Pular para o conteúdo principal

Marta se torna maior atleta da história do futebol, mas título não significa nada no Brasil

Uma séria reflexão sobre o poder subestimado propositalmente do esporte no Brasil


Quantos brasileirinhos e brasileirinhas são campeões em algum esporte todo dia? Campeões só por estarem fora das ruas e ocupar o tempo de forma melhor. Por ganhar uma medalhinha de honra ao mérito de 50 centavos por "competir" com os coleguinhas e que faz essa criança se sentir a mais importante e maravilhosa criança do mundo mesmo sem ter nada...?!

Quantos homens e mulheres disputam competições dentro e fora do país nas mais variadas modalidades e vivem nas sombras, escondidos da nação?  Visíveis apenas para alguns poucos que se encontram próximos...

Somos um país rico em talentos em diversas áreas e o esporte sem dúvida é uma delas.

Quantas vidas se transformam através do vôlei, basquete, judô, handebol, atletismo, futebol, natação,  capoeira, ginástica, etc?

O esporte, seja qual for, transforma vidas pela inclusão e pela disciplina que o esporte. 

Infelizmente a vida de poucos se transforma financeiramente através do esporte.

Somos um país rico onde o esporte é apenas tratado como ferramenta social, mas poderia ser bem mais que isso. O esporte poderia ser fonte de renda e de vida, proporcionando não só a inclusão mas também o enriquecimento moral, financeiro e cultural. Poderia ser o sustento de muitos brasileiros.

Infelizmente não temos políticas públicas para os esportes.

O Brasil poderia se tornar o líder mundial no ranking de qualquer esporte, conquistar o topo em qualquer competição,  afinal temos a maior diversidade étnica do mundo, as mais variadas e valiosas valências físicas para o esporte que quiséssemos, SE QUISÉSSEMOS.

Temos o negro,  o índio,  o asiático,  o branco,  o pardo, o europeu... tudo isso em um só povo! 

Enquanto todos países no mundo  dos esportes lutam para naturalizar um atleta de outra nacionalidade por suas características físicas e fisiológicas,  nós produzimos naturalmente pessoas com todas as características que qualquer modalidade precisa. E o que fazemos? ESTAMOS JOGANDO FORA.

Imagine que o esporte é um supermercado que contém diversos produtos das mais variadas seções de utilidade e a modalidade esportiva é o consumidor. Em alguns países lá fora o mercado só tem o azeite fino, em outro pais o mercado tem apenas a carne de qualidade, em outro mercado existe apenas o melhor vinho. 

NO BRASIL O MERCADO TEM TODOS OS PRODUTOS pra qualquer consumidor/modalidade. É só entrar, escolher, levar pra casa e preparar...o resultado seria o sucesso!!!

O Brasil poderia ter Brasileiros mais saudáveis,  independentes financeiramente,  culturalmente mais ricos.  A economia poderia ser movimentada pelo esporte, produção de aparelhos e equipamentos da melhor qualidade e abastecer todo o mundo. Países pagariam para aprender como o Brasil faz esporte, as principias empresas de produtos esportivos do mundo estariam aqui, os brasileiros do esporte ganhariam o mundo,  conquistariam medalhas, respeito,  liberdade, qualidade de vida. Se sustentariam do esporte saindo do seu país apenas para competir,  mas podendo treinar com qualidade e dignidade aqui em sua casa, perto de sua família. 

A educação trabalharia inevitavelmente em torno do esporte e movimentaria graduações,  cursos, pós graduações em cursos de negócios do esporte,  treinamento, recuperação física. 

A medicina e os seus profissionais seriam os melhores do mundo, os negócios em torno do esporte seriam uma das 3 maiores fontes de renda do país. 

Teríamos centenas de duzias de Medinas, Martas, Vanessas, Ricardos, Eduardos, klebertons, Giovanias, Cristinas. 

A expectativa de vida seria maior e melhor, o índice de criminalidade seria um dos mais baixos do mundo, teríamos mais cidadãos, se gastaria menos com saúde e programas de governo para casa própria,  alimentação e remédios.  Não importaríamos médicos,  exportaríamos! Não iríamos ao exterior comprar os melhores produtos para treinar,  compraríamos aqui e o mundo viria comprar aqui também. 

O preço dos produtos dentro do país seria muito mais barato desde comida até vestuário. Quem pagaria mais imposto seria quem está la fora e compraria daqui.

O brasileiro não movimentaria milhões na economia de outros países por comprar pela internet por lá fora ser mais barato. O mundo que movimentaria milhões e bilhões na economia do Brasil! Nossa, teríamos bons empregos aos milhares!

O poder aquisitivo sairia da mãos de uns poucos e seria distribuída nas mãos de uns milhares.

Seríamos sem dúvida um país rico, melhor, mais justo e de primeiro mundo.

Talvez por isso não se invista em esporte no Brasil. O esporte anda inevitavelmente ao lado da educação e do desenvolvimento moral e decisório do brasileiro.

A escravidão acabou, a ditadura também,  mas ainda somos escravos de uma cultura que beneficia poucos e acorrenta a maioria.

Nunca fomos livres e não sei se um dia seremos e é uma pena saber que poderíamos mudar o mundo de tantos brasileiros simplesmente através do esporte!

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

O futebol feminino parou, mais uma vez, o país do futebol masculino

Sexta-feira, dia 12 de agosto de 2016. 
Às 22 horas, a Seleção Brasileira de Futebol Feminino entraria em campo já sabendo que as seleções de França e EUA foram eliminadas por equipes consideradas azarões.
O Brasil, começou a tarde desta sexta sabendo que, caso passasse da seleção da Austrália, encararia o vencedor de EUA x Suécia. Logo, saber que a seleção americana havia sido eliminada e não teria a chance de ser nosso algoz nas semifinais já era um peso a menos nas costas de nossas atletas.
Iniciado às 22 horas, o jogo contra a Austrália foi uma mistura de tensão e responsabilidade, fatores que aparentemente pesaram muito e que geraram um nervosismo a cada minuto que se passava e a bola não entrava para que o placar ficasse à nosso favor.
No tempo normal, nada de gols. Então que venha a prorrogação!
Ela veio, com mais nervosismo e tensão ainda. Vale destacar que precisamos clonar a Formiga, pois essa jogadora é fora de série e ninguém joga como ela.
O jogo foi rolando, brasileiros…

Tabu ALTURA - Preconceito com goleiros e goleiras ou falta de visão?

Um tema tem sido frequentemente abordado no futebol, tanto no masculino quanto no feminino: Estatura dos goleiros.
Tem sido uma prática comum clubes dispensarem ou não darem a devida atenção a goleiros e goleiras considerados "baixos" para a posição sem que ao menos sejam analisadas algumas características que muitos destes possuem, mas que precisam ser trabalhadas. Um goleiro de 16 anos e 1,79m é considerado pequeno, assim como uma goleira que tem 18 anos e 1,70m por exemplo! E isso acontece com atletas de menor idade, como exigências de clubes de que goleiros devem ter 1,80m ou 1,90m com 13 anos!

E qual seria o problema: 
Preguiça associada a busca de um jogador ou jogadora prontos para o clube ganhar dinheiro "sem ter trabalho"? 
Ou a intromissão de cartolas que mal entendem sobre futebol e estão preocupados apenas com seus bolsos e seguem assim padrões de escolas internacionais, e por pouca inteligência neste quesito, perdem profissionais (goleiros e goleiras) q…

Pra chegar onde ninguém chegou é preciso fazer coisas que ninguém fez!

Pra chegar onde ninguém chegou é preciso fazer coisas que ninguém fez!

É preciso acreditar em você em seu sonho! É necessário ter foco!
O que diferencia o vencedor do perdedor é que o vencedor decidiu seguir em frente mesmo quando a vida lhe bateu com força e pareceu até lhe faltar chão. O vencedor caiu e levantou quantas vezes foi necessário e acreditou no seu potencial mesmo quando ninguém acreditava em seus objetivos.
É preciso saber onde se quer chegar e o que é preciso fazer para chegar até lá. 
O caminho não é fácil! A trajetória é cheia de obstáculos, mas é preciso seguir em frente, fazer ajustes no seu planejamento de como chegar até lá, mas nunca mudar seu foco. 
Eu sei o que quero, sei onde quero chegar e sei o que preciso fazer pra alcançar meus sonhos. 
As vezes é preciso estar acordado enquanto os demais dormem, é estar em casa estudando, indo a eventos e se atualizando enquanto muitos estão em festas e curtindo o fim de semana. É preciso abrir mão de muitas coisas para i…