Pular para o conteúdo principal

E o juiz apita o fim do jogo: Este blog chegou ao fim.

O que falei hoje sobre Futebol Feminino no twitter


Quem quiser ler tudo que falei hoje a tarde sobre futebol feminino, aqui está todo o conteúdo.

Fiquem a vontade para ler, concordar, discordar e claro, comentar!


#FutFeminino dos EUA só chegou a tal patamar após jogadoras fazerem greve e mostrar a sua força. No BRA nossas jogadoras tem medo.

Sem luta não há vitória! Sempre foi assim durante toda história da humanidade! Está na hora de nossas atletas perceberem a força que tem!

Tudo é possível quando se quer e se faz acontecer. No Brasil falta força de vontade, planejamento e profissionalismo no #FutebolFeminino.

O problema no Brasil é: os que se dizem dirigentes, até na CBF, não querem ter o trabalho de lapidar o #FutebolFeminino e torná-lo rentável!

Com apenas um pouco de planejamento, algo que aparentemente falta à CBF, o #FutebolFeminino brasileiro poderia ser o maior do mundo!

A qualidade técnica de nossas jogadoras é incomparável! Com nutrição, acompanhamento médico, trabalho técnico ,tático e psicológico vamos longe!

O #FutebolFeminino brasileiro pode mudar facilmente, alcançar títulos, trazer patrocinadores, TV e afins. Só a CBF mostrar gestão e planejamento.

Quem trabalha com #FutebolFeminino sabe que atenção, conversa, esclarecimento e respeito para com a atleta as vezes é que ela mais precisa!

Nossas jogadoras só querem direito de viver do #Futebolfeminino sem a necessidade de trabalhar para complementar renda e ainda tentar estudar.


Se temos títulos de alguma "expressão", vice campeonato mundial, olímpico...devemos TUDO a garra e determinação das nossas jogadoras.

#FutebolFeminino: A classe que se acha a mais fraca nesse "sistema" é a que, na verdade, é a mais forte: São elas: AS JOGADORAS!

Trabalho com #FutebolFeminino há 4 anos. Sei do poder de transformação que a modalidade tem na vida das atletas!

Não luto por um clube, por uma atleta... Luto por uma modalidade porque acredito e sei do potencial que o desporto tem!#FutebolFeminino

Minha bagagem pode ser pouca, mas minha visão e força de vontade é maior do que muitos que se dizem gestores.#Futebolfeminino

Marketing, patrocínio, boas condições... Isso tudo é VOCÊ GESTOR quem cria! Mostrando organização e planejamento sempre há apoio #FutebolFeminino


Jogar (treinar, viajar, jogar) + trabalhar + estudar = Vida de jogadora no Brasil! Sou contra! #FutebolFeminino deve ser seu único trabalho!

Pro #FutebolFeminino no Brasil dar certo temos que ter: Pessoas interessadas, pessoas qualificadas e força de vontade! A fórmula é bem simples!


Já falei muito aqui sobre #FutebolFeminino mas pra finalizar quero que entendam o seguinte: É AGORA OU NUNCA! Essa é a hora de mudar!

Não podemos ter no #FutebolFeminino técnicos que caem de paraquedas, amigos indicados que NÃO TEM CONDIÇÃO de trabalhar com o feminino...

Precisamos de clínicas de formação de técnicos, clínicas regionais de #FutebolFeminino. Tem muita gente boa que não é vista!


Um clube paga de 50 a 700 mil a um jogador por mês, fora direito de imagem, bicho e luvas! E no #FutebolFeminino pagam 300 reias!#ABSURDO

Eu respeito o #FutebolFeminino e respeito muito todas as mulheres que lutam pelo seu ideal! ELAS JOGAM POR AMOR AO ESPORTE!

Empresa pra investir em #FutebolFeminino tem um monte! O que falta é gestor qualificado pra mostrar seriedade e confiança ao patrocinador!

Clube, profissional de marketing, administrador, diretor... qualquer um que disser que #FutebolFeminino não dá retorno deveria ter vergonha Afinal, oportunidade aparece e se concretiza se você faz seu trabalho da forma correta. Então tem muita gente precisando se reciclar!

Mas como já falei: Todo mundo tem sua parcela de culpa pela situação do #FutebolFeminino: CBF, Federações, Clubes, Gestores e Atletas!

Espero que, em breve, possamos olhar para trás e ver o quanto evoluímos no #FutebolFeminino! E AFIRMO: Agora é a hora! Vamos juntos?

Comentários

  1. Este comentário foi removido pelo autor.

    ResponderExcluir
  2. Olha, eu sou um amante do FF e jamais admitirei que alguém diga o contrário. No entanto na visão de um cara que vive a procurar um jogo de FF para assistir, tenho uma visão, como diria mais cautelosa da modalidade, não só aqui no Brasil. Acho que o FF ainda vai ter um longo caminho a percorrer para chegar num grau de profissionalismo que nós desejamos.
    Como já disse, aqui escreve um fã que tenta acompanhar, o que já é uma batalha,a modalidade não só aqui no Brasil , mas lá fora via internet mesmo, mendigando um link aqui e acolá, fuçando na rede alguma notícia,frequentando blogs como este, visitando sites de times, etc. E dessas andanças virtuais chego a conclusão que o FF no mundo inteiro é para lá de incipiente, ainda vivendo num quase amadorismo pleno. O que dá para ver são estádios às moscas, cobertura parquíssima de mídia e até a elite da modalidade ganhando mal.
    Vamos pegar os EUA que é a pátria do FF, com suas milhões de praticantes, a modalidade é nº1 no highschool e no college e que mal consegue manter uma liga profissional, que só está viva por condolência da USSoccer. Ou seja, no amadorismo tudo perfeito, agora na hora de transformar isso numa liga profissional que dê retorno ao investidor,o buraco fica mais embaixo.
    Se os EUA que é a potencia mor da modalidade, com um "publico potencial" imenso, com gente que tem um puta Know How de marketing Esportivo, profissionalmente a coisa é emperrada, então será que tornar o FF um produto rentável é tão fácil assim?
    [cont]

    ResponderExcluir
  3. [cont]
    Coloquei entre aspas o publico potencial, porque até mesmo lá nos EUA mostra a mim uma tese que eu tenho sempre levado, que a modalidade só vai alavancar se atrair uma parcela significativa do publico masculino. Digo isso uma vez que a WPS vive no fecha e não fecha, com a nata da modalidade nos gramados , com públicos que não passa dos 3 mil de media. Enquanto isso, a MLS vive a todo vapor, todo ano adicionando uma nova franquia, com publico médio de 15 mil por jogo, isso numa liga de segunda classe. Então é ou não é uma questão a se pensar essa do público alvo?
    Isso é uma questão para se levar em debates nesses congressos da FIFA, infelizmente não está na nossa alçada, mas o FF precisaria a meu ver de adaptações na regra pra torná-la mais palatável a esse publico masculino que infelizmente em geral rejeita a modalidade. Basicamente questões do tamanho do gol e do tempo de jogo. O publico masculino é refratário a modalidade muito por causa destas questões. E penso ser fundamental trazer esse público, que é o consumidor de esporte por excelência para prestigiar o FF.
    Eu questiono demais o dito tal “apoio” que lá fora recebe, questiono mesmo. Questiono baseado numa elite que ganha mal. Outro dia pesquisando, vejo lá quanto uma Wambach ganha. 84 mil Dólares POR ANO!. 7mil dólares por mês, uma jogadora top 3 do mundo, com mais de uma centenas de gols pela seleção americana,campeã olímpica, um ícone do FF mundial, uma ídola para milhares de mulheres e meninas no seu país e no mundo. Agora se uma Wambach tá ganhando essa ninharia pelo nome e feitos que tem , o que imaginar daquela jogadora de time de ponta de tabela da FraunBundesligue, do FAWSL, do suecão , etc? Será que ela está vivendo (sobrevivendo) só do futebol?TENHO TODAS AS DÚVIDAS POSSÍVEIS. Seleção japonesa mesmo, tirando as que jogam fora do país, tirando talvez a Sawa, o resto é amadora, tem outra atividade para sobreviver.
    [cont]

    ResponderExcluir
  4. [cont]
    Agora , nesses lugares O AMADORISMO É ORGANIZADO. A atleta de futebol consegue ter uma formação decente via parcerias com o sistema educacional , como acontece nos EUA. As seleções são zeladas por suas federações, seja sustentando atletas financeiramente, ou dando boas preparações para disputar as competições, tornando esta uma vitrine que reflete no desenvolvimento da modalidade. AÍ É QUE ESTÁ A DIFERENÇA a meu ver.
    CBF dá uma preparação porca para a seleção, essa faz o que pode, às vezes consegue ir longe, mas nem toda hora é possível. Assim a modalidade não ganha projeção, o numero de praticantes não aumenta, desta forma estanca a massificação, não havendo massificação além de não tirar a excelência, torna a modalidade menos atrativa ao mercado consumidor e por aí forma um ciclo vicioso. Então, mais do que nunca cobrar a CBF é primordial. Uma coisa que poderia resolver em duas frentes, é a CBF dá uma boa remuneração por cada partida jogada. A seleção se fortaleceria para as competições e uma parte das atletas teria um suporte a mais nas suas carreiras.
    O FF tem que mais do que nunca ser visto numa questão includente na formação do atleta. Aí que entraria o papel das universidades, principalmente as particulares e do sistema educacional como um todo. Esse seria o mote, o ponto de partida para levantar a modalidade. Pode não dá retorno financeiro a atleta, pode até ela não viver do esporte, mas esta sai com uma formação. Imagine milhares de meninas das periferias deste país que ao ingressar em um time pudesse ter a possibilidade de concluírem seus estudos, ingressar numa universidade. Ainda que ao concluir seus estudos, tenha que se dividir entre trabalho e os esporte e até mesmo abandone o esporte, seria uma revolução como nunca vista em lugar algum e ISSO É POSSÍVEL.
    AGORA, mesmo que haja boa vontade, QUE É O QUE FALTA, para se fazer tudo isso, ainda é um bolo que precisa ser fermentado. Não irá chover patrocinadores, as TV’s ainda serão resistentes a cobertura das competições,as atletas ganharão menos do que merecem e precisam. Então mais do que nunca a praticante e possível atleta de futebol tem que está que escolheu praticamente um sacerdócio.Não é questão de se conformar e dizer “ah a vida é assim mesmo”, mas que por algum tempo ainda se doará muito e receberá menos do que se anseia. MAS VAMOS CONTINUAR LUTANDO.

    ResponderExcluir

Postar um comentário

Deixe seu comentário, opinião, dúvida ou sugestão! Um abraço, Edu Pontes!

Postagens mais visitadas deste blog

O futebol feminino parou, mais uma vez, o país do futebol masculino

Sexta-feira, dia 12 de agosto de 2016. 
Às 22 horas, a Seleção Brasileira de Futebol Feminino entraria em campo já sabendo que as seleções de França e EUA foram eliminadas por equipes consideradas azarões.
O Brasil, começou a tarde desta sexta sabendo que, caso passasse da seleção da Austrália, encararia o vencedor de EUA x Suécia. Logo, saber que a seleção americana havia sido eliminada e não teria a chance de ser nosso algoz nas semifinais já era um peso a menos nas costas de nossas atletas.
Iniciado às 22 horas, o jogo contra a Austrália foi uma mistura de tensão e responsabilidade, fatores que aparentemente pesaram muito e que geraram um nervosismo a cada minuto que se passava e a bola não entrava para que o placar ficasse à nosso favor.
No tempo normal, nada de gols. Então que venha a prorrogação!
Ela veio, com mais nervosismo e tensão ainda. Vale destacar que precisamos clonar a Formiga, pois essa jogadora é fora de série e ninguém joga como ela.
O jogo foi rolando, brasileiros…

Pra chegar onde ninguém chegou é preciso fazer coisas que ninguém fez!

Pra chegar onde ninguém chegou é preciso fazer coisas que ninguém fez!

É preciso acreditar em você em seu sonho! É necessário ter foco!
O que diferencia o vencedor do perdedor é que o vencedor decidiu seguir em frente mesmo quando a vida lhe bateu com força e pareceu até lhe faltar chão. O vencedor caiu e levantou quantas vezes foi necessário e acreditou no seu potencial mesmo quando ninguém acreditava em seus objetivos.
É preciso saber onde se quer chegar e o que é preciso fazer para chegar até lá. 
O caminho não é fácil! A trajetória é cheia de obstáculos, mas é preciso seguir em frente, fazer ajustes no seu planejamento de como chegar até lá, mas nunca mudar seu foco. 
Eu sei o que quero, sei onde quero chegar e sei o que preciso fazer pra alcançar meus sonhos. 
As vezes é preciso estar acordado enquanto os demais dormem, é estar em casa estudando, indo a eventos e se atualizando enquanto muitos estão em festas e curtindo o fim de semana. É preciso abrir mão de muitas coisas para i…

Tabu ALTURA - Preconceito com goleiros e goleiras ou falta de visão?

Um tema tem sido frequentemente abordado no futebol, tanto no masculino quanto no feminino: Estatura dos goleiros.
Tem sido uma prática comum clubes dispensarem ou não darem a devida atenção a goleiros e goleiras considerados "baixos" para a posição sem que ao menos sejam analisadas algumas características que muitos destes possuem, mas que precisam ser trabalhadas. Um goleiro de 16 anos e 1,79m é considerado pequeno, assim como uma goleira que tem 18 anos e 1,70m por exemplo! E isso acontece com atletas de menor idade, como exigências de clubes de que goleiros devem ter 1,80m ou 1,90m com 13 anos!

E qual seria o problema: 
Preguiça associada a busca de um jogador ou jogadora prontos para o clube ganhar dinheiro "sem ter trabalho"? 
Ou a intromissão de cartolas que mal entendem sobre futebol e estão preocupados apenas com seus bolsos e seguem assim padrões de escolas internacionais, e por pouca inteligência neste quesito, perdem profissionais (goleiros e goleiras) q…