Pular para o conteúdo principal

E o juiz apita o fim do jogo: Este blog chegou ao fim.

A valorização do Futebol Feminino

Valorização. Essa é a palavra mais comum de se ouvir e de se ler quando falamos de futebol feminino.

É algo que muitas pessoas querem, mas existe um aspecto que quase ninguém atenta e vou tentar explicar aqui o que eu entendo por VALORIZAÇÃO DO FUTEBOL FEMININO.

Analisando por definição VALORIZAR significa dar valor ou valores, aumentar o valor. ou ainda aumentar o merecimento, talento ou reputação, aumentar o quanto vale aquela coisa ou pessoa.

Eu acredito que neste caso do futebol feminino, valorizar seja muito mais do que uma palavra. Valorizar precisa ser um estado de espírito, uma filosofia e uma atitude constante dentro da modalidade. 

Não se pode esperar valorização vinda de fora se esta não começar a acontecer antes dentro da modalidade. O movimento inicial precisa ser de dentro para fora.

Li uma frase que muitos de vocês devem conhecer ou já devem ter ouvido algo similar: "eu preciso me amar, me cuidar, me mimar e me querer bem... NINGUÉM pode fazer por mim O QUE EU DEVO FAZER". A filosofia contida nessa frase resume qual a necessidade que as atletas e os profissionais precisam ter com o futebol feminino.

Muitas atletas e profissionais alegam por aí que cansaram de lutar, e eu até acredito em uma pequena parcela dessas pessoas, mas também sei que uma grande parte das pessoas que criticam, reclamam e dizem querer a valorização da modalidade não valorizam sua profissão.

Valorização requer consciência de direitos e deveres, requer ética e profissionalismo. Requer fazer o que é certo e lutar pelo que é certo. Requer não recorrer a meios errados para vencer, para se firmar, para trazer atletas, para chegar em uma final. 

Valorização é combater o errado e fazer crescer a partir do correto, cobrar o que é certo, se unir contra o que e quem é errado. É fazer para merecer!

Por enquanto, por tudo que vejo, posso afirmar que essa valorização do futebol feminino ainda não existe, e que a culpa não é da falta de mídia ou da falta de investimento de patrocinadores e sim pela falta de comprometimento, organização e ética da modalidade.

A vida nos mostra que se você não se valoriza como pessoa, ninguém irá valorizar você também! É como você age que irá fazer com que as pessoas te valorizarem ou não. Então não vamos culpar meios externos, mídia ou patrocinadores. 

Podem existir pessoas lutando em prol do futebol feminino por melhorias fora das quatro linhas e das estruturas de clubes e federações e estas podem sim conseguir melhorias, mas por mais expressivos que os resultados por estas pessoas ou entidades possa parecer nunca chegará perto da mudança que poderá ser provocada se as peças do espetáculo (atletas e profissionais) valorizarem o futebol feminino.

É preciso parar de coitadismo, fazer mais e esperar menos! É preciso começar a mudar de postura de dentro pra fora!

Mas, só acho...

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

O futebol feminino parou, mais uma vez, o país do futebol masculino

Sexta-feira, dia 12 de agosto de 2016. 
Às 22 horas, a Seleção Brasileira de Futebol Feminino entraria em campo já sabendo que as seleções de França e EUA foram eliminadas por equipes consideradas azarões.
O Brasil, começou a tarde desta sexta sabendo que, caso passasse da seleção da Austrália, encararia o vencedor de EUA x Suécia. Logo, saber que a seleção americana havia sido eliminada e não teria a chance de ser nosso algoz nas semifinais já era um peso a menos nas costas de nossas atletas.
Iniciado às 22 horas, o jogo contra a Austrália foi uma mistura de tensão e responsabilidade, fatores que aparentemente pesaram muito e que geraram um nervosismo a cada minuto que se passava e a bola não entrava para que o placar ficasse à nosso favor.
No tempo normal, nada de gols. Então que venha a prorrogação!
Ela veio, com mais nervosismo e tensão ainda. Vale destacar que precisamos clonar a Formiga, pois essa jogadora é fora de série e ninguém joga como ela.
O jogo foi rolando, brasileiros…

Tabu ALTURA - Preconceito com goleiros e goleiras ou falta de visão?

Um tema tem sido frequentemente abordado no futebol, tanto no masculino quanto no feminino: Estatura dos goleiros.
Tem sido uma prática comum clubes dispensarem ou não darem a devida atenção a goleiros e goleiras considerados "baixos" para a posição sem que ao menos sejam analisadas algumas características que muitos destes possuem, mas que precisam ser trabalhadas. Um goleiro de 16 anos e 1,79m é considerado pequeno, assim como uma goleira que tem 18 anos e 1,70m por exemplo! E isso acontece com atletas de menor idade, como exigências de clubes de que goleiros devem ter 1,80m ou 1,90m com 13 anos!

E qual seria o problema: 
Preguiça associada a busca de um jogador ou jogadora prontos para o clube ganhar dinheiro "sem ter trabalho"? 
Ou a intromissão de cartolas que mal entendem sobre futebol e estão preocupados apenas com seus bolsos e seguem assim padrões de escolas internacionais, e por pouca inteligência neste quesito, perdem profissionais (goleiros e goleiras) q…

Pra chegar onde ninguém chegou é preciso fazer coisas que ninguém fez!

Pra chegar onde ninguém chegou é preciso fazer coisas que ninguém fez!

É preciso acreditar em você em seu sonho! É necessário ter foco!
O que diferencia o vencedor do perdedor é que o vencedor decidiu seguir em frente mesmo quando a vida lhe bateu com força e pareceu até lhe faltar chão. O vencedor caiu e levantou quantas vezes foi necessário e acreditou no seu potencial mesmo quando ninguém acreditava em seus objetivos.
É preciso saber onde se quer chegar e o que é preciso fazer para chegar até lá. 
O caminho não é fácil! A trajetória é cheia de obstáculos, mas é preciso seguir em frente, fazer ajustes no seu planejamento de como chegar até lá, mas nunca mudar seu foco. 
Eu sei o que quero, sei onde quero chegar e sei o que preciso fazer pra alcançar meus sonhos. 
As vezes é preciso estar acordado enquanto os demais dormem, é estar em casa estudando, indo a eventos e se atualizando enquanto muitos estão em festas e curtindo o fim de semana. É preciso abrir mão de muitas coisas para i…