Pular para o conteúdo principal

FUTEBOL FEMININO: Seleção Brasileira Sub 17 fora do mundial de 2014.



A Seleção Brasileira de Futebol Feminino sub-17 não passou da primeira fase do Sul-americano sub-17 do Paraguai e assim não irá ao mundial de 2014 da categoria, na Costa Rica.

Venezuela, Paraguai e Colômbia ficaram com as vagas.

Já me questionaram algumas vezes e criticaram bastante a seleção.

Ontem me fizeram uma simples pergunta sobre o assunto: o que faltou? 

Respondi: "Planejamento, estrutura nacional, investimento... posso citar diversos pontos e nem sei por qual começar! É a responsabilidade de uma Confederação que acha que colocar meninas pra treinar juntas antes de uma competição seja o suficiente. 

Temos o talento, mas se este não for trabalhado de forma correta, de nada adianta.

Um diamante não lapidado acaba sendo apenas uma pedra.

Acho que assim é nosso futebol feminino. 

Ainda somos uma pedra, sem forma, ainda suja de terra, mas que com investimento e trabalho decente pode se tornar um magnífico diamante, uma joia da melhor qualidade!"

E complemento dizendo que:  Não adianta simplesmente convocar meninas e colocar pra treinar juntas. A fase de treinamento é para aperfeiçoar e trabalhar o conjunto, mas as meninas chegam na seleção com condicionamento físico, técnico e tático muito baixo e com isso se perde tempo da preparação com um trabalho de nivelamento. Se as atletas não tem clubes e competições para disputar em suas categorias, a coisa fica complicada.

E isso vale não só para a sub-17, mas para todas as nossas seleções femininas de futebol.

Uma seleção é reflexo da forma como o futebol de um país é conduzido. A seleção é apenas um produto!

Na Indústria, um produto é o resultado de atividades ou de processos.

Em matemática, produto é o resultado de uma multiplicação.

Então, a Seleção (e sua qualidade) é o produto de uma modalidade onde se deveria levar em consideração a qualidade de profissionais, número de atletas, número de times, número de competições oficiais, valores de investimento, oportunidades de capacitação e observação de atletas e profissionais.

São somas, multiplicações, divisões e subtrações que precisam ser feitas para que o resultado seja satisfatório e justo, mas ao que parece no Brasil não se sabe fazer contas no futebol feminino. Consequentemente, se não sabem fazer contas, não sabem administrá-lo como um todo.

fatores A + fatores B = Produto

Administrar apenas o produto, sem pensar em como os seus fatores são importantes, não altera seus resultados!

Mas só acho...

Comentários

  1. Concordo com quase tudo que você explanou. No entanto com toda sinceridade , não acredito que nossas adversárias sulamericanas estiveram em condições melhores que as nossas meninas. REPITO, SER ELIMINADO EM ELIMINATÓRIAS SUL-AMERICANAS NÃO DÁ, AINDA MAIS EM PRIMEIRA FASE.
    Fora que eu soube de gente que acompanha também o resto de nossas bases era que poderia sim levar um grupo melhor de garotas mais preparadas e não um monte de guria catada em peneira, que por mais talento que tenha é carente em fundamentos e traquejo tático. Fora por escolha própria treinadora ter cortado a melhor sub-14 dos EUA que é a Catarina Macário, gostaria de saber mais o porque dessa atleta exuberante ter sido cortada. Indisciplina, lesão, ou vontade da treinadora?
    Sim, o nosso futebol feminino é carente ao extremo em estrutura, preparação e tudo mais para quem deseja ser um país vencedor na modalidade. Agora vamos botar os pingos nos IS também, NÃO SÓ FALTOU TUDO O QUE SEMPRE FALTA.. Ser eliminado em primeira fase de mundial é aceitável, mas sul americano, não dá meu caro. Faltou o de sempre e algo mais. Esse algo mais, inclua , convocação ruim, escalação ruim e treinamento ruim.

    ResponderExcluir
  2. Uma vergonha nao se classificar na Varzea sulamericana........inaceitavel....um Vexame!!!

    ResponderExcluir

Postar um comentário

Deixe seu comentário, opinião, dúvida ou sugestão! Um abraço, Edu Pontes!

Postagens mais visitadas deste blog

O futebol feminino parou, mais uma vez, o país do futebol masculino

Sexta-feira, dia 12 de agosto de 2016. 
Às 22 horas, a Seleção Brasileira de Futebol Feminino entraria em campo já sabendo que as seleções de França e EUA foram eliminadas por equipes consideradas azarões.
O Brasil, começou a tarde desta sexta sabendo que, caso passasse da seleção da Austrália, encararia o vencedor de EUA x Suécia. Logo, saber que a seleção americana havia sido eliminada e não teria a chance de ser nosso algoz nas semifinais já era um peso a menos nas costas de nossas atletas.
Iniciado às 22 horas, o jogo contra a Austrália foi uma mistura de tensão e responsabilidade, fatores que aparentemente pesaram muito e que geraram um nervosismo a cada minuto que se passava e a bola não entrava para que o placar ficasse à nosso favor.
No tempo normal, nada de gols. Então que venha a prorrogação!
Ela veio, com mais nervosismo e tensão ainda. Vale destacar que precisamos clonar a Formiga, pois essa jogadora é fora de série e ninguém joga como ela.
O jogo foi rolando, brasileiros…

Pra chegar onde ninguém chegou é preciso fazer coisas que ninguém fez!

Pra chegar onde ninguém chegou é preciso fazer coisas que ninguém fez!

É preciso acreditar em você em seu sonho! É necessário ter foco!
O que diferencia o vencedor do perdedor é que o vencedor decidiu seguir em frente mesmo quando a vida lhe bateu com força e pareceu até lhe faltar chão. O vencedor caiu e levantou quantas vezes foi necessário e acreditou no seu potencial mesmo quando ninguém acreditava em seus objetivos.
É preciso saber onde se quer chegar e o que é preciso fazer para chegar até lá. 
O caminho não é fácil! A trajetória é cheia de obstáculos, mas é preciso seguir em frente, fazer ajustes no seu planejamento de como chegar até lá, mas nunca mudar seu foco. 
Eu sei o que quero, sei onde quero chegar e sei o que preciso fazer pra alcançar meus sonhos. 
As vezes é preciso estar acordado enquanto os demais dormem, é estar em casa estudando, indo a eventos e se atualizando enquanto muitos estão em festas e curtindo o fim de semana. É preciso abrir mão de muitas coisas para i…

Tabu ALTURA - Preconceito com goleiros e goleiras ou falta de visão?

Um tema tem sido frequentemente abordado no futebol, tanto no masculino quanto no feminino: Estatura dos goleiros.
Tem sido uma prática comum clubes dispensarem ou não darem a devida atenção a goleiros e goleiras considerados "baixos" para a posição sem que ao menos sejam analisadas algumas características que muitos destes possuem, mas que precisam ser trabalhadas. Um goleiro de 16 anos e 1,79m é considerado pequeno, assim como uma goleira que tem 18 anos e 1,70m por exemplo! E isso acontece com atletas de menor idade, como exigências de clubes de que goleiros devem ter 1,80m ou 1,90m com 13 anos!

E qual seria o problema: 
Preguiça associada a busca de um jogador ou jogadora prontos para o clube ganhar dinheiro "sem ter trabalho"? 
Ou a intromissão de cartolas que mal entendem sobre futebol e estão preocupados apenas com seus bolsos e seguem assim padrões de escolas internacionais, e por pouca inteligência neste quesito, perdem profissionais (goleiros e goleiras) q…