Pular para o conteúdo principal

Com Rene Simões Seleção Feminina teria 7 mulheres na comissão técnica

O Futebol Feminino brasileiro aguarda ansiosamente pelo desfecho sobre o comando técnico da Seleção Feminina. 

Ao longo de toda campanha na fase preparatória, o número de derrotas e pouca evolução técnica, tática e física já fazia com que o nome de Vadão e sua comissão fosse duramente questionado. Após a Copa da França, onde o Brasil se classificou em terceiro lugar no seu grupo e foi eliminado pela França nas oitavas de final, o clamor pela troca de treinador foi ainda maior e tem sido um dos assuntos mais comentados desde o final da competição.

Rene é nome bem visto dentro e fora das quatro linhas
Com a expectativa de troca do treinador o nome de Rene Simões ganhou força dentro do cenário do futebol, com uma banca de peso em seu favor dentro e fora da CBF formada por profissionais do esporte, do jornalismo e nomes de peso no histórico da Seleção Brasileira e com respeito e voz dentro da instituição. 

Pela força, currículo e representatividade dentro e fora do campo, além da medalha de prata inédita conquistada na Olimpíada de Atenas com apenas 6 meses de trabalho na Seleção, o treinador foi responsável por brigar por direitos iguais das mulheres da Seleção como a utilização da academia da Granja Comary, que era de uso "exclusivo" da seleção masculina. 

Por tudo isso, Rene seria possivelmente o único nome capaz de resistir a quaisquer pressões ou tentativas de influências em todo o processo de desenvolvimento de trabalho e definição de peças e até mesmo teria maior facilidade e capacidade de condução e gestão do grupo de jogadoras.

Em conversa com o treinador, ele informou que sua comissão seria composta por um grupo de 7 mulheres divididas nas funções de assistentes técnicas, assistente de preparação física, médica, fisioterapeuta, assistente de analista de desempenho. psicóloga e coach, onde em algumas funções seriam assistentes de alguns profissionais masculinos, onde boa parte já encontra-se definido na cabeça do treinador.

E de acordo com algumas possibilidades em relação à sua função, esse número de mulheres pode subir ainda para 9 mulheres atuando na Seleção. 

A intenção é preparar o campo de atuação para elas de modo que possam, em um futuro próximo, estar à frente do processo de formação e desenvolvimento da seleção e da modalidade, à exemplo do que foi feito por Rene Simões na Jamaica, onde não só mudou a vida de atletas, mas de profissionais do esporte e do futebol do país.


Comentários