Pular para o conteúdo principal

E o juiz apita o fim do jogo: Este blog chegou ao fim.

BASTA SABER OLHAR: Investir no Futebol Feminino gera retorno ao clube.

Mídia espontânea para patrocinadores e clubes
Os clubes e seus dirigentes precisam entender que investir no Futebol Feminino é investir na imagem do clube como um todo.

Comparando a grosso modo, criar um time de futebol feminino é como criar uma bela roupa de baixo custo e colocá-la na vitrine de uma loja. Quem compra (investe dinheiro) aquela roupa está comprando não uma roupa, mas uma marca. Nem precisaria dizer que para criar uma bela roupa é necessário planejar muito bem, fazer moldes, tirar medidas, escolher um bom tecido, etc... e no futebol feminino também é necessário buscar fazer sempre o melhor trabalho possível.

No exemplo citado acima a roupa é o Futebol Feminino, a marca da roupa (Grife/nome da etiqueta) é o clube e quem compra/investe é o patrocinador. (Lembrem-se: é uma "grosseira" comparação para exemplificar)

Então, quando você faz um bom e estruturado Futebol Feminino no seu clube, você não está apenas investindo na modalidade, mas também investindo em imagem, marketing e propaganda da instituição como um todo. Então paremos com o papo de que investir no futebol feminino não dá retorno, okay?! Isso é papo de dirigente que não enxerga um palmo à frente do nariz!

No começo os investidores/compradores desse seu produto (que representa sua marca/instituição) serão pequenos e modestos, mas se você fizer um bom trabalho, bem planejado, com qualidade, com certeza atrairá investidores maiores, com mais condições de comprar o produto que você os oferece.

O patrocinador não quer investir em um produto que está "implorando" migalhas. Esse coitadismo de "pelo amor de Deus, me patrocine porque é um time de futebol feminino e é tudo muito difícil" só afasta o investidor/patrocinador.

Você não tem que implorar ajuda e sim mostrar ao patrocinador que é interessante para ele associar seu nome à sua marca e ao seu produto. O clube não está pedindo patrocínio e sim vendendo espaço de publicidade que será realizada através dos espaços no uniforme do clube. no estádio e local de treino, além de redes sociais e de tantas outras formas que podem ser feitas.

É importante repetir e completar que no primeiro ano serão os patrocinadores modestos. Se os modestos gostarem de como o time rendeu você terá a fidelidade deles e gerará interesse de outros e assim a coisa começa a caminhar. De início QUASE no "zero a zero" (investimento = retorno), pois dificilmente se lucra com futebol feminino de cara, nos primeiros anos.  Porém, olhando de outra forma o investimento fica favorável ao clube, pois ao investir no futebol feminino, alcançar resultados, atrair patrocinadores o clube gera uma mídia espontânea sobre a sua marca (seu nome).

O time de futebol feminino será sempre associado ao nome do clube que defende, então isso é um excelente retorno ao clube que ganha mídia espontânea e visibilidade em jornais, revistas, mídias sociais, e em diversos veículos de comunicação. E se o clube fosse calcular quanto teria que pagar para aparecer tantas vezes na mídia, quanto gastaria?

Mídia espontânea é um dos parâmetros mais utilizados para justificar o retorno de um patrocínio esportivo, onde se consideram todas as inserções (aparições) de uma marca em veículos de comunicação, sem que se pague diretamente por isso.

Em resumo: Futebol Feminino dá retorno sim e é uma excelente ferramenta de marketing para um clube de futebol se seus dirigentes pensarem e prestarem atenção no que estão fazendo. Essa imagem do futebol feminino tem o poder de alavancar também o futebol masculino da instituição, desde que se faça um trabalho associativo entre masculino e feminino, até porque os clubes precisam começar a pensar no FUTEBOL como um só onde o gênero feminino pode ajudar o masculino, assim como o masculino também pode ajudar o feminino.

Futebol Feminino gera um grande retorno aos clubes, mas nossos dirigentes, muitas vezes "despreparados" enxergam como retorno apenas aquilo que lhes enche os bolsos, também conhecido como dinheiro.

É necessário parar de pensar em GANHAR DINHEIRO e pensar em todas as outras formas de retorno que oferece o Futebol Feminino!

Comentários

  1. Excelente texto Edu, há tempos eu troquei a palavra apoio pela palavra OPORTUNIDADE. Apoio ultimamente ganhou esse significado de "implorar" migalhas, de desculpas também para o fracasso a cada derrota das seleções brasileiras. É como você falou, se apela para um lado emocional demasiado e não é ASSIM QUE AS COISAS FUNCIONAM. Ninguém chega com um projeto , um plano de negócio mesmo para o futebol feminino, isso não é só aqui, que o torne um produto viável. É tudo na base , "PELO AMOR DE DEUS ME AJUDE".
    Penso da seguinte forma, é lógico que o esporte rei, tem condições totais de se tornar um grande produto no seu gênero feminino. Esportes com bem menos alcance de mídia conseguiram dá visibilidade , estabilidade financeira e prestigio a seus congêneres femininos, o futebol com um monte de marca consolidada não conseguiria? Agora tem que ter trabalho de médio longo prazo e não ter preguiça. Essa é a questão.

    ResponderExcluir

Postar um comentário

Deixe seu comentário, opinião, dúvida ou sugestão! Um abraço, Edu Pontes!

Postagens mais visitadas deste blog

O futebol feminino parou, mais uma vez, o país do futebol masculino

Sexta-feira, dia 12 de agosto de 2016. 
Às 22 horas, a Seleção Brasileira de Futebol Feminino entraria em campo já sabendo que as seleções de França e EUA foram eliminadas por equipes consideradas azarões.
O Brasil, começou a tarde desta sexta sabendo que, caso passasse da seleção da Austrália, encararia o vencedor de EUA x Suécia. Logo, saber que a seleção americana havia sido eliminada e não teria a chance de ser nosso algoz nas semifinais já era um peso a menos nas costas de nossas atletas.
Iniciado às 22 horas, o jogo contra a Austrália foi uma mistura de tensão e responsabilidade, fatores que aparentemente pesaram muito e que geraram um nervosismo a cada minuto que se passava e a bola não entrava para que o placar ficasse à nosso favor.
No tempo normal, nada de gols. Então que venha a prorrogação!
Ela veio, com mais nervosismo e tensão ainda. Vale destacar que precisamos clonar a Formiga, pois essa jogadora é fora de série e ninguém joga como ela.
O jogo foi rolando, brasileiros…

Pra chegar onde ninguém chegou é preciso fazer coisas que ninguém fez!

Pra chegar onde ninguém chegou é preciso fazer coisas que ninguém fez!

É preciso acreditar em você em seu sonho! É necessário ter foco!
O que diferencia o vencedor do perdedor é que o vencedor decidiu seguir em frente mesmo quando a vida lhe bateu com força e pareceu até lhe faltar chão. O vencedor caiu e levantou quantas vezes foi necessário e acreditou no seu potencial mesmo quando ninguém acreditava em seus objetivos.
É preciso saber onde se quer chegar e o que é preciso fazer para chegar até lá. 
O caminho não é fácil! A trajetória é cheia de obstáculos, mas é preciso seguir em frente, fazer ajustes no seu planejamento de como chegar até lá, mas nunca mudar seu foco. 
Eu sei o que quero, sei onde quero chegar e sei o que preciso fazer pra alcançar meus sonhos. 
As vezes é preciso estar acordado enquanto os demais dormem, é estar em casa estudando, indo a eventos e se atualizando enquanto muitos estão em festas e curtindo o fim de semana. É preciso abrir mão de muitas coisas para i…

Tabu ALTURA - Preconceito com goleiros e goleiras ou falta de visão?

Um tema tem sido frequentemente abordado no futebol, tanto no masculino quanto no feminino: Estatura dos goleiros.
Tem sido uma prática comum clubes dispensarem ou não darem a devida atenção a goleiros e goleiras considerados "baixos" para a posição sem que ao menos sejam analisadas algumas características que muitos destes possuem, mas que precisam ser trabalhadas. Um goleiro de 16 anos e 1,79m é considerado pequeno, assim como uma goleira que tem 18 anos e 1,70m por exemplo! E isso acontece com atletas de menor idade, como exigências de clubes de que goleiros devem ter 1,80m ou 1,90m com 13 anos!

E qual seria o problema: 
Preguiça associada a busca de um jogador ou jogadora prontos para o clube ganhar dinheiro "sem ter trabalho"? 
Ou a intromissão de cartolas que mal entendem sobre futebol e estão preocupados apenas com seus bolsos e seguem assim padrões de escolas internacionais, e por pouca inteligência neste quesito, perdem profissionais (goleiros e goleiras) q…