Pular para o conteúdo principal

Postagens

Mostrando postagens de Dezembro, 2017

Com tantos patrocinadores como times de futebol não conseguem manter o tão barato Futebol Feminino?

É muito comum ouvirmos que o futebol feminino não dá dinheiro e que os clubes não tem condições de arcar com tais custos de montar e manter uma equipe.
Essas declarações beiram o absurdo, uma vez que os clubes recebem grandes quantias em patrocínio e direitos de TV, além de sabermos que se clubes abrirem mão de contratar um jogador de "nível C" para o time masculino facilmente terá dinheiro de sobra para investir no futebol feminino se formos pensar nos salários, premiações, luvas e direito de imagem que um jogador ruim costuma receber nos mais variados time do futebol brasileiro.
Os clubes de futebol, assim como a CBF, poderiam facilmente ter recursos para o futebol feminino se quisessem. Para isso bastaria que essas instituições  (clubes e Confederação) definissem quanto dos valores que recebem de patrocínios e direitos de imagem seria destinado ao departamento de futebol feminino, lembrando que o futebol das mulheres precisa de pouco para manutenção e obtenção de express…

2018 - um ano promissor para o Futebol Feminino no Brasil

2018 pode ser um ano de estruturação e mudanças para o futebol feminino brasileiro e quem pode ganhar com isso são as atletas.
A cada ano que passa e cada novidade que aparece o futebol feminino e suas praticantes se enchem de esperança por estruturas melhores e maior reconhecimento. 
Algumas questões ainda demonstram claramente que o nosso futebol não evoluiu ou caminha lentamente e isso pode ser confirmado com o simples fato de que em pleno ano de 2017, caminhando para 2018, muitas meninas ainda não conseguem jogar futebol em seus estados e cidades Brasil à fora.
A modalidade ainda se restringe à alguns pequenos "polos" para onde meninas precisam migrar caso queiram ter ao menos uma chance um pouco melhor de ser vista ou descoberta pelo nosso mundo da bola.
Com a mudança no sistema de registro de transferência de atletas a partir de janeiro de 2018 e com as exigências da CONMEBOL para que os clubes que visam disputar a Copa Sulamericana ou Libertadores da América precisem…

Clube aplicará dinheiro do masculino para o Futebol Feminino e negocia outras questões com patrocinadores e direitos de TV

Imagine só:
"Um clube de futebol enorme tradição definiu multas ao seu time profissional masculino em uma série de situações onde faltas, atrasos, indisciplina, cartões e ações que consideradas prejudiciais à equipe irão resultar em multas de até 25% no salário dos atletas e comissão técnica de acordo com gravidade e reincidência dos casos, que podem até gerar demissões de atletas e pagamento da multa contratual pela rescisão em casos extremos.
Dirigentes do clube informaram que esses valores serão convertidos para o Departamento de Futebol Feminino (DFF) do clube para investimento em futebol feminino profissional e futebol feminino de base.
A ideia revolucionária no mundo do futebol não é a única tomada pelo clube que também negocia aporte de cada patrocinador do cube ao futebol feminino onde se espera ter um valor de 700 mil a um milhão e duzentos mil por ano para o Departamento de Futebol Feminino onde haverão ações de marketing envolvendo as partes e inovações no meio e nas ex…