Pular para o conteúdo principal

E o juiz apita o fim do jogo: Este blog chegou ao fim.

FIFA diz que 45 milhões de mulheres vão jogar futebol em 2019. E como estará o Brasil?

A Federação Internacional de Futebol (FIFA) estima que em 2019, ano de Mundial feminino, que 45 milhões de mulheres e crianças do sexo feminino estejam ativamente envolvidas no jogo. 

A previsão foi informada pela diretora do desenvolvimento do futebol feminino na FIFA, Mayi Cruz Blanco, justificando que "uma das principais prioridades" é o crescimento do futebol feminino no mundo.

Mayi disse que, "uma parte crucial nas reformas da FIFA é a determinação em assegurar que cada criança e mulher tenham a oportunidade de ser participantes ativas no futebol". 

A FIFA, presidida pelo suíço Gianni Infantino, revelou também que o último ano teve um registo recorde de 130 federações a beneficiarem de programas de desenvolvimento para o futebol feminino, além da realização de 451 atividades na área. "Em 2008, apenas 22 federações tinham integrado iniciativas", acrescentou a responsável, mostrando que, comparativamente, 2015 teve um "forte crescimento" no setor.


Baseado nisso, algumas perguntas ficam: 

1- E COMO ESTARÁ O FUTEBOL FEMININO NO BRASIL EM 2019? 

2- Qual o planejamento da modalidade para os próximos 20 anos?
3- Quem vai investir e desenvolver a modalidade? 
4- Ministério do Esporte e CBF se entenderão sobre o futebol feminino?
5- ou Cada entidade fará sua parte de forma individual sem analisar se seu trabalho auxiliará e amplificará o trabalho do outro?
6- O ministério do esporte, o da educação, o CONFEF, CREF e CREs (Conselho Federal de Educação Física, Conselhos Regionais de Educação Física, Conselhos Regionais de Educação) serão acionadas para que a escola se torne uma das responsáveis pela iniciação esportiva de meninos e meninas?
7- Como faremos para desenvolver atletas de base de qualidade daqui para 2026 (10 anos)?
8- O Futebol feminino irá conquistar espaço e realmente se destacar por qualidade e de forma consciente e responsável aproveitar o espaço de TV/Mídia?
9- Como ficarão os direitos trabalhistas no futebol feminino daqui a 10 anos?
10- Qual a estrutura básica obrigatória aos clubes formadores de futebol feminino?
11- Clubes terão divulgação de transparência em seus sites sobre ganhos e gastos?
12- A observação de atletas será feita em clubes de todo país e também fora do país?
13- As convocações ocorrerão por mérito dentro das observações?
14- As seleções adultas e de base trabalharão de forma integrada a todos os clubes do Brasil com diretrizes básicas?
15- Treinadores e preparadores de clubes terão opções de cursos de formação/desenvolvimento para desenvolverem melhor seus trabalhos e suas atletas?
16- As seleções continuarão tendo que fazer o trabalho básico de desenvolvimento de fundamentos e condicionamento físico em atletas convocadas em todas as categorias?
17- O que será feito para que o trabalho dos clubes seja melhor e assim o nível do futebol feminino melhore?
18- Membros de comissões técnicas de clubes serão convocados para acompanhar uma semana de trabalho das seleções de suas respectivas categorias?

Essas e muitas outras perguntas precisam ser respondidas para realmente sabermos qual será o futuro da modalidade aqui no "país do futebol". Hoje não existe uma perspectiva de longo prazo nem planejamento da modalidade como um todo.

Torcemos e queremos o melhor para o esporte, seus praticantes e as pessoas que tentam viver da modalidade no país, mas precisamos responder e criar soluções para questionamentos para que o futuro, de médio para longo prazo, seja melhor.

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

O futebol feminino parou, mais uma vez, o país do futebol masculino

Sexta-feira, dia 12 de agosto de 2016. 
Às 22 horas, a Seleção Brasileira de Futebol Feminino entraria em campo já sabendo que as seleções de França e EUA foram eliminadas por equipes consideradas azarões.
O Brasil, começou a tarde desta sexta sabendo que, caso passasse da seleção da Austrália, encararia o vencedor de EUA x Suécia. Logo, saber que a seleção americana havia sido eliminada e não teria a chance de ser nosso algoz nas semifinais já era um peso a menos nas costas de nossas atletas.
Iniciado às 22 horas, o jogo contra a Austrália foi uma mistura de tensão e responsabilidade, fatores que aparentemente pesaram muito e que geraram um nervosismo a cada minuto que se passava e a bola não entrava para que o placar ficasse à nosso favor.
No tempo normal, nada de gols. Então que venha a prorrogação!
Ela veio, com mais nervosismo e tensão ainda. Vale destacar que precisamos clonar a Formiga, pois essa jogadora é fora de série e ninguém joga como ela.
O jogo foi rolando, brasileiros…

Pra chegar onde ninguém chegou é preciso fazer coisas que ninguém fez!

Pra chegar onde ninguém chegou é preciso fazer coisas que ninguém fez!

É preciso acreditar em você em seu sonho! É necessário ter foco!
O que diferencia o vencedor do perdedor é que o vencedor decidiu seguir em frente mesmo quando a vida lhe bateu com força e pareceu até lhe faltar chão. O vencedor caiu e levantou quantas vezes foi necessário e acreditou no seu potencial mesmo quando ninguém acreditava em seus objetivos.
É preciso saber onde se quer chegar e o que é preciso fazer para chegar até lá. 
O caminho não é fácil! A trajetória é cheia de obstáculos, mas é preciso seguir em frente, fazer ajustes no seu planejamento de como chegar até lá, mas nunca mudar seu foco. 
Eu sei o que quero, sei onde quero chegar e sei o que preciso fazer pra alcançar meus sonhos. 
As vezes é preciso estar acordado enquanto os demais dormem, é estar em casa estudando, indo a eventos e se atualizando enquanto muitos estão em festas e curtindo o fim de semana. É preciso abrir mão de muitas coisas para i…

Tabu ALTURA - Preconceito com goleiros e goleiras ou falta de visão?

Um tema tem sido frequentemente abordado no futebol, tanto no masculino quanto no feminino: Estatura dos goleiros.
Tem sido uma prática comum clubes dispensarem ou não darem a devida atenção a goleiros e goleiras considerados "baixos" para a posição sem que ao menos sejam analisadas algumas características que muitos destes possuem, mas que precisam ser trabalhadas. Um goleiro de 16 anos e 1,79m é considerado pequeno, assim como uma goleira que tem 18 anos e 1,70m por exemplo! E isso acontece com atletas de menor idade, como exigências de clubes de que goleiros devem ter 1,80m ou 1,90m com 13 anos!

E qual seria o problema: 
Preguiça associada a busca de um jogador ou jogadora prontos para o clube ganhar dinheiro "sem ter trabalho"? 
Ou a intromissão de cartolas que mal entendem sobre futebol e estão preocupados apenas com seus bolsos e seguem assim padrões de escolas internacionais, e por pouca inteligência neste quesito, perdem profissionais (goleiros e goleiras) q…