Pular para o conteúdo principal

Carolina Rodrigues - O difícil caminho rumo ao sonho: Jogar futebol!


O nome dela é Carolina Rodrigues (https://twitter.com/Carol_Panicat17), tem 21 anos e mora em Araruama-RJ.

Ela é formada em Petróleo e Gás, mas seu coração pulsa por outro ramo: O futebol, seu amor incondicional!

Seu sonho: jogar futebol em uma boa equipe e conquistar seu espaço, podendo chegar à Seleção Brasileira, e apesar de já ter uma graduação, quer fazer Comunicação Social para poder ajudar na divulgação e cobertura da modalidade.

Para ela alcançar ou ao menos tentar conquistar seu espaço e dar os primeiros passos rumo a seus sonhos, ela enfrentou a família e mesmo a contragosto de todos, se inscreveu na peneira para a equipe de futebol feminino do Botafogo-TeamChicago.

Carolina no dia da peneira do Botafogo-TeamChicago.
O primeiro passo rumo ao sonho!

Seus parentes chegaram a esconder suas roupas de treino e chuteira para que ela não fosse ao teste, mas ela conseguiu material emprestado com as amigas e foi fazer o teste.

Resultado: APROVADA!

Agora Carol, como é chamada pelos amigos, sofre com o preconceito, e dentro do próprio ceio familiar.
A família da jogadora lhe colocou “contra a parede” e lhe deu duas escolhas: Aceitar uma boa oportunidade de emprego e esquecer o futebol, ou jogar futebol e não esperar ou contar com nenhum tipo de apoio afetivo e financeiro.

E agora? Buscar seu sonho ou desistir dele?

O primeiro passo, a primeira conquista já aconteceu. Foi a aprovação da jogadora na peneira.

Agora Carol tenta ajuda de amigos e busca até patrocinadores que lhe ajudem a continuar caminhando rumo ao seu sonho.

Essa é uma realidade da modalidade no Brasil.

Para Carolina, a falta de apoio familiar está diretamente ligada a falta de apoio à modalidade, falta de patrocinadores e estrutura, que passa aos familiares a ideia de que associa jogar futebol a passar fome.

"De certa forma não estão errados(os familiares), mas acho que o esporte deveria ser mais valorizado, e com o esporte vem oportunidades de estudos também. Nós jogadoras não podemos nos limitar e devemos sempre buscar uma formação para termos uma profissão quando pararmos de jogar. 

Hoje, devido a falta de estrutura, a realidade do esporte pra quem está buscando seu espaço é pagar para jogar.

Será que é pedir muito o mínimo de estrutura, apoio e reconhecimento? Poder viver do esporte, assim como acontece no futebol masculino? Até quando o preconceito e falta de visão irão atrapalhar a modalidade?" - indaga Carolina.

E agora: será que ela conseguirá, uma vez aprovada, se apresentar ao clube e começar a treinar? Se em dois dias nada acontecer não terá outra escolha a não ser aceitar o emprego e tentar realizar seu sonho em outra oportunidade.

Só nos resta esperar e desejar sorte a ela e muitas outras jogadoras que vivem o mesmo dilema e situação.

Caso você queira ajudar de alguma forma ou saber mais, entre em contato através do e-mail: carolina.camisa17@yahoo.com ou pelo facebook: https://www.facebook.com/CarolPanicat17

Comentários

  1. Fico feliz que conseguiu,porque o futebol feminino não é valorizado.Temos excelentes jogadoras mas sem oportunidade.Carolina é uma vencedora uma grande guerreira.Força Carol!!!Representa ai milhares de meninas que infelizmente vem lutando para um lindo futebol feminino.Bjus

    ResponderExcluir

Postar um comentário

Deixe seu comentário, opinião, dúvida ou sugestão! Um abraço, Edu Pontes!