Translate

segunda-feira, 24 de março de 2014

Que a atitude da rainha do futsal, Vanessa, inspire nosso omisso Futebol Feminino

Olá amigos!

Andei um pouco ausente aqui no meu blog durante o período de recuperação da cirurgia que fiz no joelho direito, e tirei estes 15 dias para relaxar um pouco e focar um pouco nos estudos da faculdade.

Neste período um caso polêmico no futsal brasileiro onde o craque Falcão e a rainha do futsal Vanessa Pereira (3 vezes melhor do mundo) deram declarações contra a situação do futsal e a postura da Confederação Brasileira de Futsal (CBFS) para com os atletas e a modalidade como um todo. 

A declaração de Falcão foi importante, mas a postura de Vanessa é nosso exemplo de hoje para compararmos com a modalidade irmã que é o Futebol Feminino.

A declaração de Vanessa chama a atenção porque vai ao encontro da situação que vive o Futebol de Campo Feminino Brasileiro.
Em seu blog oficial, Vanessa declarou: "...Como todos sabem fui e sou alguém que dá a cara pra bater e briga por uma modalidade que está cada vez mais caótica. É triste a realidade que futsal em si vive, pra ser mais específica e poder dizer com propriedade é a realidade que futsal feminino vive. Nunca pedimos salários como tal, o que é de desejo e vontade de todas as atletas é que a nossa modalidade seja vista com outros olhos por aqueles que se dizem os de maiores poderes. O futsal fez e faz muito por mim até hoje, porém os clubes não tem força suficiente para mânter essa modalidade ativa e coerente com a realidade que queremos. É justo uma SELEÇÃO ir para um campeonato mundial e ficar em alojamentos? É justo uma SELEÇÃO não ter um fisioterapeuta antes da principal competição e única que futsal feminino tem, isso são apenas alguns pontos... O que pedimos é respeito, é lutar e fazer o futsal feminino acontecer".

Existe uma relação entre a Entidade de Administração do futebol no país (responsável pelas nossas seleções, masculinas e femininas, tanto de base quanto adultas) e essa situação vivida pelo Futsal.

Nosso Futebol Feminino não vem sendo valorizado, e isso já vem de anos e anos. A modalidade está cada vez mais caótica. Com a atual administração da modalidade, nada mudou. 

A Seleção de campo tem um trabalho questionável e atletas demonstram descontentamento constante com a situação e com a ditadura velada/encoberta. Se uma atleta do nosso futebol feminino declarar qualquer coisa em redes sociais apenas questionando e apontando caminhos para uma melhoria da modalidade isso pode gerar retaliações. Chegamos em um nível em que se a atleta falar com determinadas pessoas que desejam melhorias e buscam isso pela modalidade, elas também sofrem retaliações.

Falar é proibido! Se você sonha com a seleção, então mantenha-se calada, omissa e subjugada e submissa. 

Ao contrário do que muitos pensam, as atletas não querem rios de dinheiro. Elas querem apenas RESPEITO, além de uma boa administração da modalidade de modo que permita que o esporte crie raízes, ganhe espaço e que se torne uma realidade onde elas possam ganhar o suficiente para viver da profissão que escolheram.

As declarações de Vanessa, do futsal, poderiam ser para o futebol feminino: 'Queremos organização e valorização. Não temos um calendário, é tudo feito no improviso. O futsal feminino não está brigando para receber o que devem, mas para para ser valorizado.', porém ela briga por sua modalidade enquanto as atletas de maior peso do futebol feminino apenas se calam e aceitam tudo que acontece.

Vale observar que existe uma enorme diferença entre fingir pedir apoio, e de fato falar claramente sobre nossos problemas. Digo isso porque nas poucas vezes em que uma atleta de peso do futebol feminino falou sobre apoio a modalidade no Brasil, muito pouco se falou e nada foi dito.

A situação do futebol feminino só irá mudar quando realmente for dito o que é necessário. Quando a realidade for exposta para o mundo entender como o futebol feminino brasileiro é tratado e gerido, como nossas atletas vivem, como são tratadas dentro e fora da seleção e como seus comportamentos influem diretamente em que vai ou não vestir e defender as cores do Brasil.

E para aquelas que costumam dizer "Ah, mas falar não dá em nada..." saibam que a atitude de Vanessa e Falcão resultaram em cobranças de explicações por parte do maior patrocinador da Confederação de Futsal, além de colocar o problema em evidência.

O futebol feminino tem o apoio de pessoas como eu, Luciane Castro e Rafael Alves, do movimento BOM SENSO, do Ministério do Esporte, mas nenhum destes pode brigar por algo que cabe a vocês! De nada adianta terceiros brigarem por aquilo que é direito e dever de vocês atletas, se vocês mesmas se esquivam.  Brigar para que atletas digam que está tudo bem?, fica difícil!

O Ministério do Esporte, por exemplo, tenta ajudar de todas as formas, mas a entidade que "administra" o futebol feminino não quer sua ajuda e já deixou isso claro. Apesar de dizer que a modalidade só lhe dá prejuízos, que os patrocinadores dessa entidade de administração só patrocinam o futebol masculino e o futebol feminino vai de brinde, recusou a proposta do ME de cuidar da modalidade e então assumir esse "prejuízo" retirando este "peso" das costas da entidade, que se esquivou.

Isso e outras coisas que as atletas sabem muito bem que acontece só mudará quando as atletas pararem de cochichar por baixo dos panos e colocar a cara a tapa.

O Futebol Feminino colhe simplesmente o que plantou e planta, e embora dirigentes e treinadores tenham grande culpa, a maior responsabilidade é das atletas que há décadas aceitam tudo de qualquer forma e se contentam com qualquer migalha. Se omitir é aceitar! E quem se omite e aceita não tem o direito de reclamar do que vive e sofre. 

Como disse a jornalista e amiga Luciane (Lu) Castro, "é preciso, além de fomentar o futebol entre as meninas, dar-lhes ensinamentos de cidadania, respeito próprio, direitos conquistados e etc, etc, etc...quem sabe assim, no futuro, não vejamos tantas mulheres se submetendo a tanta falta de respeito"!

Parabéns Vanessa pela sua postura! Esperamos que o Futsal Feminino e as atletas conquistem significativas mudanças e que a sua postura possa inspirar grandes nomes do nosso Futebol Feminino.


terça-feira, 11 de março de 2014

FUTEBOL FEMININO: "A Cezar o que é de Cezar".

Conversando com uma atleta e amiga, ela disse essa frase, e ela resume bem a situação do futebol feminino brasileiro.

Falta tudo! Todos sabem bem quais os problemas. Porém muitos que estão em atividade são parte determinante deste problema!

Poucos os que escapam entre atletas, treinadores e dirigentes. Boa parte destas pessoas que estão em atividade fizeram ou fazem algo que compromete a saúde, crescimento e desenvolvimento do esporte.

O incrível é que é muito comum você ver pessoas julgando pessoas. Atleta julgando e criticando atleta, profissional criticando profissional, quando em determinados momentos todos já tiveram os mesmos comportamentos, atitudes, se corromperam por resultados ou objetivos, tiveram desvios de conduta e caráter.

O futebol feminino não cresce porque tem e é exatamente da forma como foi e continua sendo construído.

As pessoas se utilizam de desculpas esfarrapadas para justificar a falta de ação.

Sendo assim, a maioria, grande maioria mesmo, das pessoas que estão envolvidas com o futebol feminino não deveriam reclamar de nada, pois o que a modalidade vive é reflexo de cada um dos envolvidos.

E hoje as pessoas não tem coragem para mudar de postura, ou não são mais capazes de mudar porque já são muitos e muitos anos fazendo qualquer coisa de qualquer jeito.

Mas, pra variar, só acho ...

Ao futebol feminino o que é do futebol feminino...