Pular para o conteúdo principal

E o juiz apita o fim do jogo: Este blog chegou ao fim.

Futebol Feminino - LONDRES 2012: O PESO DO OURO. OU MUDA, OU MUDA!


Matéria publicada em www.Voagoleiro.com

Na próxima semana a Seleção Brasileira de Futebol Feminino começa a sua jornada em busca do tão sonhado e esperado ouro olímpico. O primeiro jogo será contra a seleção de Camarões, na quarta-feira, dia 25, às 14:30h – horário de Brasília.

Mas o qual o peso, para o futebol feminino brasileiro, da conquista dessa tão sonhada medalha?


Primeiramente, a possível conquista do ouro não esconde a necessidade de mudança do modelo de gestão, do planejamento e da atenção que é dada à modalidade, no Brasil. Essa medalha seria o ponto final nas desculpas e na falta de ações, algo que é esperado há décadas.
O ouro permitirá que possamos dizer sem medo: Agora não falta mais nada para não existir apoio, e permitirá às jogadoras questionar e exigir melhorias!

“A modalidade não tem para onde correr, com o ouro ou sem o ouro, o que fica evidente é que a hora da mudança já passou, e faz tempo.”

Com o ouro a pressão será algo natural e os envolvidos na gestão do Futebol Feminino, se é que existe algum tipo de gestão da modalidade, irão se ver entre a cruz e a espada: “ou faço algo, ou faço algo. Não tenho para onde correr”.
Sei que tem pessoas do alto escalão da modalidade que ficam muito chateadas e até revoltadas comigo quando falo assim da gestão, ou da falta dela, no que se refere ao futebol feminino brasileiro. Desculpem-me, mas não digo nada demais. Não podemos fazer nada se é a situação que relatamos é exatamente o que vocês deixam transparecer. Então não fiquem chateados, apenas façam seu trabalho da melhor forma e mudem a impressão que o Brasil e o mundo têm do que é feito e de como é tratada a modalidade no “país do futebol”.
Com o ouro ou sem ele, não há mais para onde correr. Não há mais como se esquivar da responsabilidade.
O “fracasso” será a afirmação de que realmente não há cuidados com as guerreiras do futebol feminino. E guerreiras mesmo, porque aturar o que elas aturam e continuar jogando por amor ao esporte é algo digno da mais alta condecoração.
O êxito será a consagração de mulheres que, sem o devido apoio e respeito, chegaram ao lugar mais alto do pódio, e se elas têm esse potencial, por que não investir e cuidar?
Senhores, não venham bater no peito e dizer que a entidade de administração da modalidade sempre apoiou e que o ouro é resultado deste apoio! Todos sabem, e até mesmo as jogadoras que não é bem assim!
Eu torço pelo ouro olímpico! Sou brasileiro, amo meu país e amo a modalidade! Hoje, mais do que nunca é a hora da verdade! Ou vai, ou vai!

O ouro pesará como nunca nos ombros de quem “cuida” da modalidade e a sua falta pesará da mesma forma.
E o que eu mais espero é que todas as jogadoras do nosso país, que estão espalhadas mundo afora, na seleção ou não, jogando em campinhos de terra batida ou em tapetes de grama da melhor qualidade, entendam que chegou a hora de levantar a cabeça, cobrar a dignidade, o respeito, o profissionalismo para com as mulheres que jogam futebol! Seja uma Marta, seja uma Joana desconhecida. Todas têm direito e o dever de questionar, cobrar e exigir as melhorias que esperamos.
Se cada atleta, famosa ou não, fosse contar a sua história de vida e de luta para jogar futebol no Brasil, o mundo teria apenas a confirmação do que todos nós sabemos há muitos anos, e agora com ainda mais certeza: Ou muda, ou muda!

E vocês, concordam com isso? Chegou a hora da mudança?
Eu sou Eduardo Pontes! A vocês o meu abraço e até a próxima quinta-feira!

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

O futebol feminino parou, mais uma vez, o país do futebol masculino

Sexta-feira, dia 12 de agosto de 2016. 
Às 22 horas, a Seleção Brasileira de Futebol Feminino entraria em campo já sabendo que as seleções de França e EUA foram eliminadas por equipes consideradas azarões.
O Brasil, começou a tarde desta sexta sabendo que, caso passasse da seleção da Austrália, encararia o vencedor de EUA x Suécia. Logo, saber que a seleção americana havia sido eliminada e não teria a chance de ser nosso algoz nas semifinais já era um peso a menos nas costas de nossas atletas.
Iniciado às 22 horas, o jogo contra a Austrália foi uma mistura de tensão e responsabilidade, fatores que aparentemente pesaram muito e que geraram um nervosismo a cada minuto que se passava e a bola não entrava para que o placar ficasse à nosso favor.
No tempo normal, nada de gols. Então que venha a prorrogação!
Ela veio, com mais nervosismo e tensão ainda. Vale destacar que precisamos clonar a Formiga, pois essa jogadora é fora de série e ninguém joga como ela.
O jogo foi rolando, brasileiros…

Tabu ALTURA - Preconceito com goleiros e goleiras ou falta de visão?

Um tema tem sido frequentemente abordado no futebol, tanto no masculino quanto no feminino: Estatura dos goleiros.
Tem sido uma prática comum clubes dispensarem ou não darem a devida atenção a goleiros e goleiras considerados "baixos" para a posição sem que ao menos sejam analisadas algumas características que muitos destes possuem, mas que precisam ser trabalhadas. Um goleiro de 16 anos e 1,79m é considerado pequeno, assim como uma goleira que tem 18 anos e 1,70m por exemplo! E isso acontece com atletas de menor idade, como exigências de clubes de que goleiros devem ter 1,80m ou 1,90m com 13 anos!

E qual seria o problema: 
Preguiça associada a busca de um jogador ou jogadora prontos para o clube ganhar dinheiro "sem ter trabalho"? 
Ou a intromissão de cartolas que mal entendem sobre futebol e estão preocupados apenas com seus bolsos e seguem assim padrões de escolas internacionais, e por pouca inteligência neste quesito, perdem profissionais (goleiros e goleiras) q…

Pra chegar onde ninguém chegou é preciso fazer coisas que ninguém fez!

Pra chegar onde ninguém chegou é preciso fazer coisas que ninguém fez!

É preciso acreditar em você em seu sonho! É necessário ter foco!
O que diferencia o vencedor do perdedor é que o vencedor decidiu seguir em frente mesmo quando a vida lhe bateu com força e pareceu até lhe faltar chão. O vencedor caiu e levantou quantas vezes foi necessário e acreditou no seu potencial mesmo quando ninguém acreditava em seus objetivos.
É preciso saber onde se quer chegar e o que é preciso fazer para chegar até lá. 
O caminho não é fácil! A trajetória é cheia de obstáculos, mas é preciso seguir em frente, fazer ajustes no seu planejamento de como chegar até lá, mas nunca mudar seu foco. 
Eu sei o que quero, sei onde quero chegar e sei o que preciso fazer pra alcançar meus sonhos. 
As vezes é preciso estar acordado enquanto os demais dormem, é estar em casa estudando, indo a eventos e se atualizando enquanto muitos estão em festas e curtindo o fim de semana. É preciso abrir mão de muitas coisas para i…