Pular para o conteúdo principal

Brasileirão Feminino com mais clubes, criação da Série C (A3), volta da Copa do Brasil e direitos trabalhistas

A partir de 2019 os clubes de futebol masculino que tiverem a pretensão de disputar a Copa Sul Americana e a Libertadores da América precisarão ter equipes de Futebol Feminino.

A notícia é antiga e a abordagem também, mas não podemos deixar de falar sobre isso.

Com a aproximação dessa "obrigatoriedade" não há como não pensar nos desdobramentos positivos e negativos que isso pode trazer ao futebol feminino nacional.

Os pontos positivos ou negativos dependem, basicamente, da forma como quem gerencia a modalidade ou as competições nacionais femininas, pensa e age referente à modalidade.

FUTEBOL FEMININO INFLADO E MAL PENSADO PODE CAUSAR INJUSTIÇAS

Se a partir do ano de 2018 os clubes brasileiros com equipes masculinas, que estão hoje na zona de Libertadores e Copa Sul Americana fossem obrigados a ter equipes femininas teríamos a presença de, ao menos, mais 13 times no Brasileirão Feminino.


Da forma como hoje é feito (clubes masculinos que tem ou que montam equipes femininas tem prioridade pela vaga na competição feminina) podemos concluir que 13 times de tradição do futebol feminino ficariam fora da série A1, sendo provavelmente "deslocados" para a série A2.

Por esta lógica a consequência natural seria de que 13 clubes femininos que disputam a série A2 fossem substituídos pelos que estavam na série A1 e então não teriam vaga para disputar o brasileiro feminino na temporada.

Esse talvez seja um dos pontos mais preocupantes. Desde o lançamento do Brasileiro Feminino em 2013 pelo Ministério do Esporte não existiu preocupação sobre a forma de ingresso facilitada e prejudicial que a entrada dos clubes masculinos pode ter no cenário feminino uma vez que não há critérios. Critérios esses que foram cobrados durante 3 anos pelo grupo de desenvolvimento de futebol feminino do próprio Ministério do Esporte, porém que nunca foram levados em consideração.

Não podemos ignorar a força e luta de clubes de tradição da modalidade que mantiveram o futebol feminino brasileiro vivo durante décadas até os dias de hoje.

DEFINIÇÃO DE CRITÉRIOS,  NOVAS COMPETIÇÕES, VOLTA DA COPA DO BRASIL E CRIAÇÃO DA SÉRIE C (A3)

Já pensando à frente, sem dúvida será preciso analisar e aplicar novos critérios para definir a participação dos times masculinos no Brasileirão Feminino.  Uma das opções e criar "pesos" em determinados aspectos que somarão pontos para o clube e definirão quem terá pontuação para estar na série A1, A2 e A3 (hoje ainda não existe a série C - A3) do feminino.

Clubes do futebol feminino com mais tempo de atuação na modalidade, com anos de disputas de estaduais, títulos estaduais, e equipes de base teriam pontuação diferenciada para esse "ranqueamento". Dessa forma a tradição seria mantida e os clubes masculinos,  precisariam verdadeiramente se preocupar com a fomentação da modalidade para então ter direito a disputar a série A do feminino.

Esse tipo de ação proporcionaria justiça aos clubes femininos e também proporcionaria melhor nível e participação nos campeonatos estaduais, promovendo real evolução da modalidade em todos, ou grande parte, dos Estados do Brasil.

A volta da Copa do Brasil e criação de uma série C ou de competições regionalizadas que dessem acesso ao Brasileirão Feminino também são opções, mas ainda assim seria necessário também pensar em um brasileiro feminino com mais equipes participantes em cada série.

PONTOS POSITIVOS DA OBRIGATORIEDADE AOS CLUBES MASCULINOS

A obrigatoriedade também tem pontos positivos, desde que ocorra preocupação e foco em desenvolver a modalidade e alguns quesitos.

Vale ressaltar que desde que o Brasileirão Feminino foi relançado em 2013, não foi feito nenhuma ação ou plano de marketing visível/palpável, ou houve preocupação em tornar o futebol feminino um produto e geri-lo como tal, onde a competição ajudou sim no crescimento da modalidade, porém de forma extremamente tímida e onde a competição não alcançou seu objetivo básico por falta de planejamento adequado.

Claramente o pensamento é limitado quando o assunto é futebol das mulheres no Brasil, porque a questão cultural/machismo atrapalha, mas é evidente que quando o assunto é o feminino, tudo fica bem mais difícil nas justificativas dos gestores brasileiros.

A obrigatoriedade dos times de futebol feminino, se planejada e pensada, pode trazer benefícios. Alguns deles são:

  • Aumento dos clubes de futebol feminino no Brasil;
  • Massificação da modalidade;
  • Oportunidade de prática de futebol feminino em todo território nacional, fazendo com que não haja necessidade de que meninas saiam de seus estados para tornar real o sonho de jogar futebol;
  • Maior desenvolvimento e evolução do esporte e consequentemente melhora do material humano para Seleções adultas e de base femininas;
  • Transformação do futebol feminino em negócio com desenvolvimento de planos de marketing, licenciamento de produtos, aumento do patrocínios e exploração de uma nova fatia de mercado que hoje não é explorada;
  • Evolução salarial e de direitos trabalhistas no futebol feminino tornando possível viver ao invés de apenas sobreviver do esporte;
  • Possibilidade de aproximação com Secretarias de políticas públicas, governos estaduais e federal para desenvolvimento de projetos com a finalidade de diminuir a violência cultural,  simbólica e todo tipo de violência e preconceito contra a mulher no esporte e na sociedade.
Então, vamos torcer para que os pontos positivos sejam trabalhados de forma a beneficiar a modalidade e que os pontos que podem ser negativos também sejam pensados e contornados para que no fim o futebol feminino e também as questões de gênero que envolvem mulheres no esporte e na sociedade brasileira sejam os reais vencedores.

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

O futebol feminino parou, mais uma vez, o país do futebol masculino

Sexta-feira, dia 12 de agosto de 2016. 
Às 22 horas, a Seleção Brasileira de Futebol Feminino entraria em campo já sabendo que as seleções de França e EUA foram eliminadas por equipes consideradas azarões.
O Brasil, começou a tarde desta sexta sabendo que, caso passasse da seleção da Austrália, encararia o vencedor de EUA x Suécia. Logo, saber que a seleção americana havia sido eliminada e não teria a chance de ser nosso algoz nas semifinais já era um peso a menos nas costas de nossas atletas.
Iniciado às 22 horas, o jogo contra a Austrália foi uma mistura de tensão e responsabilidade, fatores que aparentemente pesaram muito e que geraram um nervosismo a cada minuto que se passava e a bola não entrava para que o placar ficasse à nosso favor.
No tempo normal, nada de gols. Então que venha a prorrogação!
Ela veio, com mais nervosismo e tensão ainda. Vale destacar que precisamos clonar a Formiga, pois essa jogadora é fora de série e ninguém joga como ela.
O jogo foi rolando, brasileiros…

Pra chegar onde ninguém chegou é preciso fazer coisas que ninguém fez!

Pra chegar onde ninguém chegou é preciso fazer coisas que ninguém fez!

É preciso acreditar em você em seu sonho! É necessário ter foco!
O que diferencia o vencedor do perdedor é que o vencedor decidiu seguir em frente mesmo quando a vida lhe bateu com força e pareceu até lhe faltar chão. O vencedor caiu e levantou quantas vezes foi necessário e acreditou no seu potencial mesmo quando ninguém acreditava em seus objetivos.
É preciso saber onde se quer chegar e o que é preciso fazer para chegar até lá. 
O caminho não é fácil! A trajetória é cheia de obstáculos, mas é preciso seguir em frente, fazer ajustes no seu planejamento de como chegar até lá, mas nunca mudar seu foco. 
Eu sei o que quero, sei onde quero chegar e sei o que preciso fazer pra alcançar meus sonhos. 
As vezes é preciso estar acordado enquanto os demais dormem, é estar em casa estudando, indo a eventos e se atualizando enquanto muitos estão em festas e curtindo o fim de semana. É preciso abrir mão de muitas coisas para i…

Tabu ALTURA - Preconceito com goleiros e goleiras ou falta de visão?

Um tema tem sido frequentemente abordado no futebol, tanto no masculino quanto no feminino: Estatura dos goleiros.
Tem sido uma prática comum clubes dispensarem ou não darem a devida atenção a goleiros e goleiras considerados "baixos" para a posição sem que ao menos sejam analisadas algumas características que muitos destes possuem, mas que precisam ser trabalhadas. Um goleiro de 16 anos e 1,79m é considerado pequeno, assim como uma goleira que tem 18 anos e 1,70m por exemplo! E isso acontece com atletas de menor idade, como exigências de clubes de que goleiros devem ter 1,80m ou 1,90m com 13 anos!

E qual seria o problema: 
Preguiça associada a busca de um jogador ou jogadora prontos para o clube ganhar dinheiro "sem ter trabalho"? 
Ou a intromissão de cartolas que mal entendem sobre futebol e estão preocupados apenas com seus bolsos e seguem assim padrões de escolas internacionais, e por pouca inteligência neste quesito, perdem profissionais (goleiros e goleiras) q…