Pular para o conteúdo principal

Marta se torna maior atleta da história do futebol, mas título não significa nada no Brasil

Com tantos patrocinadores como times de futebol não conseguem manter o tão barato Futebol Feminino?

Imagem meramente ilustrativa
É muito comum ouvirmos que o futebol feminino não dá dinheiro e que os clubes não tem condições de arcar com tais custos de montar e manter uma equipe.

Essas declarações beiram o absurdo, uma vez que os clubes recebem grandes quantias em patrocínio e direitos de TV, além de sabermos que se clubes abrirem mão de contratar um jogador de "nível C" para o time masculino facilmente terá dinheiro de sobra para investir no futebol feminino se formos pensar nos salários, premiações, luvas e direito de imagem que um jogador ruim costuma receber nos mais variados time do futebol brasileiro.

Os clubes de futebol, assim como a CBF, poderiam facilmente ter recursos para o futebol feminino se quisessem. Para isso bastaria que essas instituições  (clubes e Confederação) definissem quanto dos valores que recebem de patrocínios e direitos de imagem seria destinado ao departamento de futebol feminino, lembrando que o futebol das mulheres precisa de pouco para manutenção e obtenção de expressivos resultados, se comparado ao investimento necessário ao futebol masculino.

Um time feminino com custo de um milhão de reais por ano é capaz de figurar facilmente entre as principais equipes do país, chegar a finais, conquistar títulos, disputar e ganhar uma Copa Libertadores, ter jogadoras na seleção e alguns outros fatores que fazem com que o retorno em visibilidade/exposição seja muito mais rápido e mais barato (comparando o valor investido) do que o do time masculino do mesmo clube.

Claro que, para ter maior retorno financeiro e de exposição da marca/clube, cabe ao mesmo planejar ações de marketing que dêem ainda mais expressão à sua equipe feminina, aproxime a modalidade e publico/torcida/consumidores e crie uma imagem forte que vai gerar retorno tanto em curto como em médio e longo prazo.

Se os clubes quisessem realmente manter equipes femininas eles fariam com muita facilidade. Infelizmente sabemos da má vontade e preconceito de muitos clubes e seus dirigentes e também das federações, que aqui iremos chamar, por enquanto, de preguiça.

Se a desculpa for aquela da insegurança jurídica, basta o clube pegar seu departamento jurídico e fazer contratos de prestação de serviço desportivo e seguir todo trâmite legal para assegurar direitos das atletas e do clube,  impedindo assim aquelas migrações repentinas de atletas pro clube que paga mais ou evitando casos comuns de clubes que param de pagar do nada e fica por isso mesmo prejudicando atletas. Inclusive, a partir de 2018 fica ainda melhor para os clubes com a mudança no sistema de registro e transferência de atletas do futebol feminino porque clubes passam a receber pelas transferências desde que tenham contratos devidamente assinados, o que já será uma desculpa esfarrapada a menos a partir do ano que vem.

Se o problema é aquela sempre suposta e alegada falta de grana, basta estipular contratualmente com seus patrocinadores que 1 ou 2 por cento do valor total de cada patrocínio ao clube será destinado ao departamento de futebol feminino, bem como se pode estipular com o fornecedor de material esportivo cotas de material que serão destinadas unica, exclusivamente e com sobra ao futebol feminino. Lembrando que alguns patrocinadores principais(master) pagam de 4 a 30 milhões aos clubes de futebol brasileiro.

Ah, e se os patrocinadores não quiserem? Então vá atrás de outros patrocinadores que queiram, afinal existem centenas e milhares de marcas e empresas de produtos voltados para a mulher que podem ser contatadas e virem a se tornar patrocinadoras da equipe feminina.

Lembrando que o ideal ao futebol feminino é a existência do departamento de futebol feminino nos clubes e na confederação que sejam autônomos, recebendo e controlando toda sua própria questão organizacional e financeira para que o dinheiro não ganhe outra finalidade dentro das instituições.

O problema, meus caros, não é a falta de dinheiro!

Não precisa pensar muito para enxergar oportunidades e soluções que ajudariam facilmente a manter departamentos de futebol feminino nos clubes.

Seja nos clubes ou na Seleção,  equipes teriam dinheiro para o que quisessem fazer se os seus dirigentes realmente quisesse fazer e desenvolver o futebol feminino.

Vamos ver até quando irão durar as desculpas, porquê se não se trata de má vontade ou de falta de criatividade, possivelmente estamos falando de falta de competência e compromisso com o futebol feminino.

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

O futebol feminino parou, mais uma vez, o país do futebol masculino

Sexta-feira, dia 12 de agosto de 2016. 
Às 22 horas, a Seleção Brasileira de Futebol Feminino entraria em campo já sabendo que as seleções de França e EUA foram eliminadas por equipes consideradas azarões.
O Brasil, começou a tarde desta sexta sabendo que, caso passasse da seleção da Austrália, encararia o vencedor de EUA x Suécia. Logo, saber que a seleção americana havia sido eliminada e não teria a chance de ser nosso algoz nas semifinais já era um peso a menos nas costas de nossas atletas.
Iniciado às 22 horas, o jogo contra a Austrália foi uma mistura de tensão e responsabilidade, fatores que aparentemente pesaram muito e que geraram um nervosismo a cada minuto que se passava e a bola não entrava para que o placar ficasse à nosso favor.
No tempo normal, nada de gols. Então que venha a prorrogação!
Ela veio, com mais nervosismo e tensão ainda. Vale destacar que precisamos clonar a Formiga, pois essa jogadora é fora de série e ninguém joga como ela.
O jogo foi rolando, brasileiros…

Tabu ALTURA - Preconceito com goleiros e goleiras ou falta de visão?

Um tema tem sido frequentemente abordado no futebol, tanto no masculino quanto no feminino: Estatura dos goleiros.
Tem sido uma prática comum clubes dispensarem ou não darem a devida atenção a goleiros e goleiras considerados "baixos" para a posição sem que ao menos sejam analisadas algumas características que muitos destes possuem, mas que precisam ser trabalhadas. Um goleiro de 16 anos e 1,79m é considerado pequeno, assim como uma goleira que tem 18 anos e 1,70m por exemplo! E isso acontece com atletas de menor idade, como exigências de clubes de que goleiros devem ter 1,80m ou 1,90m com 13 anos!

E qual seria o problema: 
Preguiça associada a busca de um jogador ou jogadora prontos para o clube ganhar dinheiro "sem ter trabalho"? 
Ou a intromissão de cartolas que mal entendem sobre futebol e estão preocupados apenas com seus bolsos e seguem assim padrões de escolas internacionais, e por pouca inteligência neste quesito, perdem profissionais (goleiros e goleiras) q…

Pra chegar onde ninguém chegou é preciso fazer coisas que ninguém fez!

Pra chegar onde ninguém chegou é preciso fazer coisas que ninguém fez!

É preciso acreditar em você em seu sonho! É necessário ter foco!
O que diferencia o vencedor do perdedor é que o vencedor decidiu seguir em frente mesmo quando a vida lhe bateu com força e pareceu até lhe faltar chão. O vencedor caiu e levantou quantas vezes foi necessário e acreditou no seu potencial mesmo quando ninguém acreditava em seus objetivos.
É preciso saber onde se quer chegar e o que é preciso fazer para chegar até lá. 
O caminho não é fácil! A trajetória é cheia de obstáculos, mas é preciso seguir em frente, fazer ajustes no seu planejamento de como chegar até lá, mas nunca mudar seu foco. 
Eu sei o que quero, sei onde quero chegar e sei o que preciso fazer pra alcançar meus sonhos. 
As vezes é preciso estar acordado enquanto os demais dormem, é estar em casa estudando, indo a eventos e se atualizando enquanto muitos estão em festas e curtindo o fim de semana. É preciso abrir mão de muitas coisas para i…