Pular para o conteúdo principal

2018 - um ano promissor para o Futebol Feminino no Brasil

Imagem de Istock banco de imagens
2018 pode ser um ano de estruturação e mudanças para o futebol feminino brasileiro e quem pode ganhar com isso são as atletas.

A cada ano que passa e cada novidade que aparece o futebol feminino e suas praticantes se enchem de esperança por estruturas melhores e maior reconhecimento. 

Algumas questões ainda demonstram claramente que o nosso futebol não evoluiu ou caminha lentamente e isso pode ser confirmado com o simples fato de que em pleno ano de 2017, caminhando para 2018, muitas meninas ainda não conseguem jogar futebol em seus estados e cidades Brasil à fora.

A modalidade ainda se restringe à alguns pequenos "polos" para onde meninas precisam migrar caso queiram ter ao menos uma chance um pouco melhor de ser vista ou descoberta pelo nosso mundo da bola.

Com a mudança no sistema de registro de transferência de atletas a partir de janeiro de 2018 e com as exigências da CONMEBOL para que os clubes que visam disputar a Copa Sulamericana ou Libertadores da América precisem ter equipes de futebol feminino devidamente registradas e disputando competições oficiais da CBF a coisa tende a melhorar.

Isso acabará forçando clubes a abrir suas mentes, portas e estruturas para as mulheres e isso, pela lógica, dará ao futebol feminino um maior número de equipes, maior visibilidade e consequentemente maior espaço e vitrine também para milhares de meninas que sonham em ser atletas profissionais de futebol em um país onde somente é valorizado o futebol masculino (ou na versade apenas uma pequenina parcela dele).

Acredito que aquelas que sonhem em vestir a camisa de um clube ou seleção deve se manter firme, apesar de todas as dificuldades, porque 2018 será o termômetro para o futebol feminino de 2019.

CBF precisa rever seu papel e ações 
Obviamente que somente a obrigatoriedade imposta pela CONMEBOL e a mudança na forma de registro de transferência das atletas não são suficientes para promover as mudanças necessárias, mas já é um começo, até por isso se espera que a própria Confederação Brasileira de Futebol (CBF) se torne mais ativa na luta por maior organização da modalidade incentivando o esporte de variadas formas, estando mais ativa e presente nas questões que cercam e interferem diretamente na forma como é visto e tratado o futebol feminino por clubes, federações estaduais e pela sociedade brasileira.

Mesmo sem ações mais inteligentes e integradoras por parte da CBF, 2018 promete ser um ano muito interessante e bom para o futebol feminino brasileiro.

Vamos aguardar e torcer, porque em um país com tantas meninas que amam e jogam futebol chega a ser ridículo o descaso e discurso de coitadismo e de "terceirização da culpa" que a própria entidade máxima do futebol brasileiro insiste em pregar sempre. 

Claro que atletas já firmadas na modalidade, clubes e profissionais do futebol também são culpados pela falta de união,  ação e também por se utilizarem igualmente dessa "terceirização da culpa", fatores que mantém o futebol feminino à espera de ações de terceiros porque quem realmente vive e respira a modalidade diariamente, em pleno século XXI, ainda não tem coragem de colocar a cara a tapa de forma unida e organizada.

Que a partir de 2018 meninas e mulheres possam, a cada dia mais, ter onde jogar, crescer, ser vista e enfim viver como atleta do futebol feminino brasileiro. 

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

O futebol feminino parou, mais uma vez, o país do futebol masculino

Sexta-feira, dia 12 de agosto de 2016. 
Às 22 horas, a Seleção Brasileira de Futebol Feminino entraria em campo já sabendo que as seleções de França e EUA foram eliminadas por equipes consideradas azarões.
O Brasil, começou a tarde desta sexta sabendo que, caso passasse da seleção da Austrália, encararia o vencedor de EUA x Suécia. Logo, saber que a seleção americana havia sido eliminada e não teria a chance de ser nosso algoz nas semifinais já era um peso a menos nas costas de nossas atletas.
Iniciado às 22 horas, o jogo contra a Austrália foi uma mistura de tensão e responsabilidade, fatores que aparentemente pesaram muito e que geraram um nervosismo a cada minuto que se passava e a bola não entrava para que o placar ficasse à nosso favor.
No tempo normal, nada de gols. Então que venha a prorrogação!
Ela veio, com mais nervosismo e tensão ainda. Vale destacar que precisamos clonar a Formiga, pois essa jogadora é fora de série e ninguém joga como ela.
O jogo foi rolando, brasileiros…

Pra chegar onde ninguém chegou é preciso fazer coisas que ninguém fez!

Pra chegar onde ninguém chegou é preciso fazer coisas que ninguém fez!

É preciso acreditar em você em seu sonho! É necessário ter foco!
O que diferencia o vencedor do perdedor é que o vencedor decidiu seguir em frente mesmo quando a vida lhe bateu com força e pareceu até lhe faltar chão. O vencedor caiu e levantou quantas vezes foi necessário e acreditou no seu potencial mesmo quando ninguém acreditava em seus objetivos.
É preciso saber onde se quer chegar e o que é preciso fazer para chegar até lá. 
O caminho não é fácil! A trajetória é cheia de obstáculos, mas é preciso seguir em frente, fazer ajustes no seu planejamento de como chegar até lá, mas nunca mudar seu foco. 
Eu sei o que quero, sei onde quero chegar e sei o que preciso fazer pra alcançar meus sonhos. 
As vezes é preciso estar acordado enquanto os demais dormem, é estar em casa estudando, indo a eventos e se atualizando enquanto muitos estão em festas e curtindo o fim de semana. É preciso abrir mão de muitas coisas para i…

Tabu ALTURA - Preconceito com goleiros e goleiras ou falta de visão?

Um tema tem sido frequentemente abordado no futebol, tanto no masculino quanto no feminino: Estatura dos goleiros.
Tem sido uma prática comum clubes dispensarem ou não darem a devida atenção a goleiros e goleiras considerados "baixos" para a posição sem que ao menos sejam analisadas algumas características que muitos destes possuem, mas que precisam ser trabalhadas. Um goleiro de 16 anos e 1,79m é considerado pequeno, assim como uma goleira que tem 18 anos e 1,70m por exemplo! E isso acontece com atletas de menor idade, como exigências de clubes de que goleiros devem ter 1,80m ou 1,90m com 13 anos!

E qual seria o problema: 
Preguiça associada a busca de um jogador ou jogadora prontos para o clube ganhar dinheiro "sem ter trabalho"? 
Ou a intromissão de cartolas que mal entendem sobre futebol e estão preocupados apenas com seus bolsos e seguem assim padrões de escolas internacionais, e por pouca inteligência neste quesito, perdem profissionais (goleiros e goleiras) q…