Pular para o conteúdo principal

E o juiz apita o fim do jogo: Este blog chegou ao fim.

Futebol Feminino e o Profut: uma "solução" muito vaga

Me preocupa a aderência dos clubes ao PROFUT, apesar de não ter lido este com calma. 

O Profut conta com 111 clubes inscritos, e é uma espécie de refinanciamento de dívidas dos clubes em um prazo de até 20 anos (240 parcelas) e além do refinanciamento o Programa reduzirá as multas em 70% e os juros em 40%.

E nessa brincadeira o Futebol Feminino virou peça de trocam, e a intenção é boa, mas de nada adianta se clubes cederem apenas camisa e não investirem tempo, dinheiro e estrutura no projeto.

Eu, particularmente, acho que dizer que os clubes que aderem ao profut necessitam realizar uma manutenção de investimento mínimo na formação de atletas e no futebol feminino é muito vago.

O PROFUT pode até ser bom pro feminino, porém pode ser prejudicial também. Não sou eu apenas que acho isso. Atletas e pessoas do meio falam nos bastidores, mas ninguém tem voz ativa ou quer expor opinião, como de costume.

O PROFUT pode ajudar a: 
- quebrar estigmas e conceitos atrasados, 
- aproximar torcida, 
- aproximar a mídia.

Porém só funcionará se houver certa qualidade e consciência no trabalho apresentado para que resultados significativos sejam colhidos e alcançados. Caso contrário, "o feitiço vira contra o feiticeiro" e o futebol feminino poderá ter uma imagem que reforce ainda mais os pré-conceitos sobre mulher e futebol.

São necessários profissionais qualificados, projetos bem elaborados, visão, tino pra coisa.

O ideal seria que os clubes apresentassem projetos de médio /longo prazo tendo o mínimo de 3 anos de projeto e planejamento adulto e de base.

Algumas perguntas ficam sem resposta (e se pararmos com calma virão muitas mais):  

- Quantos por cento da renda anual dos clubes deverá ser investido (mínimo e máximo)?

- Qual o período de investimento: 1 ano, 3, 5, enquanto houver dívida?

- Formação de atletas e investimento nos moldes do que, lei Pelé?

Não é ser pessimista ou só falar mal... é pensar! É se preocupar com a coisa pra que ela aconteça da melhor maneira possível para a modalidade.

No fundo ainda acho, e com muita convicção, que é preciso parar de coitadismo e trabalhar o futebol feminino como produto, mostrar a qualidade, trabalhar seu potencial comercial, encher os olhos de quem assiste, fisgar investidores por ter um produto bom e deixar de ficar dependendo de favores, emendas, projetos e migalhas.

Profissionalismo e seriedade, pra ontem.

Se o produto for bom, não irá interessar qual é a camisa que aparece e aí as camisas conhecidas do futebol masculino que o povo implora que abrace nossa causa irão naturalmente procurar um espacinho pra entrar e poder associar sua marca à modalidade porque ela terá se mostrado um produto de qualidade.

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

O futebol feminino parou, mais uma vez, o país do futebol masculino

Sexta-feira, dia 12 de agosto de 2016. 
Às 22 horas, a Seleção Brasileira de Futebol Feminino entraria em campo já sabendo que as seleções de França e EUA foram eliminadas por equipes consideradas azarões.
O Brasil, começou a tarde desta sexta sabendo que, caso passasse da seleção da Austrália, encararia o vencedor de EUA x Suécia. Logo, saber que a seleção americana havia sido eliminada e não teria a chance de ser nosso algoz nas semifinais já era um peso a menos nas costas de nossas atletas.
Iniciado às 22 horas, o jogo contra a Austrália foi uma mistura de tensão e responsabilidade, fatores que aparentemente pesaram muito e que geraram um nervosismo a cada minuto que se passava e a bola não entrava para que o placar ficasse à nosso favor.
No tempo normal, nada de gols. Então que venha a prorrogação!
Ela veio, com mais nervosismo e tensão ainda. Vale destacar que precisamos clonar a Formiga, pois essa jogadora é fora de série e ninguém joga como ela.
O jogo foi rolando, brasileiros…

Pra chegar onde ninguém chegou é preciso fazer coisas que ninguém fez!

Pra chegar onde ninguém chegou é preciso fazer coisas que ninguém fez!

É preciso acreditar em você em seu sonho! É necessário ter foco!
O que diferencia o vencedor do perdedor é que o vencedor decidiu seguir em frente mesmo quando a vida lhe bateu com força e pareceu até lhe faltar chão. O vencedor caiu e levantou quantas vezes foi necessário e acreditou no seu potencial mesmo quando ninguém acreditava em seus objetivos.
É preciso saber onde se quer chegar e o que é preciso fazer para chegar até lá. 
O caminho não é fácil! A trajetória é cheia de obstáculos, mas é preciso seguir em frente, fazer ajustes no seu planejamento de como chegar até lá, mas nunca mudar seu foco. 
Eu sei o que quero, sei onde quero chegar e sei o que preciso fazer pra alcançar meus sonhos. 
As vezes é preciso estar acordado enquanto os demais dormem, é estar em casa estudando, indo a eventos e se atualizando enquanto muitos estão em festas e curtindo o fim de semana. É preciso abrir mão de muitas coisas para i…

Tabu ALTURA - Preconceito com goleiros e goleiras ou falta de visão?

Um tema tem sido frequentemente abordado no futebol, tanto no masculino quanto no feminino: Estatura dos goleiros.
Tem sido uma prática comum clubes dispensarem ou não darem a devida atenção a goleiros e goleiras considerados "baixos" para a posição sem que ao menos sejam analisadas algumas características que muitos destes possuem, mas que precisam ser trabalhadas. Um goleiro de 16 anos e 1,79m é considerado pequeno, assim como uma goleira que tem 18 anos e 1,70m por exemplo! E isso acontece com atletas de menor idade, como exigências de clubes de que goleiros devem ter 1,80m ou 1,90m com 13 anos!

E qual seria o problema: 
Preguiça associada a busca de um jogador ou jogadora prontos para o clube ganhar dinheiro "sem ter trabalho"? 
Ou a intromissão de cartolas que mal entendem sobre futebol e estão preocupados apenas com seus bolsos e seguem assim padrões de escolas internacionais, e por pouca inteligência neste quesito, perdem profissionais (goleiros e goleiras) q…