Translate

domingo, 26 de fevereiro de 2012

Tabu ALTURA - Preconceito com goleiros e goleiras ou falta de visão?

Um tema tem sido frequentemente abordado no futebol, tanto no masculino quanto no feminino: Estatura dos goleiros.

Tem sido uma prática comum clubes dispensarem ou não darem a devida atenção a goleiros e goleiras considerados "baixos" para a posição sem que ao menos sejam analisadas algumas características que muitos destes possuem, mas que precisam ser trabalhadas.
Andreia Suntaque e Hope Solo
Um goleiro de 16 anos e 1,79m é considerado pequeno, assim como uma goleira que tem 18 anos e 1,70m por exemplo! E isso acontece com atletas de menor idade, como exigências de clubes de que goleiros devem ter 1,80m ou 1,90m com 13 anos!

A estatura de alguns goleiros (Fonte: Globoesporte.com)

E qual seria o problema: 

Preguiça associada a busca de um jogador ou jogadora prontos para o clube ganhar dinheiro "sem ter trabalho"? 

Ou a intromissão de cartolas que mal entendem sobre futebol e estão preocupados apenas com seus bolsos e seguem assim padrões de escolas internacionais, e por pouca inteligência neste quesito, perdem profissionais (goleiros e goleiras) que se destacariam facilmente, desde que o clube estivesse disposto a trabalhá-los?

Eu acho que os preparadores de goleiros brasileiros poderiam fazer um encontro nacional dos preparadores de goleiro e apresentar estudos científicos, baseados na fisiologia, anatomia e biomecânica onde o tema abordado seria: "Qual a altura certa para ser goleiro? - Quebrando tabus e mostrando que altura não é documento!".

Onde estão os estudos de vocês preparadores? Sabemos que um goleiro de menor estatura pode render mais do que um goleiro que é mais alto do que ele. Tudo depende de características musculares, físicas e fisiológicas! Explosão muscular, impulsão, reflexo, velocidade de reação, etc.

Os clubes querem goleiros altos porque ninguém ainda criou coragem de desenvolver um encontro desse porte para provar que goleiros e goleiras que hoje são considerados baixos podem dar um show em guarda-metas mais altos!

Até quando os preparadores continuarão reféns dos clubes e até quando perderemos talentos por aceitar o que mandam e esquecer tudo que foi vivenciado e estudado?

Altura não é documento no que diz respeito a goleiros e quem já jogou, joga ou trabalha com futebol, seja masculino ou feminino, sabe disso!

segunda-feira, 20 de fevereiro de 2012

Futebol feminino: Pra umas amor, pra outras modismo!

Este é o texto que publiquei hoje no meu facebook. Infelizmente ele reflete uma grande realidade do futebol feminino brasileiro no que se diz respeito às atletas!


Tem jogadora que quer alcançar o sucesso e jogar futebol em bons clubes, chegar a seleção...

Mas faltam treinos por coisas banais e não se preocupam em nenhum momento em manter a forma física dentro do seu melhor...

Se não tem responsabilidade para com seu corpo, instrumento de trabalho, dificilmente alcançaram aquilo que acham que é seu sonho!

Pra muitas que se dizem "atletas" não passam de modistas que acham que é apenas legal jogar bola! Se amassem a modalidade, seriam mais responsáveis!



quinta-feira, 16 de fevereiro de 2012

Para o sonho acontecer é preciso acreditar




Ao longo da história muitos homens e mulheres foram criticados, chamados de loucos, sonhadores, desacreditados pela sociedade, mas nenhum desistiu de seus sonhos e ideais e se tornaram assim grandes nomes e exemplos de sucesso.

Alguns exemplos:

Henry Ford - Teve a ideia de desenvolver carros no século 20. Foi criticado, considerado um sonhador.Criou carros Fracassou e foi à falência cinco vezes, mas continuou acreditando, até ter se tornado o bem sucedido dono da FORD.

Alexander Graham Bell - Questionado sobre seu "brinquedo elétrico", acreditou e inventou o telefone.

Albert Einsten - Físico, considerado louco, nãos e abateu, acreditou em si e em suas teorias e tornou-se um dos maiores gênios da história.

Todos eles acreditaram, lutaram e mostraram que sonhos podem se tornar realidade. Por que VOCÊ desistiria? Só quem sonha, acredita em si e não se deixa abater com todas as dificuldades e hostilidades do caminho são os que alcançam o exito e podem dizer: Eu consegui!

Como dito por Thomas Edson“Muitas das falhas da vida acontecem quando as pessoas não percebem o quão perto estão quando desistem.”;

Ou ainda por Louis Pasteur“A diferença entre o possível e o impossível está na vontade humana.”

E a sua vontade, onde vai te levar? Qual o tamanho da sua vontade de alcançar seus sonhos?



Pensem nisso!


segunda-feira, 6 de fevereiro de 2012

Carolina Rodrigues - O difícil caminho rumo ao sonho: Jogar futebol!


O nome dela é Carolina Rodrigues (https://twitter.com/Carol_Panicat17), tem 21 anos e mora em Araruama-RJ.

Ela é formada em Petróleo e Gás, mas seu coração pulsa por outro ramo: O futebol, seu amor incondicional!

Seu sonho: jogar futebol em uma boa equipe e conquistar seu espaço, podendo chegar à Seleção Brasileira, e apesar de já ter uma graduação, quer fazer Comunicação Social para poder ajudar na divulgação e cobertura da modalidade.

Para ela alcançar ou ao menos tentar conquistar seu espaço e dar os primeiros passos rumo a seus sonhos, ela enfrentou a família e mesmo a contragosto de todos, se inscreveu na peneira para a equipe de futebol feminino do Botafogo-TeamChicago.

Carolina no dia da peneira do Botafogo-TeamChicago.
O primeiro passo rumo ao sonho!

Seus parentes chegaram a esconder suas roupas de treino e chuteira para que ela não fosse ao teste, mas ela conseguiu material emprestado com as amigas e foi fazer o teste.

Resultado: APROVADA!

Agora Carol, como é chamada pelos amigos, sofre com o preconceito, e dentro do próprio ceio familiar.
A família da jogadora lhe colocou “contra a parede” e lhe deu duas escolhas: Aceitar uma boa oportunidade de emprego e esquecer o futebol, ou jogar futebol e não esperar ou contar com nenhum tipo de apoio afetivo e financeiro.

E agora? Buscar seu sonho ou desistir dele?

O primeiro passo, a primeira conquista já aconteceu. Foi a aprovação da jogadora na peneira.

Agora Carol tenta ajuda de amigos e busca até patrocinadores que lhe ajudem a continuar caminhando rumo ao seu sonho.

Essa é uma realidade da modalidade no Brasil.

Para Carolina, a falta de apoio familiar está diretamente ligada a falta de apoio à modalidade, falta de patrocinadores e estrutura, que passa aos familiares a ideia de que associa jogar futebol a passar fome.

"De certa forma não estão errados(os familiares), mas acho que o esporte deveria ser mais valorizado, e com o esporte vem oportunidades de estudos também. Nós jogadoras não podemos nos limitar e devemos sempre buscar uma formação para termos uma profissão quando pararmos de jogar. 

Hoje, devido a falta de estrutura, a realidade do esporte pra quem está buscando seu espaço é pagar para jogar.

Será que é pedir muito o mínimo de estrutura, apoio e reconhecimento? Poder viver do esporte, assim como acontece no futebol masculino? Até quando o preconceito e falta de visão irão atrapalhar a modalidade?" - indaga Carolina.

E agora: será que ela conseguirá, uma vez aprovada, se apresentar ao clube e começar a treinar? Se em dois dias nada acontecer não terá outra escolha a não ser aceitar o emprego e tentar realizar seu sonho em outra oportunidade.

Só nos resta esperar e desejar sorte a ela e muitas outras jogadoras que vivem o mesmo dilema e situação.

Caso você queira ajudar de alguma forma ou saber mais, entre em contato através do e-mail: carolina.camisa17@yahoo.com ou pelo facebook: https://www.facebook.com/CarolPanicat17

sábado, 4 de fevereiro de 2012

COMPROMETIMENTO PARA O SUCESSO ACONTECER!


Texto de quinta-feira, publicado no site wingedGK.com

Olá amigos e amigas do WingedGK.
Como muitos aqui sabem, meu nome é Eduardo Pontes e quinta-feira, dia de falar sobre futebol feminino e irei abordar algo que andou me incomodando esta semana.
Vejo muita jogadora, a maioria que ainda busca um lugar ao sol, falando que precisa melhorar, que é difícil, que quer chegar à seleção, que está complicado pela falta de visibilidade e analisando me perguntei: Será que estas percebem o quanto estão aproveitando mal seu tempo? Será que estão realmente focadas em alcançar seus objetivos?
Será que não existe tempo para ir pra perto de casa, em um campinho, ou no próprio quintal e ficar “brincando com a bola” aperfeiçoando valências técnicas como toque, utilização de ambas as pernas, controle de bola, etc.?
Será que não existe tempo para correr, fazer abdominais e outros exercícios simples que ajudarão a melhorar seu condicionamento físico?
Será que estas atletas estão realmente preparadas caso alguma oportunidade aconteça?
Muitas reclamam que trabalham e treinam. Outras que estudam e treinam e assim não teriam tempo para fazer tudo isso. Mas será que estão aproveitando seu tempo como realmente poderiam?
Muitas afirmam esta falta de tempo, mas vão a festas constantemente, estão sempre indo pra casa das amigas e amigos. As baladinhas de sexta-feira e os embalos de sábado e domingo a noite também são constantes.
Então eu pergunto: Querem mesmo vencer na vida? Conquistar espaço e poder ir jogar na seleção e quem sabe fora do país? Acho que não!
Quando temos um objetivo temos que abrir mão de muitas coisas para alcançar nosso sonho então acredito, até pela minha experiência de vida na época em que eu jogava futebol, que é possível aproveitar melhor o tempo. Qualquer meia hora ajuda muito. É um passo a mais em direção aos objetivos e fazem uma grande diferença.
Vocês estarão realmente preparadas para quando a oportunidade aparecer? Isso é fundamental para o sucesso de vocês! Vocês vão querer ser as melhores, chegar em clube ou peneira e ser sempre a melhor ou vão querer estar sempre entre as jogadoras medianas e que são consideradas como aquelas que não levam a sério?
Trabalhe agora, mude, tenha foco! Leve a sério e preste atenção, se reavalie sempre, porque nem sempre estamos tão focados e no caminho certo como achamos!
Tem muita atleta e aspirante a jogadora que precisa fazer esta reavaliação!