Pular para o conteúdo principal

Marta se torna maior atleta da história do futebol, mas título não significa nada no Brasil

Futebol feminino - O Brasil de muitas Thayannes

O nome dela é Thayanne Rodrigues, 23 anos, atua de meia/volante de 1.66mt, muito talento e que bate na bola como poucas pessoas.

Ela é natural do Rio de Janeiro e moradora de Campo Grande-RJ, na zona oeste do estado, onde eu e muitos outros do bairro tiveram o prazer de vê-la jogar e encantar nos campinhos de bola, nas escolinhas de futebol da região, sendo comparada por muitos à Marta, mas que sempre deixou claro que não queria ser a nova Marta e sim a Thayanne Rodrigues. 

Ela que tem o campo de futebol como "quintal de casa" já que mora há poucos metros do "campo do Damasco", no sub-bairro conhecido como Maria de Lurdes, também em Campo Grande, ainda passou por alguns clubes como o Vasco da Gama-RJ, Portuguesa-SP, Flamengo-RJ e Vitória de Santo Antão-PE e quase fechou com o Kindermann-SC na temporada 2017, porém, apesar do seu talento, esforço e todo o apoio de sua família, hoje ela encontra-se sem clube e não sabe se terá a oportunidade de jogar a temporada 2018 do futebol nacional.

Thayanne teve um pouco mais sorte do que muitas meninas e mulheres do país que acabam tentando e abandonando o sonho de se tornar atleta profissional de futebol feminino antes dos 20 anos de idade, mas apesar de seu sonho, parece também estar "invisível" para a modalidade. Apesar disso ela se mantém ativa e treinando forte para caso alguma oportunidade apareça e sempre com o suporte familiar para que continue nessa caminhada.

A realidade é que já vi inúmeras meninas de talento abandonarem o futebol depois de alguns anos. Umas até com passagens por seleção de base, com títulos conquistados e mundiais disputados, e me pergunto: Até quando mataremos talentos e enterraremos sonhos?

Ainda no Rio de Janeiro vi toda uma promissora geração do Vasco da Gama-RJ e da Seleção Feminina abandonar o futebol feminino. Além disso, durante o tempo que estive à frente do Cabuçu FC, de Nova Iguaçu-RJ, ao lado do Treinador Alexandre Amaral, vi muitas meninas de absurda qualidade e com grandes sonhos, viverem a decepção de não conseguir dar continuidade à paixão e abandonar os gramados onde o futebol passou a ser para elas apenas um passa tempo e forma de relembrar os anos de campeonatos, treinos e sonhos abruptamente interrompidos.

Fonte: Blog da Onça/Google
A forma como o nosso Futebol Feminino é gerenciado e negligenciado, faz com que potenciais atletas abandonem o esporte puramente por falta de oportunidades, uma vez que a grande maioria das federações estaduais não tenham nenhum projeto ou planejamento de desenvolvimento de futebol feminino, de assessoria ou de capacitação de profissionais e clubes de futebol feminino nos estados do país.

Não poderemos dizer que o nosso futebol feminino evolui enquanto tivermos tantas "mulheres invisíveis" na modalidade. É preciso muito mais do que campeonatos e sim a gestão do esporte no país e em todos os estados para que meninas não precisem sair de seu estado para jogar futebol nas grandes "capitais" do futebol feminino nacional.

À Thayanne desejo sorte e torço para que possa vê-la brilhar nos campos de todo o Brasil e até do mundo nos próximos anos, dividindo espaço com tantas outras Thayanes, Marias, Teresas, Renatas, Joanas e Fernandas que também sonham com seu espaço.

Temos muitos talentos, muitas meninas de qualidade, e o que eu posso falar para elas - mesmo sabendo das dificuldades sociais, familiares e financeiras de muitas - é que mantenham seus sonhos vivos o máximo que puderem. Lutem, treinem, busquem evoluir, estar fisicamente e tecnicamente bem, atentas às oportunidades e nunca dando menos do que 110% delas todo dia.

É por tantas "mulheres invisíveis" Brasil à fora que, da minha maneira, tento lutar diariamente por um futebol feminino melhor, mais organizado, desenvolvido e de mais oportunidades para que não só jogadoras, como treinadores, treinadoras, preparadores e preparadoras possam viver da modalidade em um futuro não muito distante.

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

O futebol feminino parou, mais uma vez, o país do futebol masculino

Sexta-feira, dia 12 de agosto de 2016. 
Às 22 horas, a Seleção Brasileira de Futebol Feminino entraria em campo já sabendo que as seleções de França e EUA foram eliminadas por equipes consideradas azarões.
O Brasil, começou a tarde desta sexta sabendo que, caso passasse da seleção da Austrália, encararia o vencedor de EUA x Suécia. Logo, saber que a seleção americana havia sido eliminada e não teria a chance de ser nosso algoz nas semifinais já era um peso a menos nas costas de nossas atletas.
Iniciado às 22 horas, o jogo contra a Austrália foi uma mistura de tensão e responsabilidade, fatores que aparentemente pesaram muito e que geraram um nervosismo a cada minuto que se passava e a bola não entrava para que o placar ficasse à nosso favor.
No tempo normal, nada de gols. Então que venha a prorrogação!
Ela veio, com mais nervosismo e tensão ainda. Vale destacar que precisamos clonar a Formiga, pois essa jogadora é fora de série e ninguém joga como ela.
O jogo foi rolando, brasileiros…

Tabu ALTURA - Preconceito com goleiros e goleiras ou falta de visão?

Um tema tem sido frequentemente abordado no futebol, tanto no masculino quanto no feminino: Estatura dos goleiros.
Tem sido uma prática comum clubes dispensarem ou não darem a devida atenção a goleiros e goleiras considerados "baixos" para a posição sem que ao menos sejam analisadas algumas características que muitos destes possuem, mas que precisam ser trabalhadas. Um goleiro de 16 anos e 1,79m é considerado pequeno, assim como uma goleira que tem 18 anos e 1,70m por exemplo! E isso acontece com atletas de menor idade, como exigências de clubes de que goleiros devem ter 1,80m ou 1,90m com 13 anos!

E qual seria o problema: 
Preguiça associada a busca de um jogador ou jogadora prontos para o clube ganhar dinheiro "sem ter trabalho"? 
Ou a intromissão de cartolas que mal entendem sobre futebol e estão preocupados apenas com seus bolsos e seguem assim padrões de escolas internacionais, e por pouca inteligência neste quesito, perdem profissionais (goleiros e goleiras) q…

Pra chegar onde ninguém chegou é preciso fazer coisas que ninguém fez!

Pra chegar onde ninguém chegou é preciso fazer coisas que ninguém fez!

É preciso acreditar em você em seu sonho! É necessário ter foco!
O que diferencia o vencedor do perdedor é que o vencedor decidiu seguir em frente mesmo quando a vida lhe bateu com força e pareceu até lhe faltar chão. O vencedor caiu e levantou quantas vezes foi necessário e acreditou no seu potencial mesmo quando ninguém acreditava em seus objetivos.
É preciso saber onde se quer chegar e o que é preciso fazer para chegar até lá. 
O caminho não é fácil! A trajetória é cheia de obstáculos, mas é preciso seguir em frente, fazer ajustes no seu planejamento de como chegar até lá, mas nunca mudar seu foco. 
Eu sei o que quero, sei onde quero chegar e sei o que preciso fazer pra alcançar meus sonhos. 
As vezes é preciso estar acordado enquanto os demais dormem, é estar em casa estudando, indo a eventos e se atualizando enquanto muitos estão em festas e curtindo o fim de semana. É preciso abrir mão de muitas coisas para i…