Pular para o conteúdo principal

Marta se torna maior atleta da história do futebol, mas título não significa nada no Brasil

Impressões do Jogo EUA 4 x 1 BRASIL


EUA x BRASIL fizeram no último dia 10 uma partida de 5 gols. Eu ia fazer uma análise mais detalhada, mas estou no trabalho nesse momento e a semana tem sido bem corrida, então vou tentar expôr alguns pontos do jogo.

O jogo mostrou um Brasil desorganizado e uma equipe americana sistemática. Os EUA repetiu o padrão de jogo dos seus últimos 6 jogos explorando as laterais do campo, lançamentos em diagonal sobre a zaga para a jogadora Sydney Leroux, as bolas alçadas na área e algumas bolsa em diagonal quando as laterais estavam marcadas.

O Brasil, que foi com uma equipe relativamente nova e desentrosada, sofreu com o pouco entrosamento de uma equipe que se reuniu e treinou junta apenas duas vezes antes da partida.

Mesmo sabendo do estilo de jogo da seleção americana, o time brasileiro não conseguiu anular as jogadas.

No primeiro tempo, o time se abalou com o primeiro gol sofrido e o pênalti logo em seguida e começar o jogo perdendo de 2 x 0 talvez tenha dificultado ainda mais pelo lado psicológico de tomar 2 gols da melhor seleção do mundo e ter que tentar reverter o placar.

Rosana (que movimentou-se bastante durante a partida, diga-se de passagem) marcou o gol de honra do Brasil ainda no primeiro tempo, em cruzamento de Rilany pela direita.

No meio campo, onde houve bastante espaço do lado Brasileiro durante a partida Zanotti teve uma atuação apagada e a gente sabe que pode render muito mais, Thaissa teve atuação discreta, fisicamente se mostrou bem e com boa visão de jogo. A Laylla, que teve sua primeira convocação, fez  algumas triangulações e desarmes realizados.

O primeiro tempo acabou com o placar de 3 x 1 para os EUA que voltou para o segundo tempo em ritmo mais cadenciado. O Brasil por sua vez voltou mais calmo e tentando estar mais organizado em campo. O baque dos gols já havia passado.

No segundo tempo o Brasil teve boas oportunidades, principalmente com a Raquel, mas esbarrou em uma Hope Solo muito segura e consistente, como de costume, não conseguindo encostar no placar.

Ainda no fim do 2° tempo as brasileiras tomaram mais um gol e a partida acabou assim: EUA 4 x 1 Brasil.

Achei um bom teste para uma seleção brasileira que pode e precisa melhorar muito, e pode muito bem passar a trabalhar mais o toque de bola rápido e objetivo. Nada muito além de 2 toques na bola, exceto em alguns raros e necessários momentos.

Importante também trabalhar mais a forma física e talvez realizar um trabalho físico individual, avaliando a temporada de cada atleta de acordo com seu país de atuação, bem como avaliando também o que está sendo trabalhado pela atleta em seu clube. Talvez seja a melhor forma de tornar o grupo homogêneo fisicamente.

Os gols do jogo foram marcados por Sydney Leroux (15' e 36'), Abby Wambach (17' de penalti), Rosana (25') e Erika Tymrak (76').

Abaixo vocês podem conferir os melhores momentos da partida. Queria o vídeo na íntegra, mas se ele sair eu posto pra quem não viu o jogo poder acompanhar.

Claro que eu não gostei do jogo e queria um Brasil mais organizado, entrosado e mais ciente do estilo de jogo dos EUA, mas acredito que dentro do pouquíssimo tempo que a equipe esteve junta não dava pra fazer muita coisa. Com mais tempo a equipe deve mostrar um futebol mais organizado, mas ainda precisamos trabalhar bastante a movimentação das linhas, toque de bola, forma física, e estar mais atentos a outros detalhes que são muito importantes na preparação ou renovação de qualquer equipe.

Que venha o Torneio Internacional de Brasília e esperamos ver evolução e uma definição de estilo de jogo, afinal o Sul Americano 2014 está logo aí.


Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

O futebol feminino parou, mais uma vez, o país do futebol masculino

Sexta-feira, dia 12 de agosto de 2016. 
Às 22 horas, a Seleção Brasileira de Futebol Feminino entraria em campo já sabendo que as seleções de França e EUA foram eliminadas por equipes consideradas azarões.
O Brasil, começou a tarde desta sexta sabendo que, caso passasse da seleção da Austrália, encararia o vencedor de EUA x Suécia. Logo, saber que a seleção americana havia sido eliminada e não teria a chance de ser nosso algoz nas semifinais já era um peso a menos nas costas de nossas atletas.
Iniciado às 22 horas, o jogo contra a Austrália foi uma mistura de tensão e responsabilidade, fatores que aparentemente pesaram muito e que geraram um nervosismo a cada minuto que se passava e a bola não entrava para que o placar ficasse à nosso favor.
No tempo normal, nada de gols. Então que venha a prorrogação!
Ela veio, com mais nervosismo e tensão ainda. Vale destacar que precisamos clonar a Formiga, pois essa jogadora é fora de série e ninguém joga como ela.
O jogo foi rolando, brasileiros…

Tabu ALTURA - Preconceito com goleiros e goleiras ou falta de visão?

Um tema tem sido frequentemente abordado no futebol, tanto no masculino quanto no feminino: Estatura dos goleiros.
Tem sido uma prática comum clubes dispensarem ou não darem a devida atenção a goleiros e goleiras considerados "baixos" para a posição sem que ao menos sejam analisadas algumas características que muitos destes possuem, mas que precisam ser trabalhadas. Um goleiro de 16 anos e 1,79m é considerado pequeno, assim como uma goleira que tem 18 anos e 1,70m por exemplo! E isso acontece com atletas de menor idade, como exigências de clubes de que goleiros devem ter 1,80m ou 1,90m com 13 anos!

E qual seria o problema: 
Preguiça associada a busca de um jogador ou jogadora prontos para o clube ganhar dinheiro "sem ter trabalho"? 
Ou a intromissão de cartolas que mal entendem sobre futebol e estão preocupados apenas com seus bolsos e seguem assim padrões de escolas internacionais, e por pouca inteligência neste quesito, perdem profissionais (goleiros e goleiras) q…

Pra chegar onde ninguém chegou é preciso fazer coisas que ninguém fez!

Pra chegar onde ninguém chegou é preciso fazer coisas que ninguém fez!

É preciso acreditar em você em seu sonho! É necessário ter foco!
O que diferencia o vencedor do perdedor é que o vencedor decidiu seguir em frente mesmo quando a vida lhe bateu com força e pareceu até lhe faltar chão. O vencedor caiu e levantou quantas vezes foi necessário e acreditou no seu potencial mesmo quando ninguém acreditava em seus objetivos.
É preciso saber onde se quer chegar e o que é preciso fazer para chegar até lá. 
O caminho não é fácil! A trajetória é cheia de obstáculos, mas é preciso seguir em frente, fazer ajustes no seu planejamento de como chegar até lá, mas nunca mudar seu foco. 
Eu sei o que quero, sei onde quero chegar e sei o que preciso fazer pra alcançar meus sonhos. 
As vezes é preciso estar acordado enquanto os demais dormem, é estar em casa estudando, indo a eventos e se atualizando enquanto muitos estão em festas e curtindo o fim de semana. É preciso abrir mão de muitas coisas para i…