Pular para o conteúdo principal

E o juiz apita o fim do jogo: Este blog chegou ao fim.

Futebol Feminino: A união das jogadoras pode fazer toda a diferença


Muita polêmica no Futebol Feminino Brasileiro na última semana com a declaração da jogadora Marta, cinco vezes melhor do mundo, em que ela disse que não poderia carregar o peso de mudar a modalidade.

Muita gente questionou e eu também fui um destes. Acho que as jogadoras consideradas medalhões, jogadoras de maior prestígio e que estão constantemente com espaço na mídia, não só podem como devem questionar e provocar momentos de reflexão sobre a situação da modalidade no hipócrita “País do Futebol”.

Não concordo com a Marta, mas em todas as situações, procuro me colocar no lugar da pessoa ou de uma categoria para poder compreender o ocorrido, pensar no que eu no lugar delas faria e, mesmo discordando da atitude tomada, poder falar: Eu não concordo, mas compreendo porque se chegou a tal situação.

Muito se questiona da falta de posicionamento das jogadoras de futebol brasileiras no que se refere a cobranças, questionamentos e levantamentos sobre a situação da modalidade no país!

Marta poderia usar sua imagem e renome internacional para falar mais das dificuldades do Futebol Feminino no Brasil e cobrar a mesma atitude de outras companheiras de Seleção que nada fazem pela classe.

E por que isso?

Muitas destas atletas, sejam elas de renome internacional ou não, não tem assessoria, não sabem com reivindicar, e talvez o maior medo seja de represálias da CBF, clubes e federações, afinal ISTO REALMENTE ACONTECE. Talvez este medo seja o grande “vilão”, embora saibamos que outras atletas nada fazem realmente por descaso ou por estar em situação mais confortável do que outras.

Enquanto as jogadoras não se sentirem seguras e respaldadas por algum órgão, seja uma associação das atletas (que já devia ter sido criada há tempos) ou o ministério dos esportes (respaldo que possivelmente veremos acontecer em breve), vamos continuar com essa "Falta de união".

Coloco o termo “falta de união” entre aspas exatamente porque sabemos que, de certo ponto é compreensível essa coisa de evitar ou preferir não falar sobre algumas coisas, mas não é a postura correta.

As jogadoras, ao contrário do que elas mesmas pensam, tem o poder de mudar esta situação. Elas poderiam e deveriam pensar mais na modalidade, unir grandes nomes, unir as atletas de equipes adultas e com experiência, ex atletas e expor as situações, o que precisa ser melhorado, o por que de estar fazendo tal movimento e acima de tudo falar coisas sinceras, sensatas e fazer assim com que a confederação venha a pensar mais na modalidade.

Uma categoria/classe unida é capaz de promover mudanças, afinal a CBF teria que fazer algo pela modalidade se a grande maioria das atletas estivesse envolvida nestes questionamentos.

Como tenho dito, a culpa pela situação é um pouco de cada: governo, confederação, federações, clubes, e atletas. Cada um tem a sua parcela de responsabilidade na situação atual do desporto no Brasil, mas sem dúvida as maiores interessadas são as atletas, e passou da hora de se mobilizarem.

As atletas deveriam pensar o quanto este esporte, mesmo com toda dificuldade, mudou as suas vidas. Se mudou a vida de vocês jogadoras, porque vocês não podem mudar a situação da modalidade?

Acredito que o Ministério dos Esportes comece a se mobilizar antes das atletas, mas espero que ao menos, quando a mobilização começar, que as jogadoras tenham coragem de “brigar” pelo sonho que é poder viver do esporte que amam: O Futebol Feminino.

A união das atletas pode fazer toda a diferença a favor do Futebol Feminino Brasileiro. Elas precisam voltar a acreditar mais em si mesmas e na capacidade que possuem de fazer a diferença.

Comentários

  1. Você fala muito e não sabe de um terço do que realmente acontece. E realmente as represálias existem e não só na CBF mas tb nos clubes. Pra quem não é atleta é mais fácil meter a boca do q as próprias atletas e vc não pode cobrar com tanta indignação o ato de não ser feito por mtas atletas de elite. Se fizerem mtas perdem. A única q tem costa quente pra fazer isso é a Marta, mas ela já fez MTOOO... acho q até ela é cobrada para ficar quieta em mtas vezes. Se não partir de Ricardo Teixeira NADA será feito, pode até ter fogo de palha do Governo porém irá dura 1 ano e tudo irá voltar como era. A entidade CBF precisa abraçar a causa, pq é dela que vem o resto. Fico por aqui.

    ResponderExcluir
  2. Obrigado pelo comentário! A intenção é ter mesmo essa interação e o comentário de atletas como você é que ajudam e fazem a diferença na formulação de ideias e quem sabe de um plano de ação para a modalidade! Muito obrigado!

    ResponderExcluir
  3. Word up Edu! Texto como sempre mto bom. E não sei quem é ai em cima, pq se declarar anônimo é bem legal pra meter o pau, mas se for atleta ta bem por fora da realidade, e se for admiradora explica o porque da ignorância. Texto auto explicatico e com opnião própria. Parabéns Duds!

    ResponderExcluir
  4. Edu,concordo com tudo o que você disse,ótimo texto como sempre,se elas se unirem acho que o futebol feminino,vai começar a mudar. Parabéns pelo texto!

    ResponderExcluir
  5. È bem complexo tudo o que existe em torno do Futebol Feminino do Brasil e ficar buscando ou acusando culpados não nos levará a nada. Acredito sim que muita coisa já deveria ter sido feito mas não foi, portanto vamos parar com essa mesmice e ser objetivos. Como ex atleta e uma das primeiras goleiras que esse pais já teve, ja passei por tudo o que vcs podem imaginar dentro e fora de nossa Seleção e se em 24 anos de futebol feminino dentro da CBF não houveram mudanças foi pq para a CBF não é interessante que nossa modalidade cresça como tem potencial pra isso. A CBF primeiro precisa definir se tem interesse ou não no nosso futebol feminino, se não tiver então delegue os poderes ao Comitê Olímpico para assumir a modalidade.
    Se houver o interesse da CBF em nossa modalidade, é preciso então mudar o sistema organizacional e criar o Departamento de Futebol Feminino com um diretor(a)(em minha opinião deveria ser uma ex-atleta com formação e graduação pra isso), criado esse departamento ai sim chamar as partes interessadas e ouvir o que todos tem a dizer, não é simplesmente dizer; vai ser assim e pronto, existem vários caminhos a se seguir e um deles é o da estruturação departamental da entidade para que o futebol feminino tenha oportunidade buscar o seu mercado.
    Qualquer profissional do Marketing é capaz de provar que o Futebol Feminino é um produto rentável, basta ter estrutura e se planejar corretamente.
    Eu proponho um Forun do Futebol Feminino agora em 2012 e estou disposta a propor idéias sobre uma melhor estrutura da minha modalidade esportiva.
    Abraços

    Miriam Soares
    Ex Goleira

    ResponderExcluir
  6. Concordo plenamente com você Miriam, espero que a CBF abra os olhos e veja o que eles estão perdendo de tão importante pra nosso país (que é chamado país do futebol). Acredito que todas as pessoas que gostam de esporte também concordará com todas as suas palavras ditas.
    Será que essas pessoas que representam essa CBF não acordaram ainda, qual o país que tem a melhor JOGADORA DO MUNDO POR VÁRIAS VEZES? Pois é pessoal, acho que ela não deve ter nascido nesse país medíocre que não valoriza a mulher...Pense no que vcs estão fazendo, e que seja criado o FORUN do futelbol feminino...Abraços Ana Paula

    ResponderExcluir

Postar um comentário

Deixe seu comentário, opinião, dúvida ou sugestão! Um abraço, Edu Pontes!

Postagens mais visitadas deste blog

O futebol feminino parou, mais uma vez, o país do futebol masculino

Sexta-feira, dia 12 de agosto de 2016. 
Às 22 horas, a Seleção Brasileira de Futebol Feminino entraria em campo já sabendo que as seleções de França e EUA foram eliminadas por equipes consideradas azarões.
O Brasil, começou a tarde desta sexta sabendo que, caso passasse da seleção da Austrália, encararia o vencedor de EUA x Suécia. Logo, saber que a seleção americana havia sido eliminada e não teria a chance de ser nosso algoz nas semifinais já era um peso a menos nas costas de nossas atletas.
Iniciado às 22 horas, o jogo contra a Austrália foi uma mistura de tensão e responsabilidade, fatores que aparentemente pesaram muito e que geraram um nervosismo a cada minuto que se passava e a bola não entrava para que o placar ficasse à nosso favor.
No tempo normal, nada de gols. Então que venha a prorrogação!
Ela veio, com mais nervosismo e tensão ainda. Vale destacar que precisamos clonar a Formiga, pois essa jogadora é fora de série e ninguém joga como ela.
O jogo foi rolando, brasileiros…

Pra chegar onde ninguém chegou é preciso fazer coisas que ninguém fez!

Pra chegar onde ninguém chegou é preciso fazer coisas que ninguém fez!

É preciso acreditar em você em seu sonho! É necessário ter foco!
O que diferencia o vencedor do perdedor é que o vencedor decidiu seguir em frente mesmo quando a vida lhe bateu com força e pareceu até lhe faltar chão. O vencedor caiu e levantou quantas vezes foi necessário e acreditou no seu potencial mesmo quando ninguém acreditava em seus objetivos.
É preciso saber onde se quer chegar e o que é preciso fazer para chegar até lá. 
O caminho não é fácil! A trajetória é cheia de obstáculos, mas é preciso seguir em frente, fazer ajustes no seu planejamento de como chegar até lá, mas nunca mudar seu foco. 
Eu sei o que quero, sei onde quero chegar e sei o que preciso fazer pra alcançar meus sonhos. 
As vezes é preciso estar acordado enquanto os demais dormem, é estar em casa estudando, indo a eventos e se atualizando enquanto muitos estão em festas e curtindo o fim de semana. É preciso abrir mão de muitas coisas para i…

Tabu ALTURA - Preconceito com goleiros e goleiras ou falta de visão?

Um tema tem sido frequentemente abordado no futebol, tanto no masculino quanto no feminino: Estatura dos goleiros.
Tem sido uma prática comum clubes dispensarem ou não darem a devida atenção a goleiros e goleiras considerados "baixos" para a posição sem que ao menos sejam analisadas algumas características que muitos destes possuem, mas que precisam ser trabalhadas. Um goleiro de 16 anos e 1,79m é considerado pequeno, assim como uma goleira que tem 18 anos e 1,70m por exemplo! E isso acontece com atletas de menor idade, como exigências de clubes de que goleiros devem ter 1,80m ou 1,90m com 13 anos!

E qual seria o problema: 
Preguiça associada a busca de um jogador ou jogadora prontos para o clube ganhar dinheiro "sem ter trabalho"? 
Ou a intromissão de cartolas que mal entendem sobre futebol e estão preocupados apenas com seus bolsos e seguem assim padrões de escolas internacionais, e por pouca inteligência neste quesito, perdem profissionais (goleiros e goleiras) q…