Pular para o conteúdo principal

O futebol feminino é muito parecido com muitas empresas.


O futebol feminino é muito parecido com muitas empresas. 

No mundo empresarial, algumas instituições prosperam enquanto outras lutam apenas para sobreviver no mundo dos negócios. Outras acabam decretando falência, fechando portas ou fazendo fusões para se manter ativas, mesmo que isso se torne um ciclo vicioso onde a sustentabilidade da empresa nunca é alcançada.


Essa é a dança do mercado onde os fortes, espertos e bem administrados prosperam e os outros são apenas os outros.




Pontos comuns em empresas que não crescem: 

- Aquele que aponta os problemas é o reativo ou o negativo da empresa e não é bem quisto;
- Todo mundo sabe onde estão os problemas, mas todos fazem de conta que eles não existem, e mascaram ou inibem indicadores;
- Muitos pensam que o importante não é solucionar problemas que auxiliem no crescimento da empresa e sim que, importante é estar empregado e ganhando dinheiro (mesmo que pouco)... "melhorias, progresso, isso não é um problema meu!";
- As pessoas querem soluções mas nunca apresentam idéias, mas querem que outras pessoas apresentem essas soluções;
- Quem apresenta soluções é taxado como o que quer aparecer e a opinião dos outros é de que as idéias nunca são boas, já foram apresentadas (e ninguém nunca se mexeu pra tentar) ou nunca darão certo;
- Ajudar outras pessoas, se unir a equipes/setores pra resolver coisas? Nunca! Cada um no seu quadrado e meu dinheiro na conta, por favor!.

O que poucas pessoas entendem é que:

- Não reconhecer os erros e problemas, torna impossível resolver qualquer problema;
- Não resolver problema não permite crescimento;
- Acomodar-se e não pensar no futuro "da empresa", não apresentar soluções, criticar qualquer atitude ou iniciativa que vise mudança e não unir forças com outras "equipes" e pessoas são exatamente os pontos que levam grandes marcas ao fracasso e à perda de valor de mercado.

Se a empresa não cresce, perde ou não agrega nenhum valor comercial, não aumenta ou perde força de sua imagem, ela não vai prosperar.

No máximo será uma empresa mediana que luta para se manter no mercado e nunca para ser líder de segmento.

O Futebol Feminino luta há mais de 30 anos por espaço, crescimento, mudança, melhorias... e por acaso não prospera e não é autossustentável. Vive de migalhas e dependendo sempre de ajudas externas porque não tem força própria para se vender e ser lucrativo sozinho.

Este é um caso clássico de má administração e gestão ineficiente!

Mas, como de costume, esse é apenas o meu ponto de vista!

Comentários