Pular para o conteúdo principal

FUTEBOL FEMININO - Ética, boas maneiras e profissionalismo

Até onde errar é admissível?

Raríssimas exceções e nem é o fato de ser admissível. Talvez seja compreensível, mas não admissível.

Errar o mesmo erro então, nem pensar...

Penso que talvez seja necessária uma cartilha de ética e boas maneiras pessoais e profissionais para o Futebol Feminino, mas se até os seus 07 anos de idade estes, que hoje gostam de ser chamados de profissionais do esporte, não foram devidamente educados e em muitos anos de vida e trabalho não resolveram mudar, do que adiantaria?

Infelizmente são sim necessárias aulas e mais aulas de ética, valores e bom senso aos profissionais e atletas.

Talvez os ditos profissionais que convivem diariamente e por muitos anos com as jogadoras e atletas (existe diferença entre os termos) precisem ainda mais dessa reeducação porque eles que forma e se tornam exemplos de comportamento para muitas por ai. Isso explicaria o grande número de peladeiras que acham que jogam futebol?

Sabemos que não existe fórmula pronta do sucesso até porque o sucesso pode ser relativo e ter variações de conceito de pessoa para pessoa, mas precisamos criar um formato mais profissional da administração da modalidade e de seu campo de formação (de pessoas, cidadãos, de caráter, de profissionais).

É preciso pensar em "normatizar" e principalmente em FISCALIZAR e PUNIR de forma severa algumas coisas dentro da modalidade.

Vejo muita gente bater no peito e dizer se orgulhar da carreira, mas se fossemos realizar um pente fino em toda questão de aliciação de atletas, assédios morais e sexuais, coações, furtos diversos diretamente relacionados a má administração, toda questão de preferencia pessoal/amizade por atletas escaladas e prevalecerem sobre empenho e as qualidades técnicas, QUANTOS "PROFISSIONAIS" DO FUTEBOL FEMININO realmente passariam limpos?

Diversos dizem querer uma modalidade profissional, mas grande maioria nem compreende o sentido dessa palavra no futebol feminino.

É preciso mudar! Talvez se eu for contar nos dedos das mãos, ainda sobrarão dedos...

Comentários