Pular para o conteúdo principal

FUTEBOL FEMININO: Com a palavra - JOSEPH BLATTER - Presidente da FIFA

Estes são trechos de falas do Presidente da FIFA em algumas entrevistas e com uma conclusão minha sobre o futebol feminino e nossa federação nacional, logo ao fim do texto!






Para o presidente da Fifa, Joseph Blatter, o interesse do público pelo futebol feminino é cada vez maior e é possível uma expansão mundial a partir das federações nacionais.

- As federações nacionais estão investindo no futebol feminino porque há interesse por parte das mulheres em todos os países do mundo - argumentou Blatter.

A próxima Copa do Mundo de futebol feminino organizada pela Fifa será disputada em 2015 - um ano após a edição do torneio masculino que realizada no Brasil. A competição das mulheres terá o Canadá como palco.

Ao ser perguntado sobre o ano de 2012, Blatter disse: "Sem dúvida, o destaque de 2012 para mim foi o futebol feminino. Tivemos duas competições no calendário da Fifa, a sub-20 e a sub-17. O ponto alto, porém, foram os Jogos Olímpicos em Londres. Quem teria previsto ?' começando por mim, preciso admitir ?' tantos espectadores e tamanho entusiasmo pelo futebol feminino? Quem teria imaginado essa imensa euforia, finalmente, em torno do futebol feminino? Foi sensacional. Ter 80 mil pessoas para um jogo em Wembley, o templo do futebol masculino, foi realmente especial. Não foi uma surpresa que pela terceira vez seguida as americanas foram campeãs olímpicas, derrotando o Japão, de quem perderam a final da Copa do Mundo Feminina da FIFA 2011" .

Se a FIFA apoia e incentiva o futebol feminino, o que a federação responsável está esperando pra fazer o mesmo no Brasil?

Eduardo Pontes - Ao meu ver uma confederação não pode afirmar que o futebol feminino do seu país é "pequeno" ou "que não tem espaço", ou ainda "que não é uma cultura do povo brasileiro", afinal a federação nacional é responsável pelo desenvolvimento do desporto.

Se o desporto não cresce, não se desenvolve, é porque a entidade de administração desportiva responsável não faz um trabalho de forma correta ou necessita reavaliar o que anda fazendo.

Para quem administra, questionar o desenvolvimento do futebol feminino no Brasil é "dar um tiro no próprio pé" e reconhecer, porém não aceitar, que o futebol feminino não caminha por sua própria responsabilidade ou falta dela.

Comentários