Pular para o conteúdo principal

E o juiz apita o fim do jogo: Este blog chegou ao fim.

Futebol Feminino: O que virá depois da carreira de Atleta?

Não é de hoje que venho pensando na importância do estudo e da preocupação com o durante e o depois da carreira de atleta. 

O futebol feminino no Brasil não oferece muito, mas é importante que as atletas tentem ao máximo retirar dos clubes aquilo que puderem!

Aproveitem suas carreiras e tentem cobrar de seus clubes oportunidades de estudo. Um salário mais "gordo" (se é que existe isso na modalidade) é atraente, porém mais importante que isso pode ser um salário modesto e uma bolsa de estudos para cursar uma faculdade de modo gratuito.

Parem e pensem: após a carreira de atleta, o que virá? 

Infelizmente a modalidade não lhe dá estabilidade e futuro financeiro garantido no dia em que você encostar suas chuteiras.

Claro que quem atua fora do país tem a oportunidade de ganhar um pouco mais e precisa também ter cabeça para saber investir aquilo que ganha para que se transforme em algo próprio, seu, quando chegar o dia de parar de jogar. Mas claro, que dadas as devidas proporções, é possível guadar uma graninha jogando no Brasil e se não for possível guardar, é possível estudar!

Futebol Feminino raramente dá carteira assinada, paga de forma equiparada à estrutura que possui, que é pouca!

Poder ter uma roupa nova é bacana! Ter um carro, curtir a vida com viagens, festas, tudo é bacana! Mas desde que seja feito com muita moderação!
Estudar é um dos maiores investimentos que uma atleta pode fazer pensando no seu pós carreira!


Lembrem-se que em 20 anos de futebol dificilmente vocês terão carteira assinada, recolhimento de INSS, Fundo de garantia, então a garantia para viver com dignidade será por meio do que você guardar e do que seus estudos lhe proporcionarão!

Não espere o fim da carreira para buscar  a chance de estudar, assim como não espere o fim da carreira para PAGAR SUA AUTONOMIA! 

A Marina Toscano Aggio (minha esposa) é um dos exemplos de atleta que aproveitou a chance que o futebol lhe ofereceu para estudar. Se graduou e pós-graduou através do futebol e ainda jogando, mas dessa vez com seus recursos, iniciou e concluiu seu mestrado. 

Ela, em 20 anos, nunca teve carteira assinada. Se não tivesse estudado, qual profissão teria hoje? Qual seriam seus planos de futuro? Não sei dizer, mas com certeza seriam limitados!

Conciliar estudos e futebol não é fácil, mas é possível!

Acredito até que os clubes de futebol feminino deveriam oferecer bolsas de estudos, no mínimo, a 30% do seu elenco. 

Acredito que os clubes também deveriam falar mais sobre futuro, carreira,  pagamento de INSS (Autonomia), mas já que não fazem, cabe a vocês atletas, se preocuparem com qual futuro querem pra vocês!


Que observemos alguns outros exemplos que temos como Isabela Vieira, ex- atleta, formada fisioterapeuta através do futebol, Priscila Rosseti e Daiane Bagé, empreendedoras que abriram seus negócios pensando no futuro e em aplicar seu dinheiro, Fabiane Nascimento, da academia F4 Fitness que estudou e abriu seu negócio com ajuda do que o feminino lhe ofereceu, dentre algumas outras atletas que aproveitaram o que o futebol feminino lhes deu para que o pós carreira fosse mais tranquilo.

Aproveite para estudar, aproveite para investir seu dinheiro! Depois que seu tempo no futebol feminino acabar, infelizmente não queira ficar vivendo apenas de passado e de seu nome, que aos poucos será esquecido pelo "país do futebol"!

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

O futebol feminino parou, mais uma vez, o país do futebol masculino

Sexta-feira, dia 12 de agosto de 2016. 
Às 22 horas, a Seleção Brasileira de Futebol Feminino entraria em campo já sabendo que as seleções de França e EUA foram eliminadas por equipes consideradas azarões.
O Brasil, começou a tarde desta sexta sabendo que, caso passasse da seleção da Austrália, encararia o vencedor de EUA x Suécia. Logo, saber que a seleção americana havia sido eliminada e não teria a chance de ser nosso algoz nas semifinais já era um peso a menos nas costas de nossas atletas.
Iniciado às 22 horas, o jogo contra a Austrália foi uma mistura de tensão e responsabilidade, fatores que aparentemente pesaram muito e que geraram um nervosismo a cada minuto que se passava e a bola não entrava para que o placar ficasse à nosso favor.
No tempo normal, nada de gols. Então que venha a prorrogação!
Ela veio, com mais nervosismo e tensão ainda. Vale destacar que precisamos clonar a Formiga, pois essa jogadora é fora de série e ninguém joga como ela.
O jogo foi rolando, brasileiros…

Pra chegar onde ninguém chegou é preciso fazer coisas que ninguém fez!

Pra chegar onde ninguém chegou é preciso fazer coisas que ninguém fez!

É preciso acreditar em você em seu sonho! É necessário ter foco!
O que diferencia o vencedor do perdedor é que o vencedor decidiu seguir em frente mesmo quando a vida lhe bateu com força e pareceu até lhe faltar chão. O vencedor caiu e levantou quantas vezes foi necessário e acreditou no seu potencial mesmo quando ninguém acreditava em seus objetivos.
É preciso saber onde se quer chegar e o que é preciso fazer para chegar até lá. 
O caminho não é fácil! A trajetória é cheia de obstáculos, mas é preciso seguir em frente, fazer ajustes no seu planejamento de como chegar até lá, mas nunca mudar seu foco. 
Eu sei o que quero, sei onde quero chegar e sei o que preciso fazer pra alcançar meus sonhos. 
As vezes é preciso estar acordado enquanto os demais dormem, é estar em casa estudando, indo a eventos e se atualizando enquanto muitos estão em festas e curtindo o fim de semana. É preciso abrir mão de muitas coisas para i…

Tabu ALTURA - Preconceito com goleiros e goleiras ou falta de visão?

Um tema tem sido frequentemente abordado no futebol, tanto no masculino quanto no feminino: Estatura dos goleiros.
Tem sido uma prática comum clubes dispensarem ou não darem a devida atenção a goleiros e goleiras considerados "baixos" para a posição sem que ao menos sejam analisadas algumas características que muitos destes possuem, mas que precisam ser trabalhadas. Um goleiro de 16 anos e 1,79m é considerado pequeno, assim como uma goleira que tem 18 anos e 1,70m por exemplo! E isso acontece com atletas de menor idade, como exigências de clubes de que goleiros devem ter 1,80m ou 1,90m com 13 anos!

E qual seria o problema: 
Preguiça associada a busca de um jogador ou jogadora prontos para o clube ganhar dinheiro "sem ter trabalho"? 
Ou a intromissão de cartolas que mal entendem sobre futebol e estão preocupados apenas com seus bolsos e seguem assim padrões de escolas internacionais, e por pouca inteligência neste quesito, perdem profissionais (goleiros e goleiras) q…