Pular para o conteúdo principal

É preciso falar: Os games e videogames não matam

2019 está sendo um ano difícil! Ontem mais uma tragédia assolou o coração de todos nós, brasileiros. 

Dois adolescentes invadiram uma escola em Suzano-SP e efetuaram disparos contra alunos e funcionários de sua ex-escola. Antes, o tio de um dos meninos foi assassinado por ele e "ao fim" da tragédia que provocaram na escola, ambos os adolescentes tiraram também suas vidas cometendo suicídio. 

Com eles  foram encontradas anotações de "estratégias" de jogos virtuais de tiro, além de um deles estar caracterizado com uma roupa semelhante a um personagem, fatores que geraram nas redes sociais, comentários e opiniões à cerca da influencia negativa e violenta de games no comportamento dos indivíduos. 

VIDEOGAMES NÃO MATAM

Como gamer e entusiasta do mundo dos jogos desde criança, me sinto no dever de falar expor a minha opinião.

O mundo dos games e e-sports vem crescendo em todo mundo, em especial no Brasil, onde temos grandes equipes/instituições e atletas que conquistaram o cenário mundial de games de tiro, de luta, de futebol e de estratégia e que estão mudando suas vidas e conquistando inúmeras coisas através dos games. 

Jogar videogame  proporciona um ganho cognitivo e desenvolve diversos pontos como atenção, raciocínio lógico, agilidade, controle de frustrações, coordenação, velocidade de raciocínio entre outros. Pode se tornar uma profissão e é um hobbie divertido.

O QUE PROVOCA A VIOLÊNCIA

A violência está associada a uma série de outros fatores que podem ser químicos, psicológicos que envolvem também questões sociais que influenciam nos processos psicossociais presentes na formação de identidade dos indivíduos.

A realidade social, política e econômica e também a estrutura da comunidade onde vive e transita a criança/jovem são fatores atenuantes para o seu desenvolvimento psicológico e moral.

PAIS, FIQUEM ATENTOS AOS SEUS FILHOS

Os pais tem um papel fundamental na formação do indivíduo no aspecto moral, psicológico e comportamental.

É importante que os pais se preocupem sim com o que seus filhos jogam, mas acima de tudo é preciso estar atento aos
comportamentos e atitudes também fora do ambiente de diversão, sendo fundamental estar presente, conversar, expor o certo e o errado, sempre diferenciar o virtual do real, exemplificar, dialogar, estar presente, acompanhar o desempenho escolar e comportamental do filho, sempre ir à escola para saber como tem sido o comportamento dele lá, em um ambiente longe de você e onde ele tem "liberdade" pois está "longe" do controle e olhar dos pais.

A presença dos pais pode ser FUNDAMENTAL na identificação de problemas e dificuldades que podem levar o jovem a cometer atos violentos contra outros e contra si mesmo (suicídio).

Brinquedos, jogos, doces e videogames não substituem momentos de carinho, atenção, diversão e conversa e laços que precisam ser mantidos e estimulados desde a primeira infância e que são de extrema importância para a formação do seu filho. 

NÃO TENHA MEDO DOS GAMES, ELES PODEM SER SEU ALIADO 

Não tenha medo do videogame à seu favor, pelo contrário.

Utilize-o como uma ferramenta para aproximar você e seu filho. E essa aproximação pode não ser só pelo mundo dos games, mas pelos esportes, pelos deveres da escola e tantas outras atividades que você pode desenvolver ao lado deles.

Estar ao lado, conversar, entender o que se passa ao seu redor pode auxiliar a identificar diversas situações como o bullyng, a depressão, uma violência verbal ou física que vem sendo sofrida e uma série de outros fatores. 

Com isso tudo, não quero dizer que os pais tem culpa no que ocorreu neste caso de Suzano ou que estavam ausentes da vida de seus filhos, pois situações como essa podem acontecer mesmo que os pais estejam o mais presentes possíveis.

Quero dizer que a formação de caráter é talvez uma das coisas mais importantes que os pais podem dar aos seus filhos e estar presente vai te ajudar a estreitar laços afetivos e pode ajudar a enxergar situações que muitas vezes passam despercebidas, situações com as quais uma criança/jovem as vezes não sabe como lidar e onde vocês irão ajudar e muito a dar mais segurança e suporte afetivo e emocional a eles.

Videogames não matam! As situações da sociedade e do mundo no entorno do seu filho, SIM! 
E você pode ser a peça fundamental para ajudar seu filho!


E que Deus conforte cada um dos membros, familiares e amigos das vítimas da tragédia de Suzano!

Comentários