Pular para o conteúdo principal

E o juiz apita o fim do jogo: Este blog chegou ao fim.

Carolina Rodrigues - O difícil caminho rumo ao sonho: Jogar futebol!


O nome dela é Carolina Rodrigues (https://twitter.com/Carol_Panicat17), tem 21 anos e mora em Araruama-RJ.

Ela é formada em Petróleo e Gás, mas seu coração pulsa por outro ramo: O futebol, seu amor incondicional!

Seu sonho: jogar futebol em uma boa equipe e conquistar seu espaço, podendo chegar à Seleção Brasileira, e apesar de já ter uma graduação, quer fazer Comunicação Social para poder ajudar na divulgação e cobertura da modalidade.

Para ela alcançar ou ao menos tentar conquistar seu espaço e dar os primeiros passos rumo a seus sonhos, ela enfrentou a família e mesmo a contragosto de todos, se inscreveu na peneira para a equipe de futebol feminino do Botafogo-TeamChicago.

Carolina no dia da peneira do Botafogo-TeamChicago.
O primeiro passo rumo ao sonho!

Seus parentes chegaram a esconder suas roupas de treino e chuteira para que ela não fosse ao teste, mas ela conseguiu material emprestado com as amigas e foi fazer o teste.

Resultado: APROVADA!

Agora Carol, como é chamada pelos amigos, sofre com o preconceito, e dentro do próprio ceio familiar.
A família da jogadora lhe colocou “contra a parede” e lhe deu duas escolhas: Aceitar uma boa oportunidade de emprego e esquecer o futebol, ou jogar futebol e não esperar ou contar com nenhum tipo de apoio afetivo e financeiro.

E agora? Buscar seu sonho ou desistir dele?

O primeiro passo, a primeira conquista já aconteceu. Foi a aprovação da jogadora na peneira.

Agora Carol tenta ajuda de amigos e busca até patrocinadores que lhe ajudem a continuar caminhando rumo ao seu sonho.

Essa é uma realidade da modalidade no Brasil.

Para Carolina, a falta de apoio familiar está diretamente ligada a falta de apoio à modalidade, falta de patrocinadores e estrutura, que passa aos familiares a ideia de que associa jogar futebol a passar fome.

"De certa forma não estão errados(os familiares), mas acho que o esporte deveria ser mais valorizado, e com o esporte vem oportunidades de estudos também. Nós jogadoras não podemos nos limitar e devemos sempre buscar uma formação para termos uma profissão quando pararmos de jogar. 

Hoje, devido a falta de estrutura, a realidade do esporte pra quem está buscando seu espaço é pagar para jogar.

Será que é pedir muito o mínimo de estrutura, apoio e reconhecimento? Poder viver do esporte, assim como acontece no futebol masculino? Até quando o preconceito e falta de visão irão atrapalhar a modalidade?" - indaga Carolina.

E agora: será que ela conseguirá, uma vez aprovada, se apresentar ao clube e começar a treinar? Se em dois dias nada acontecer não terá outra escolha a não ser aceitar o emprego e tentar realizar seu sonho em outra oportunidade.

Só nos resta esperar e desejar sorte a ela e muitas outras jogadoras que vivem o mesmo dilema e situação.

Caso você queira ajudar de alguma forma ou saber mais, entre em contato através do e-mail: carolina.camisa17@yahoo.com ou pelo facebook: https://www.facebook.com/CarolPanicat17

Comentários

  1. Fico feliz que conseguiu,porque o futebol feminino não é valorizado.Temos excelentes jogadoras mas sem oportunidade.Carolina é uma vencedora uma grande guerreira.Força Carol!!!Representa ai milhares de meninas que infelizmente vem lutando para um lindo futebol feminino.Bjus

    ResponderExcluir

Postar um comentário

Deixe seu comentário, opinião, dúvida ou sugestão! Um abraço, Edu Pontes!

Postagens mais visitadas deste blog

O futebol feminino parou, mais uma vez, o país do futebol masculino

Sexta-feira, dia 12 de agosto de 2016. 
Às 22 horas, a Seleção Brasileira de Futebol Feminino entraria em campo já sabendo que as seleções de França e EUA foram eliminadas por equipes consideradas azarões.
O Brasil, começou a tarde desta sexta sabendo que, caso passasse da seleção da Austrália, encararia o vencedor de EUA x Suécia. Logo, saber que a seleção americana havia sido eliminada e não teria a chance de ser nosso algoz nas semifinais já era um peso a menos nas costas de nossas atletas.
Iniciado às 22 horas, o jogo contra a Austrália foi uma mistura de tensão e responsabilidade, fatores que aparentemente pesaram muito e que geraram um nervosismo a cada minuto que se passava e a bola não entrava para que o placar ficasse à nosso favor.
No tempo normal, nada de gols. Então que venha a prorrogação!
Ela veio, com mais nervosismo e tensão ainda. Vale destacar que precisamos clonar a Formiga, pois essa jogadora é fora de série e ninguém joga como ela.
O jogo foi rolando, brasileiros…

Tabu ALTURA - Preconceito com goleiros e goleiras ou falta de visão?

Um tema tem sido frequentemente abordado no futebol, tanto no masculino quanto no feminino: Estatura dos goleiros.
Tem sido uma prática comum clubes dispensarem ou não darem a devida atenção a goleiros e goleiras considerados "baixos" para a posição sem que ao menos sejam analisadas algumas características que muitos destes possuem, mas que precisam ser trabalhadas. Um goleiro de 16 anos e 1,79m é considerado pequeno, assim como uma goleira que tem 18 anos e 1,70m por exemplo! E isso acontece com atletas de menor idade, como exigências de clubes de que goleiros devem ter 1,80m ou 1,90m com 13 anos!

E qual seria o problema: 
Preguiça associada a busca de um jogador ou jogadora prontos para o clube ganhar dinheiro "sem ter trabalho"? 
Ou a intromissão de cartolas que mal entendem sobre futebol e estão preocupados apenas com seus bolsos e seguem assim padrões de escolas internacionais, e por pouca inteligência neste quesito, perdem profissionais (goleiros e goleiras) q…

Pra chegar onde ninguém chegou é preciso fazer coisas que ninguém fez!

Pra chegar onde ninguém chegou é preciso fazer coisas que ninguém fez!

É preciso acreditar em você em seu sonho! É necessário ter foco!
O que diferencia o vencedor do perdedor é que o vencedor decidiu seguir em frente mesmo quando a vida lhe bateu com força e pareceu até lhe faltar chão. O vencedor caiu e levantou quantas vezes foi necessário e acreditou no seu potencial mesmo quando ninguém acreditava em seus objetivos.
É preciso saber onde se quer chegar e o que é preciso fazer para chegar até lá. 
O caminho não é fácil! A trajetória é cheia de obstáculos, mas é preciso seguir em frente, fazer ajustes no seu planejamento de como chegar até lá, mas nunca mudar seu foco. 
Eu sei o que quero, sei onde quero chegar e sei o que preciso fazer pra alcançar meus sonhos. 
As vezes é preciso estar acordado enquanto os demais dormem, é estar em casa estudando, indo a eventos e se atualizando enquanto muitos estão em festas e curtindo o fim de semana. É preciso abrir mão de muitas coisas para i…