Pular para o conteúdo principal

E o juiz apita o fim do jogo: Este blog chegou ao fim.

Marketing Esportivo: As tendências dos próximos anos no Brasil


Com a palavra: os especialistas (Via Mundo do Marketing Esportivo)

Por Daniel D\'amelio, em 05/10/2012
De olho nos Jogos Olímpicos de 2016, pedimos para três dos maiores especialistas em marketing esportivo do país para avaliar o estágio atual e as tendências para os próximos anos.  
Fabio Wolff, é palestrante e sócio-diretor da Wolff Sports. João H. Areias, consultor e professor de marketing esportivo. E também Rafael Zanette, vice-presidente do Instituto Brasileiro de Marketing Esportivo.
Confira as declarações feitas por cada um deles.
Onde as marcas falham e poderiam melhorar para realizar campanhas mais assertivas de marketing esportivo?
F. Wolff: Algumas marcas não possuem departamentos específicos para esportes ou não tem suporte de agências com know how para isso, e, muitas vezes, quando chegam aos eventos elas patinam na hora de ativar.  
JH Areias: Nos Estados Unidos, é comum as grandes empresas terem estruturas dedicadas ao marketing esportivo. São conscientes do poder do esporte como produto e veiculação de comunicação. No Brasil, isso será vital. Devido ao amadorismo das entidades esportivas em geral, esses grandes eventos podem deixar uma contribuição ao país. Podemos ter uma mudança de modelo de gestão do nosso esporte em busca do profissionalismo e transparência destas entidades.  
R. Zanette: Falham na base em não utilizar informações de pesquisas, esse é o principal erro cometido pelas agências do Brasil. Com certeza, você atirar no escuro é muito mais difícil de acertar o alvo.
Como as Olimpíadas no Rio podem contribuir para a imagem do Brasil?
F. Wolff: Teremos dois grandes eventos que se bem organizados trarão ao Brasil benefícios intangíveis à sua imagem.  
JH Areias: Jogos Olímpicos bem organizados e legados bem planejados podem recuperar a imagem do Rio. Se tivermos sucesso nestes dois itens, o Brasil será o maior beneficiado, tanto internamente quanto no exterior.   
R. Zanette: Função muito importante para a imagem do país, quebrar aquele paradigma de associação apenas com “mulata e futebol”. Mostrar para o mundo a capacidade que temos de nos organizar. Acredito que pode ser um grande motivador para o Rio se reerguer como uma nova cidade mais segura. O COI tem regras rígidas para utilização da marca das Olimpíadas, qual a sua opinião sobre essas imposições? 
F. Wolff: O COI está muito correto em proibir qualquer tipo de ativação de empresas que não são patrocinadoras oficiais do evento, pois assim garantem a exclusividade e justificam o alto investimento feito pelos patrocinadores oficiais. Essa ação ‘pirata’ é conhecida como “Marketing de emboscada”.  
JH Areias: O marketing de emboscada (ambush marketing) afeta a imagem dos Jogos Olímpicos e prejudica os seus patrocinadores oficiais. Desde 1984, a primeira Olimpíada a dar lucro, empresas tentam se beneficiar do evento, sem pagar nada aos organizadores. Tivemos ações de marketing bem sucedidas de marcas que se aproveitaram e criaram situações embaraçosas para o COI. Isso gerou grandes problemas. Por exemplo: em 1994, Fuji Film x Kodak; em 1992, Nike x Adidas; em 1996, Nike x Reebok. Em alguns casos, foram comprados espaços nas transmissões esportivas, outros comprando espaços publicitários próximos aos Parques Olímpicos. O que confundiu o público.
R. Zanette: Precisamos analisar alguns pontos nesta questão. O primeiro é que o COI tem uma filosofia de resguardar a história dos Jogos Olímpicos. Nisso, existe a preservação dos valores Olímpicos que restringem - e muito - a exposição das marcas. Outro ponto é o fato de o patrocinador oficial investir um alto valor pela cota de patrocínio. O COI preserva e valoriza quem investiu pesado para estar ali, ou seja, o seu cliente. Porém, é válido salientar que essa preservação deve ser feita com bom senso, sem agredir pessoas que não tem relação com isso. Resumindo, é importante para preservar "quem paga a conta", mantendo bom senso.
Quais tipos de ativações poderão ser vistas no Rio em 2016?
F. Wolff: Patrocínio, relacionamento, promoção, uso das redes sociais e de novas tecnologias.  
JH Areias: O esporte é uma completa ferramenta de comunicação e marketing, possibilitando a publicidade das marcas em primeira instância e permitindo ativações com eventos, promoções, relações públicas e endomarketing associadas aos Jogos Olímpicos.
R. Zanette: É muito difícil prever o que irá ocorrer no Rio. Porém, imagino encontrar ativações que se utilizem de eventos na rua, aproveitando as belezas naturais do Rio de Janeiro.
O que é tendência hoje e poderá ser usado nas estratégias de marketing em 2016?
F. Wolff: Ativar com inteligência e fazer ativação com estratégia. Hoje e amanhã, isso será o diferencial no patrocínio.  
JH Areias: As empresas e as entidades esportivas estão conscientes da necessidade de ativações dos patrocínios e o resultado de market share será priorizado como resultado destas ações.  
R. Zanette: A tendência é uso das redes sociais, com ações inusitadas que serão viralizadas nessas ferramentas interativas. Enfim, o marketing esportivo no Rio de Janeiro será realizado muitas vezes por players internacionais, o que pode servir como uma escola para o mercado nacional. Podemos começar a olhar mais para o marketing 360 graus e em trabalhar de maneira mais completa com os programas de marketing esportivo.

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

O futebol feminino parou, mais uma vez, o país do futebol masculino

Sexta-feira, dia 12 de agosto de 2016. 
Às 22 horas, a Seleção Brasileira de Futebol Feminino entraria em campo já sabendo que as seleções de França e EUA foram eliminadas por equipes consideradas azarões.
O Brasil, começou a tarde desta sexta sabendo que, caso passasse da seleção da Austrália, encararia o vencedor de EUA x Suécia. Logo, saber que a seleção americana havia sido eliminada e não teria a chance de ser nosso algoz nas semifinais já era um peso a menos nas costas de nossas atletas.
Iniciado às 22 horas, o jogo contra a Austrália foi uma mistura de tensão e responsabilidade, fatores que aparentemente pesaram muito e que geraram um nervosismo a cada minuto que se passava e a bola não entrava para que o placar ficasse à nosso favor.
No tempo normal, nada de gols. Então que venha a prorrogação!
Ela veio, com mais nervosismo e tensão ainda. Vale destacar que precisamos clonar a Formiga, pois essa jogadora é fora de série e ninguém joga como ela.
O jogo foi rolando, brasileiros…

Pra chegar onde ninguém chegou é preciso fazer coisas que ninguém fez!

Pra chegar onde ninguém chegou é preciso fazer coisas que ninguém fez!

É preciso acreditar em você em seu sonho! É necessário ter foco!
O que diferencia o vencedor do perdedor é que o vencedor decidiu seguir em frente mesmo quando a vida lhe bateu com força e pareceu até lhe faltar chão. O vencedor caiu e levantou quantas vezes foi necessário e acreditou no seu potencial mesmo quando ninguém acreditava em seus objetivos.
É preciso saber onde se quer chegar e o que é preciso fazer para chegar até lá. 
O caminho não é fácil! A trajetória é cheia de obstáculos, mas é preciso seguir em frente, fazer ajustes no seu planejamento de como chegar até lá, mas nunca mudar seu foco. 
Eu sei o que quero, sei onde quero chegar e sei o que preciso fazer pra alcançar meus sonhos. 
As vezes é preciso estar acordado enquanto os demais dormem, é estar em casa estudando, indo a eventos e se atualizando enquanto muitos estão em festas e curtindo o fim de semana. É preciso abrir mão de muitas coisas para i…

Tabu ALTURA - Preconceito com goleiros e goleiras ou falta de visão?

Um tema tem sido frequentemente abordado no futebol, tanto no masculino quanto no feminino: Estatura dos goleiros.
Tem sido uma prática comum clubes dispensarem ou não darem a devida atenção a goleiros e goleiras considerados "baixos" para a posição sem que ao menos sejam analisadas algumas características que muitos destes possuem, mas que precisam ser trabalhadas. Um goleiro de 16 anos e 1,79m é considerado pequeno, assim como uma goleira que tem 18 anos e 1,70m por exemplo! E isso acontece com atletas de menor idade, como exigências de clubes de que goleiros devem ter 1,80m ou 1,90m com 13 anos!

E qual seria o problema: 
Preguiça associada a busca de um jogador ou jogadora prontos para o clube ganhar dinheiro "sem ter trabalho"? 
Ou a intromissão de cartolas que mal entendem sobre futebol e estão preocupados apenas com seus bolsos e seguem assim padrões de escolas internacionais, e por pouca inteligência neste quesito, perdem profissionais (goleiros e goleiras) q…