Pular para o conteúdo principal

E o juiz apita o fim do jogo: Este blog chegou ao fim.

O maior produto de um clube é sua camisa e sua história

Essa semana, durante um almoço, falávamos sobre futebol, a gestão deficiente no Brasil e me fizeram perguntas interessantes relacionadas ao Flamengo.

A sessão de perguntas começou assim: 

- O que falta para um clube como o Flamengo melhorar?

Respondi: Falta um gestor sério e que tenha pulso firme e que tenha foco em fazer o seu trabalho e não em se promover.

- Ah, mas e no caso do Ronaldinho?
Minha resposta: Simples! No primeiro ato de indisciplina ou má conduta o jogador é advertido, na reincidência do ato o jogador é multado e treina em separado. Caso haja o terceiro ato, jogador é demitido por justa causa, tem seu contrato rescindido e paga a multa do contrato, que muitos nem imaginam o quão alta é. E ainda, se for preciso exponho na imprensa os atos de indisciplina deixando bem claro que o clube não é lugar de atleta que não respeita a camisa.

- Ah, mas aí você estaria expondo o jogador que é o maior produto do clube e desvalorizando o atleta. Como gestor você não acha que isso seria ruim para o clube?

Com convicção disse: Claro que não! Ruim é o clube não ser respeitado! Um clube que é bem visto por sua gestão atrai investidores, então eu não teria o menor problema em demitir o Ronaldinho Gaúcho, por exemplo. Prefiro ter um clube que tenha o respeito das pessoas do que um atleta de nome que, infelizmente, só atrai coisas negativas para a sua imagem.

O amigo e “entrevistador” concordou, continuamos o almoço e outros papos vieram em pauta, mas vamos nos ater ao futebol.

O que podemos observar desse bate papo é que sabemos da dificuldade de um gestor de pulso e caráter entrar em um grande time recheado de problemas e já chegar fazendo a diferença. O problema não é ele fazer sua função, mas sim de alguém com um perfil diferenciado assumir tal cargo.

E o fato de jogador ser “o maior produto do clube”?

Amigos, jogador não é o maior produto do clube nem aqui, nem em lugar nenhum. O maior produto de um clube é sua história, sua camisa e sua tradição! Atletas revelados, sócio torcedor, estádio, tudo isso são apenas subprodutos provenientes da essência do que é o clube.

Nenhum jogador, dirigente, ex-atleta, presidente, empresário ou título de competição é maior do que o clube.

Quanto ao clube este é uma marca e deve ser gerenciado como uma empresa. Ter um código de conduta, missão e visão bem definidos, um leque de subprodutos como os planos de sócio torcedor, a formação e venda de atletas formados no clube, a venda de camisas e outros produtos licenciados, etc.

Jogador e dirigentes devem ser tratados como um funcionário “qualquer”, com metas a cumprir, salário fixo e premiação por objetivos alcançados.

Muitas pessoas irão ler isso aqui e indagar que isso não é tão fácil, que não é bem assim ou que isso nunca vai acontecer. Eu afirmo que é possível, sei que não é fácil, mas com uma pessoa de caráter, valores e que saiba usa aquilo que muita gente não consegue (a inteligência), mudar a cara de um clube se torna totalmente capaz.

Infelizmente, no Brasil, a paixão nacional é muito mal administrada e está muito aquém de seu potencial e a culpa é dos dirigentes e gestores.

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

O futebol feminino parou, mais uma vez, o país do futebol masculino

Sexta-feira, dia 12 de agosto de 2016. 
Às 22 horas, a Seleção Brasileira de Futebol Feminino entraria em campo já sabendo que as seleções de França e EUA foram eliminadas por equipes consideradas azarões.
O Brasil, começou a tarde desta sexta sabendo que, caso passasse da seleção da Austrália, encararia o vencedor de EUA x Suécia. Logo, saber que a seleção americana havia sido eliminada e não teria a chance de ser nosso algoz nas semifinais já era um peso a menos nas costas de nossas atletas.
Iniciado às 22 horas, o jogo contra a Austrália foi uma mistura de tensão e responsabilidade, fatores que aparentemente pesaram muito e que geraram um nervosismo a cada minuto que se passava e a bola não entrava para que o placar ficasse à nosso favor.
No tempo normal, nada de gols. Então que venha a prorrogação!
Ela veio, com mais nervosismo e tensão ainda. Vale destacar que precisamos clonar a Formiga, pois essa jogadora é fora de série e ninguém joga como ela.
O jogo foi rolando, brasileiros…

Pra chegar onde ninguém chegou é preciso fazer coisas que ninguém fez!

Pra chegar onde ninguém chegou é preciso fazer coisas que ninguém fez!

É preciso acreditar em você em seu sonho! É necessário ter foco!
O que diferencia o vencedor do perdedor é que o vencedor decidiu seguir em frente mesmo quando a vida lhe bateu com força e pareceu até lhe faltar chão. O vencedor caiu e levantou quantas vezes foi necessário e acreditou no seu potencial mesmo quando ninguém acreditava em seus objetivos.
É preciso saber onde se quer chegar e o que é preciso fazer para chegar até lá. 
O caminho não é fácil! A trajetória é cheia de obstáculos, mas é preciso seguir em frente, fazer ajustes no seu planejamento de como chegar até lá, mas nunca mudar seu foco. 
Eu sei o que quero, sei onde quero chegar e sei o que preciso fazer pra alcançar meus sonhos. 
As vezes é preciso estar acordado enquanto os demais dormem, é estar em casa estudando, indo a eventos e se atualizando enquanto muitos estão em festas e curtindo o fim de semana. É preciso abrir mão de muitas coisas para i…

Tabu ALTURA - Preconceito com goleiros e goleiras ou falta de visão?

Um tema tem sido frequentemente abordado no futebol, tanto no masculino quanto no feminino: Estatura dos goleiros.
Tem sido uma prática comum clubes dispensarem ou não darem a devida atenção a goleiros e goleiras considerados "baixos" para a posição sem que ao menos sejam analisadas algumas características que muitos destes possuem, mas que precisam ser trabalhadas. Um goleiro de 16 anos e 1,79m é considerado pequeno, assim como uma goleira que tem 18 anos e 1,70m por exemplo! E isso acontece com atletas de menor idade, como exigências de clubes de que goleiros devem ter 1,80m ou 1,90m com 13 anos!

E qual seria o problema: 
Preguiça associada a busca de um jogador ou jogadora prontos para o clube ganhar dinheiro "sem ter trabalho"? 
Ou a intromissão de cartolas que mal entendem sobre futebol e estão preocupados apenas com seus bolsos e seguem assim padrões de escolas internacionais, e por pouca inteligência neste quesito, perdem profissionais (goleiros e goleiras) q…