Pular para o conteúdo principal

E o juiz apita o fim do jogo: Este blog chegou ao fim.

Futebol Feminino - Time de Beach Soccer do Botafogo é destaque nas areias de Copacabana


Quem passa pelo posto 3 da praia de Copacabana às segundas, quartas e sextas às 19 horas se depara com um grupo de meninas jogando futebol de areia, e apesar  das dificuldades que muitos nem imaginam, elas estão com sorriso no rosto, decididas a conquistar um "lugar ao sol" e crescer dentro do futebol feminino.

O começo foi difícil, mas mesmo assim a comissão técnica da equipe feminina de Beach Soccer do Botafogo de Futebol e Regatas não desistiu do projeto. "Treinamos por algum tempo com apenas quatro ou cinco atletas, até conseguirmos formar o grupo que temos hoje" - afirma o treinador da equipe, Carlos Dreux.

Hoje os treinos da equipe do Botafogo contam com quinze meninas sendo quatro adultas e onze jogadoras de base.

A equipe que está há 5 meses treinando nas areias da praia de uma das mais famosas praias do mundo, a de Copacabana, desperta os olhares dos que por ali passam, sejam turistas ou moradores da região e com o trabalho que vem sendo feito ficou em quarto lugar no campeonato carioca que foi disputado com 8 equipes, o que é um ótimo resultado a se observar o tempo de projeto e por trabalhar com meninas que estão ainda se familiarizando com a areia no lugar do gramado.

Meninas chama atenção ao treinar na praia de Copacabana. Foto: Eduardo Pontes

"Muitas das meninas que estão aqui são meninas que estavam sem oportunidade ou sendo mal aproveitadas em clubes e escolas de futebol de campo e encontraram na areia a possibilidade de demonstrar e aperfeiçoar os seus talentos. São meninas de muita qualidade, como você mesmo pode observar." - afirmou o supervisor da equipe.

Realmente o que se observa é que as meninas que ali estão não só possuem muita qualidade como estão na mão de profissionais que tem a didática e a sabedoria para poder retirar de cada uma das atletas o seu melhor.

"As dificuldades existem seja no campo, na quadra ou na areia. Sabemos como é o futebol feminino, mas estamos aqui com um trabalho sério visando a formação dessas meninas e esperamos conquistar nosso espaço para poder fazer um trabalho de ainda mais qualidade" - explica o preparador de goleiras. Lucas Reis.

Apesar de bonito de se ver e do futuro promissor pelo trabalho que se observa por parte de toda comissão técnica, a equipe ainda busca patrocínios e parcerias que possam viabilizar uma melhor estrutura para as meninas.

Como os uniformes não são específicos do Beach Soccer feminino, as atletas utilizam uniformes iguais aos do time masculino, fato que pode causar a impressão de que o time feminino é patrocinado quanto na verdade não é! Os novos uniformes, específicos da equipe feminina, chegarão em breve.

Muitas moram distantes e tem poucas condições de arcar com seu deslocamento e esse dinheiro sai do bolso da comissão técnica, desde o Coordenador Silvio Marchetti ao preparador de goleiras. - "O Botafogo nos ajuda da forma que pode, mas sabemos da dificuldade de encontrar investidores" -  afirma Carlinhos.

Coordenador Silvio, Treinador Carlinhos, Supervisor Anderson e o Preparador de goleiras, Lucas. - Os homens responsáveis pelo sucesso e evolução das meninas.  Foto: Eduardo Pontes

"Procuramos jogar limpo com elas, deixando claro que no momento temos poucas condições, mas que com o esforço de todos, nosso e delas, conseguiremos mudar esta situação e essas meninas ganharão o merecido reconhecimento e apoio" - concluiu Anderson.

Dentre as atletas que compõe o grupo de Beach Soccer, estão a goleira de futebol de campo da Seleção Brasileira Sub-17 e do Vasco da Gama, Ana Beatriz e Ágatha, também goleira do Vasco e filhas de Anderson Gomes, o Supervisor. Por serem modalidades diferentes não há nenhum problema e o clube (vasco) autorizou que elas jogassem o futebol de areia.

Vale ressaltar que ainda não existe Seleção Brasileira Feminina de Beach Soccer.

Ana Beatriz,( de verde), Anderson e Ágatha (de branco). Foto: Eduardo Pontes

A quem quiser assistir e tiver interesse de saber um pouco mais sobre o projeto do clube carioca, basta ir até a Avenida Atlântica, altura do número 2056, no Posto 3. Os treinos acontecem nas segundas, quartas e sextas, das 19hs às 20:30hs.

Vale a pena conferir e prestigiar esse belo trabalho! Parabéns e sucesso nessa caminhada que com certeza renderá muitos frutos.

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

O futebol feminino parou, mais uma vez, o país do futebol masculino

Sexta-feira, dia 12 de agosto de 2016. 
Às 22 horas, a Seleção Brasileira de Futebol Feminino entraria em campo já sabendo que as seleções de França e EUA foram eliminadas por equipes consideradas azarões.
O Brasil, começou a tarde desta sexta sabendo que, caso passasse da seleção da Austrália, encararia o vencedor de EUA x Suécia. Logo, saber que a seleção americana havia sido eliminada e não teria a chance de ser nosso algoz nas semifinais já era um peso a menos nas costas de nossas atletas.
Iniciado às 22 horas, o jogo contra a Austrália foi uma mistura de tensão e responsabilidade, fatores que aparentemente pesaram muito e que geraram um nervosismo a cada minuto que se passava e a bola não entrava para que o placar ficasse à nosso favor.
No tempo normal, nada de gols. Então que venha a prorrogação!
Ela veio, com mais nervosismo e tensão ainda. Vale destacar que precisamos clonar a Formiga, pois essa jogadora é fora de série e ninguém joga como ela.
O jogo foi rolando, brasileiros…

Pra chegar onde ninguém chegou é preciso fazer coisas que ninguém fez!

Pra chegar onde ninguém chegou é preciso fazer coisas que ninguém fez!

É preciso acreditar em você em seu sonho! É necessário ter foco!
O que diferencia o vencedor do perdedor é que o vencedor decidiu seguir em frente mesmo quando a vida lhe bateu com força e pareceu até lhe faltar chão. O vencedor caiu e levantou quantas vezes foi necessário e acreditou no seu potencial mesmo quando ninguém acreditava em seus objetivos.
É preciso saber onde se quer chegar e o que é preciso fazer para chegar até lá. 
O caminho não é fácil! A trajetória é cheia de obstáculos, mas é preciso seguir em frente, fazer ajustes no seu planejamento de como chegar até lá, mas nunca mudar seu foco. 
Eu sei o que quero, sei onde quero chegar e sei o que preciso fazer pra alcançar meus sonhos. 
As vezes é preciso estar acordado enquanto os demais dormem, é estar em casa estudando, indo a eventos e se atualizando enquanto muitos estão em festas e curtindo o fim de semana. É preciso abrir mão de muitas coisas para i…

Tabu ALTURA - Preconceito com goleiros e goleiras ou falta de visão?

Um tema tem sido frequentemente abordado no futebol, tanto no masculino quanto no feminino: Estatura dos goleiros.
Tem sido uma prática comum clubes dispensarem ou não darem a devida atenção a goleiros e goleiras considerados "baixos" para a posição sem que ao menos sejam analisadas algumas características que muitos destes possuem, mas que precisam ser trabalhadas. Um goleiro de 16 anos e 1,79m é considerado pequeno, assim como uma goleira que tem 18 anos e 1,70m por exemplo! E isso acontece com atletas de menor idade, como exigências de clubes de que goleiros devem ter 1,80m ou 1,90m com 13 anos!

E qual seria o problema: 
Preguiça associada a busca de um jogador ou jogadora prontos para o clube ganhar dinheiro "sem ter trabalho"? 
Ou a intromissão de cartolas que mal entendem sobre futebol e estão preocupados apenas com seus bolsos e seguem assim padrões de escolas internacionais, e por pouca inteligência neste quesito, perdem profissionais (goleiros e goleiras) q…