "Paulo Dutra", um funcionário de carreira dentro da CBF e que não admite ser contrariado e que acha que suas opiniões é que valem; esse senhor está ai na supervisão do futebol feminino desde 1991 no primeiro campeonato mundial na China onde fomos humilhadas, portanto se em 20 anos o futebol feminino no Brasil continua da mesma forma, o grande responsável por isso é esse senhor...
    Mudanças precisam acontecer sim, mas de cima pra baixo não como eles querem; a mudança de postura das atletas de nada adiantará se não se mudar o comando das seleções.

    ResponderExcluir
  2. Infelizmente, o futebol feminino ainda n ão é rentável o bastante para receber incentivos massivos de nossas autoridades esportivas, quando deveria ser justamente o contrário.
    Veja-se o caso do Santos cujos jogadores após a derrota humilhante para o Barcelona se renderam à genialidade do futebol espanhol: técnica? Não! Gestão! É só isso que falta ao futebol brasileiro!

    ResponderExcluir
  3. Miriam...Tem toda razão, tb fiu atleta de seleção brasileira e posso afirmar que o "cancer do futebol feminino" se chama Paulo Dutra, enquanto esse cidadão estiver lá o futebol feminino não vai sair disso. Alguém viu a convocação? Primeira para as Olimpiadas...Onde estão as titulares?? Não convocam prque elas não abrem mão do salário de fora para ganhar uma merreca que a CBF paga de diária, qualquer trabalhador que é diarista, ganha mais que elas (50 reais por dia) e tem mais a CBF não paga a passagem delas se não for para competição, por isso essas seis convocações será pura enganação, as boas mesmos não poderão comparecer em nenhuma delas. FORA PAULO DUTRA!!!!

    Valeria

    ResponderExcluir

Postar um comentário

Deixe seu comentário, opinião, dúvida ou sugestão! Um abraço, Edu Pontes!

Postagens mais visitadas deste blog

O futebol feminino parou, mais uma vez, o país do futebol masculino

Sexta-feira, dia 12 de agosto de 2016. 
Às 22 horas, a Seleção Brasileira de Futebol Feminino entraria em campo já sabendo que as seleções de França e EUA foram eliminadas por equipes consideradas azarões.
O Brasil, começou a tarde desta sexta sabendo que, caso passasse da seleção da Austrália, encararia o vencedor de EUA x Suécia. Logo, saber que a seleção americana havia sido eliminada e não teria a chance de ser nosso algoz nas semifinais já era um peso a menos nas costas de nossas atletas.
Iniciado às 22 horas, o jogo contra a Austrália foi uma mistura de tensão e responsabilidade, fatores que aparentemente pesaram muito e que geraram um nervosismo a cada minuto que se passava e a bola não entrava para que o placar ficasse à nosso favor.
No tempo normal, nada de gols. Então que venha a prorrogação!
Ela veio, com mais nervosismo e tensão ainda. Vale destacar que precisamos clonar a Formiga, pois essa jogadora é fora de série e ninguém joga como ela.
O jogo foi rolando, brasileiros…

Pra chegar onde ninguém chegou é preciso fazer coisas que ninguém fez!

Pra chegar onde ninguém chegou é preciso fazer coisas que ninguém fez!

É preciso acreditar em você em seu sonho! É necessário ter foco!
O que diferencia o vencedor do perdedor é que o vencedor decidiu seguir em frente mesmo quando a vida lhe bateu com força e pareceu até lhe faltar chão. O vencedor caiu e levantou quantas vezes foi necessário e acreditou no seu potencial mesmo quando ninguém acreditava em seus objetivos.
É preciso saber onde se quer chegar e o que é preciso fazer para chegar até lá. 
O caminho não é fácil! A trajetória é cheia de obstáculos, mas é preciso seguir em frente, fazer ajustes no seu planejamento de como chegar até lá, mas nunca mudar seu foco. 
Eu sei o que quero, sei onde quero chegar e sei o que preciso fazer pra alcançar meus sonhos. 
As vezes é preciso estar acordado enquanto os demais dormem, é estar em casa estudando, indo a eventos e se atualizando enquanto muitos estão em festas e curtindo o fim de semana. É preciso abrir mão de muitas coisas para i…

Tabu ALTURA - Preconceito com goleiros e goleiras ou falta de visão?

Um tema tem sido frequentemente abordado no futebol, tanto no masculino quanto no feminino: Estatura dos goleiros.
Tem sido uma prática comum clubes dispensarem ou não darem a devida atenção a goleiros e goleiras considerados "baixos" para a posição sem que ao menos sejam analisadas algumas características que muitos destes possuem, mas que precisam ser trabalhadas. Um goleiro de 16 anos e 1,79m é considerado pequeno, assim como uma goleira que tem 18 anos e 1,70m por exemplo! E isso acontece com atletas de menor idade, como exigências de clubes de que goleiros devem ter 1,80m ou 1,90m com 13 anos!

E qual seria o problema: 
Preguiça associada a busca de um jogador ou jogadora prontos para o clube ganhar dinheiro "sem ter trabalho"? 
Ou a intromissão de cartolas que mal entendem sobre futebol e estão preocupados apenas com seus bolsos e seguem assim padrões de escolas internacionais, e por pouca inteligência neste quesito, perdem profissionais (goleiros e goleiras) q…