Pular para o conteúdo principal

Marta se torna maior atleta da história do futebol, mas título não significa nada no Brasil

É chegada a hora do adeus

Olá amigos e amigas que há tanto tempo acompanham o blog e os textos publicados aqui e em minhas redes sociais.

Hoje venho lhes comunicar que não estarei mais dando continuidade neste trabalho em escrever sobre a modalidade Futebol Feminino.

Foram muitos anos de dedicação, estudo, pesquisa e esforço, mas é chegado um momento em minha vida no qual é preciso focar em prioridades maiores como minha vida pessoal e profissional.

Como bem sabem, o futebol feminino nunca me deu nada além de alguns bons amigos. Renunciei por anos a mim mesmo e a meu futuro pessoal e profissional, me esforçando e cobrindo gastos do próprio bolso para acompanhar jogos e competições, investir em projetos de futebol feminino, além de demandar tempo, muito tempo, para trazer informações e expor meu ponto de vista sobre muita coisa.

Me orgulho de tudo que fiz até aqui... mas é hora de dar tchau!

É então chegada a hora do adeus!

Foram cerca de 8 anos acompanhando a modalidade e 5 a 6 anos escrevendo sobre. Muitas amizades, muitos conhecidos, muitas lembranças, muitos problemas e cobranças, muitos elogios, muitas críticas pelas costas, muito aprendizado e muitas conclusões.

Poderia escrever um livro com tantas coisas passadas, que vi, ouvi, presenciei ou aprendi, mas quero ser "breve".

A mudança da modalidade depende do comportamento, das atitudes e pensamentos de pessoas que sabem o que é certo e o que é errado, mas preferem fazer o errado. Estão acostumadas porque sempre fizeram as coisas da forma mais fácil e mais cômoda.

Que meus textos tenham servido e, quem sabe, ainda possam servir para alguma coisa ajudando vocês nessa caminhada de alguma forma. Eles continuarão disponíveis para leitura e consulta de quem assim quiser.

Os amigos de verdade feitos ao longo da caminhada, permanecerão e quem quiser me encontrar ou contatar, sabe como me encontrar.

Agradeço a todos que apoiaram, criticaram, me ajudaram e até prejudicaram ao longo dessa caminhada, porque tudo que passei nos últimos anos me ajudou a amadurecer e me tornar uma pessoa melhor, com uma visão mais ampla e capaz de pensar mais e melhor sobre muitas coisas.

Quem me conhece sabe do meu caráter, e ele sempre foi o mesmo, e assim continuará inalterado com os valores e princípios que cresci graças a educação dada por meus pais. Caráter do qual muito me orgulho porque, ao londo dessa jornada, com tantas coisas que vivi, posso dormir com a cabeça tranquila todos os dias com a certeza de que fiz o melhor que pude, com as ferramentas que tinha e com o tempo e grana que foi possível.

Desisto de querer mudar um mundo e pessoas que não querem ser mudadas. Não posso nem devo obrigá-las a mudar e fazer o que pela lógica e soma dos fatores, seria o correto e o melhor para aquilo que sempre militei que é o crescimento da modalidade. 

Preciso cuidar de mim porque ninguém nunca cuidou e nem vai cuidar. Este é o grande ponto... cuidar de mim!

Hoje tenho maiores objetivos. Desisto de querer mudar o mundo e vou aplicar toda energia e foco que tinha com o futebol feminino para mudar a minha vida!

Muito obrigado e grande abraço a todos! Boa sorte!



Comentários

  1. Edu seus textos sempre foram uma luz no caminho da Flavinha. Quantas vezes conversamos sobre momentos decisivos dela onde seus pontos de vistas nos ajudaram tanto! Vai fazer falta! Muita falta! Mas se é pra seguir o seu caminho, a sua construção pessoal, que seja o melhor pra você! Obrigada por tudo que você nos trouxe! Bom caminho! Com Deus

    ResponderExcluir

Postar um comentário

Deixe seu comentário, opinião, dúvida ou sugestão! Um abraço, Edu Pontes!

Postagens mais visitadas deste blog

O futebol feminino parou, mais uma vez, o país do futebol masculino

Sexta-feira, dia 12 de agosto de 2016. 
Às 22 horas, a Seleção Brasileira de Futebol Feminino entraria em campo já sabendo que as seleções de França e EUA foram eliminadas por equipes consideradas azarões.
O Brasil, começou a tarde desta sexta sabendo que, caso passasse da seleção da Austrália, encararia o vencedor de EUA x Suécia. Logo, saber que a seleção americana havia sido eliminada e não teria a chance de ser nosso algoz nas semifinais já era um peso a menos nas costas de nossas atletas.
Iniciado às 22 horas, o jogo contra a Austrália foi uma mistura de tensão e responsabilidade, fatores que aparentemente pesaram muito e que geraram um nervosismo a cada minuto que se passava e a bola não entrava para que o placar ficasse à nosso favor.
No tempo normal, nada de gols. Então que venha a prorrogação!
Ela veio, com mais nervosismo e tensão ainda. Vale destacar que precisamos clonar a Formiga, pois essa jogadora é fora de série e ninguém joga como ela.
O jogo foi rolando, brasileiros…

Tabu ALTURA - Preconceito com goleiros e goleiras ou falta de visão?

Um tema tem sido frequentemente abordado no futebol, tanto no masculino quanto no feminino: Estatura dos goleiros.
Tem sido uma prática comum clubes dispensarem ou não darem a devida atenção a goleiros e goleiras considerados "baixos" para a posição sem que ao menos sejam analisadas algumas características que muitos destes possuem, mas que precisam ser trabalhadas. Um goleiro de 16 anos e 1,79m é considerado pequeno, assim como uma goleira que tem 18 anos e 1,70m por exemplo! E isso acontece com atletas de menor idade, como exigências de clubes de que goleiros devem ter 1,80m ou 1,90m com 13 anos!

E qual seria o problema: 
Preguiça associada a busca de um jogador ou jogadora prontos para o clube ganhar dinheiro "sem ter trabalho"? 
Ou a intromissão de cartolas que mal entendem sobre futebol e estão preocupados apenas com seus bolsos e seguem assim padrões de escolas internacionais, e por pouca inteligência neste quesito, perdem profissionais (goleiros e goleiras) q…

Pra chegar onde ninguém chegou é preciso fazer coisas que ninguém fez!

Pra chegar onde ninguém chegou é preciso fazer coisas que ninguém fez!

É preciso acreditar em você em seu sonho! É necessário ter foco!
O que diferencia o vencedor do perdedor é que o vencedor decidiu seguir em frente mesmo quando a vida lhe bateu com força e pareceu até lhe faltar chão. O vencedor caiu e levantou quantas vezes foi necessário e acreditou no seu potencial mesmo quando ninguém acreditava em seus objetivos.
É preciso saber onde se quer chegar e o que é preciso fazer para chegar até lá. 
O caminho não é fácil! A trajetória é cheia de obstáculos, mas é preciso seguir em frente, fazer ajustes no seu planejamento de como chegar até lá, mas nunca mudar seu foco. 
Eu sei o que quero, sei onde quero chegar e sei o que preciso fazer pra alcançar meus sonhos. 
As vezes é preciso estar acordado enquanto os demais dormem, é estar em casa estudando, indo a eventos e se atualizando enquanto muitos estão em festas e curtindo o fim de semana. É preciso abrir mão de muitas coisas para i…